segunda-feira, novembro 12, 2007

"Isto é uma vergonha".

Triste e revoltado. É assim que se sente o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. José Policarpo, com a retirada do Orçamento do Estado para o próximo ano de qualquer verba de apoio aos alunos carenciados da Universidade Católica.
Em entrevista ao Correio da Manhã, no final da visita ‘Ad Limina’ a Roma, o cardeal disse, sem rodeios, que esta situação “é uma vergonha” para o nosso país, explicando que, a este nível, “Portugal e Espanha constituem a excepção negativa da União Europeia”.
"A Polónia, a República Checa, a Hungria, a Eslováquia, a Holanda e a Bélgica, entre outros, financiam as suas universidades e institutos católicos a 100%.
Até a França, com o seu velho laicismo, ou a Itália, onde nos encontramos, financiam 40% das despesas das universidades da Igreja. Só nós é que, tristemente, chegamos ao ponto zero. Isto é uma vergonha”, realçou o Patriarca de Lisboa.
No Orçamento do Estado de 2007, recorde-se, estava previsto uma verba para acção social de 1,5 milhões de euros, fatia que a Universidade ainda não recebeu e que desapareceu por completo do Orçamento de 2008.
"Não pedimos financiamento a 100%, só gostávamos de ver o País a sair desta cauda negativista, em que a ajuda é zero, em que o reconhecimento é nada. Não falo só de escolas ou institutos católicos, mas de todas as boas instituições de ensino privadas”.
Apesar de não o dizer de forma expressa, D. Policarpo considera que o Governo está a trilhar os caminhos traçados pela “onda laicista que todos os dias mina a sociedade portuguesa”.
Fonte: Correio da Manhã

10 comentários:

  1. money money money money money money money money money money money money money money money money

    é uma música já antiga não é?...

    ResponderEliminar
  2. Já viram que o barzabu nunca responde ao artigo. Cego é quem não vê ou quem não quer ver... Será que os pais que mandam os filhos para a Universidade Católica ou para outras universidades privadas não tem os mesmos direitos que os outros. Onde está o direito à livre escolha?
    Os portugueses e os espanhois é que estão no caminho certo ... a Holanda, a Bélgica, a França tem que fazer como nós. A onda laicista ainda não chegou a este ponto... Que pena, deve pensar o Barzabu.

    ResponderEliminar
  3. O negócio da fé





    Cá se, fazem..., Paulo Baldaia, Chefe de Redacção

    O líder da Igreja Católica - cardeal Ratzinger, rebaptizado Papa Bento XVI - recebeu na sede do Império (Vaticano) os bispos portugueses e parece que lhes passou um raspanete. "Novo estilo", "Nova mentalidade", escreveram na primeira página vários jornais, dando conta das mudanças requeridas pelo chefe da multinacional católica para a sua filial portuguesa.

    Livres de dogmas, olhando com respeito para a instituição Igreja, nada nos impede de perceber que o problema do Vaticano é que em Portugal - como de uma forma geral no mundo inteiro - há cada vez menos padres, menos seminaristas, menos baptizados e menos pessoas na missa. Ou seja, menos negócio.

    Visto pelos olhos de um católico praticante, admito que este comentário soe a blasfémia, mas quem não tem uma fé cega no juízo dos homens que falam em nome de um Deus só pode concluir que o problema são os números.

    A Bíblia está cheia de histórias em que o Criador abençoa homens com pouca fé mas muita prática do bem. E a história da Igreja de São Pedro tem muitos episódios de sinal contrário. O que preocupa o Vaticano é o declínio do negócio.

    Ratzinger, a quem todos apontam um certo conservadorismo, parece acreditar que a solução passa por um regresso ao passado. Olhará para outras igrejas, e seitas, pensando que o seu relativo sucesso se deve a fundamentalismos.

    Acontece que, em matéria de negócios, qualquer 'spin doctor' lhe poderá dizer que o que ele precisa é de adaptar-se ao presente e antecipar o futuro.

    Para 'salvar' os filhos de Deus - sejam eles católicos, protestantes, judeus ou muçulmanos - não é preciso obrigá-los a ser religiosos. Basta que a religião os ajude a ser racionalmente mais solidários.

    ResponderEliminar
  4. porque não?13 novembro, 2007

    Mais um estado laico
    Liechtenstein deixará de ter um estado católico


    O Catolicismo deixará de ser a religião oficial do Principado de Liechtenstein. O primeiro-ministro Otmar Hasler apresentou a reforma que regulamenta a separação entre Igreja e Estado.

    Lentamente, os últimos protectorados do último estado totalitário da Europa - o Vaticano -, vão-se emancipando e tornam-se estados de direito pleno.

