quarta-feira, fevereiro 27, 2008

Homilias de 10 minutos


Vaticano quer impor um limite de 10 minutos nas homilias para que os sacerdotes se concentrem no Evangelho do dia. A ideia é que chegue aos fiéis uma mensagem "mais clara e directa".

A regra insere-se no conjunto de outras normas que pretendem melhorar a celebração da missa.

domingo, fevereiro 24, 2008

Sondagens

O que perguntaria ao seu Bispo?
por Deus - 36 (17%)
por questões morais - 19 (9%)
pela politica - 6 (2%)
pela fé - 59 (28%)

pela modernização da Igreja - 87 (42%)

Votos até o momento: 207



Se a esperança da Igreja não está na Europa, onde está
na Ásia - 4 (2%)
na África - 18 (10%)
na América Latina - 30 (17%)
nos pobres do mundo - 74 (44%)
na defesa dos valores tradicionais - 42 (25%)

Votos até o momento: 168



Porque é que os portugueses confiam menos na Igreja?

É incompreendida - 21 (10%)
A comunicação social fala mal dela - 13 (6%)

É perseguida pelos politicos - 8 (4%)
por falta de credibilidade da hierarquia - 77 (38%)

porque deixou se ser profética - 80 (40%)

Votos até o momento: 199

Padres brasileiros pediram ao Vaticano o fim do celibato

Proposta faz parte do documento elaborado durante encontro nacional em São Paulo.

O documento final do 12º Encontro Nacional de Presbíteros, que terminou na terça-feira (19) no Mosteiro de Itaici, em Indaiatuba, a 102 km de São Paulo, propõe ao Vaticano a busca de alternativas para o celibato sacerdotal - o que significaria a ordenação de homens casados e a readmissão de padres que deixaram as suas funções para se casar.

Aprovado por 430 delegados que representavam os 18.685 padres das 269 dioceses brasileiras, onde trabalham em 9.222 paróquias, o pedido foi enviado à Sagrada Congregação para o Clero, em Roma, actualmente presidida pelo cardeal D. Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo.
  • Os padres pediram também à Santa Sé “orientações mais seguras e definidas sobre o acompanhamento pastoral de casais de segunda união” - os católicos que se divor-ciaram e se tornaram a casar. Unidos pelo casamento civil, esses fiéis podem participar da vida da Igreja, mas não se podem confessar nem comungar.
  • As duas reivindicações contrariam as normas em vigor na Igreja que, conforme D. Cláudio afirmou no encontro, a Igreja não tem a intenção de alterar. Os padres não sugerem a abolição total do celibato, que continuaria a ser uma opção, por exemplo, nas ordens e congregações religiosas, mas que haja outras “formas de ministério ordenado”.
  • Outra reivindicação ousada do documento aprovado pelo Encontro dos Presbíteros refere-se à nomeação de bispos. A proposta enviada à Congregação para os Bispos pede a revisão das nomeações “dentro de um espírito mais transparente, democrático e participativo junto dos presbitérios, dioceses e regionais da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil)".

Afinal, nem todos pensam da mesma forma. Afinal, há cardeais, bispos, padres e claro também leigos que acreditam e defendem o CELIBATO OPCIONAL, novas opções pastorais e disciplinares para CASAIS RECASADOS e num espirito mais transparente e democrático na NOMEAÇÃO DOS BISPOS (talvez este seja o ponto mais importante do documento, porque só assim poderão chegar lá pessoas que pensam de maneira diferente da posição oficial. E afinal há muitos que pensam de maneira diferente).

Tenho a certeza que também há muitos padres portugueses que assinariam este domumento...

quinta-feira, fevereiro 21, 2008

Frey Richard encontrou no rap um meio de Evangelização

Vê porque escolheu este caminho aparentemente impossível como um meio da Nova Evangelização. Ele procura através do rap atingir este meio aparentemente impenetrável. Realmente os designios do Senhor são insondáveis !


terça-feira, fevereiro 19, 2008

Inevitavelmente, a dor conecta-te a Deus. Queres saber porquê?

OLGA BEJANO, pentapléjica de 44 anos, escreve o seu terceiro livro: "Os rabiscos de Deus".

Há mais de duas décadas sem poder falar. Respira artificialmente, alimenta-se através de uma sonda, já teve quase 200 pneumonias durante este tempo, dezenas de intervenções cirúrgicas...
A vida é cada vez mais difícil para Olga Bejano, mas ela decidiu continuar « a trabalhar» e a lutar para dar a conhecer todo o potencial de sabedoria que leva dentro de si.

Depois de ter escrito «Voz de Papel» e «Alma de cor salmão», sai agora à luz a sua última obra, «Os rabiscos de Deus», na editora LibrosLibres. No dia da sua publicação, Olga deu esta entrevista, na qual explica os porquês desta obra, repassa a sua situação actual e dá razões da sua esperança no meio da dor .


Já agora vale a pena pensar nisto

quinta-feira, fevereiro 14, 2008

O aborto não é a solução para a fome no mundo

Cresce A Adesão À Campanha Do Jornal "Il Foglio"
Lenin Raghavarshi de 37 anos, ateu, comunista, activista dos direitos humanos está a favor da campanha por uma moratória de abortos iniciada pelo jornalista italiano Giuliano Ferrara, director do Foglio.

Entre as afirmações por ele proferidas salientam-se:

"É ridículo e absurdo sugerir que o aborto é uma solução para a fome, para controlar o crescimento da população. O conceito, que caracteriza os Organismos da ONU, de que o excesso de população representa o maior risco para a saúde de uma nação não tem base real. Em realidade o mundo deveria olhar com urgência para os temas socio-económicos e políticos para eliminar a fome, a pobreza e a miséria”

"Na Índia temos um grave mal social com o aborto para escolha do sexo e oponho-me absolutamente e com veemência a estes abortos. É alarmante o que se passa na Índia e na China; matar as meninas é muito perigoso para a sociedade e provocará sérios desequilíbrios para o futuro das nações. Temos de defender o direito à vida do embrião no ventre materno.”

"Defender que o direito à vida é sagrado conduzirá à defesa do direito à alimentação, educação e cuidados sanitários.”

“Malthus promoveu a teoria de que muitos problemas do mundo como a pobreza e e outras situações desumanas de marginalidade são devidas à população mas isto é completamente contrário à ciência e uma falsa teoria…As companhias multinacionais que se envolvem na