    ResponderEliminar
  5. Talvez para expiação dos pecados, João César das Neves exige a regulamentação da Concordata (tratado dispensável entre o Estado português e o do Vaticano) - uma forma de reivindicar os privilégios que a hierarquia católica reclama e de que JCN sub-repticiamente se faz eco.

    JCN deplora a derrota do miguelismo que, na sua opinião, «tentou responder à crescente onda jacobina», o que «gerou a longa e degradante servidão da Igreja sob o jugo liberal da segunda metade de Oitocentos». Para ele, o que não seja um Governo semelhante ao do Irão é um regime de «servidão da Igreja».

    Segundo o beato plumitivo, as normas cuja extensão aos lares da ICAR é uma exigência legal, não passam de «regulamentos e exigências tolas».

    Sem o dizer claramente, vê no fim do subsídio à Universidade Católica a «agressão» de Sócrates, «talvez inspirado pelas tolices de Zapatero», e, tecendo o mais terno louvor à bondade da ICAR, considera «confronto» e «opressão» o cumprimento da Constituição, que garante a liberdade religiosa, com tratamento igual das diversas confissões.

    A extinção dos lugares de capelães hospitalares, prisionais e castrenses, na função pública constitui «perseguição» e «opressão» [sic] de que é vítima a Igreja católica.

    ResponderEliminar
  6. Já S. Martinho defendia a separação Igreja/estado. Até quando o reducionismo da igreja à hierarquia, do ser cristão à participação na missa,do ser ao parecer...? A justiça não pertence apenas ao foro do religioso. É um valor universal tal como a liberdade de escolha (no ensino e não só), a igualdade de direitos e a tolerância... Confundir Ratzinger com fé, estado com igreja, justiça com proteccionismo... talvez sejam erros grosseiroa. "Dai a César o que é de César" para que eu possa chamar a César injusto...

    ResponderEliminar
  7. Afinal não querem falar da Holanda e da Bélgica, da França que subsidia as escolas privadas... não interessa!!!
    Vale mais dizer umas choradas de coisas preformatadas por mentalidade laicista, do que pensar e perceber que um estado pode ser laico sem ser anti-católico.
    Os pais católicos (que pagam impostos). Ainda são 2 milhões de praticantes em Portugal tem direito ou não a escolher a escola para onde querem mandar os filhos?
    A liberdade (escolha) faz parte dos vosso principios ou não?

    ResponderEliminar
  8. Deste governo já nada me espanta, tais as trapalhadas que não cessa de semear por todo o lado e por todos.
    É a minoria laicista a quer impor "democraticamente" a sua vontade totalitária.
    Perguntar não ofende: Não andará por detrás das disparatadas e agressivas medidas socráticas a mão da maçonaria?

    Mas o Senhor Patricarca e demais bispos estão só a receber o troco da forma acomodada e - diria - de aplauso como se têm comportado perante a arrogância e prepotência do actual governo.
    Enquanto a chuva agressiva andou por "outros quintais", silêeeeeeecio! Agora que chegou também ao seu quintal, barafustam...

    Os silêncios cúmplices não se conjugam com PROFECIA, senhores bispos!

    ResponderEliminar
  9. Mas... não foram só os bispos e os padres que votaram neste e noutros governos, dando-lhes a maioria. Onde está a opinião pública desses que se dizem cristãos? Onde estão os verdadeiros valores vindos da fé? Bananas é o que somos feijões frades. E a culpa não é só da hierarquia (mas também!) É do nosso dualismo... cristãos de missa e laicos (talvez maçónicos... é provável) de activismo, de prática, de obras...
    Dizia D. Helder: "...quando dou pão aos pobres,chamam-me de santo, quando pergunto pelas causas da pobreza, me chamam de omunista."...

    ResponderEliminar
  10. A Comissão de Finanças do Senado dos EUA exigiu a apresentação de relatórios de contas detalhados da actividade financeira de seis grandes organizações cristãs.

    A 5 de Novembro, o Senador de Iowa e Presidente do da Comissão de Finanças do Senado dos EUA, Chuck Grassley, enviou cartas a seis grandes organizações religiosas cristãs com o pedido de apresentação de relatório detalhado dos gastos daquelas organizações. Segundo a Primeira Emenda da Constituição dos EUA, cada uma destas grandes igrejas, graças ao seu estatuto, está dispensada de preencher o impresso do IRS.

    www.christianitytoday.com/ct/2007/novemberweb-only/145-25.0.html

    Em Portugal deveria ser feito o mesmo ! Como está contabilizado e é gasto o dinheiro dos crentes, onde e em quê, deveria obter uma observação periódica do Tribunal de Contas de Portugal !

    ResponderEliminar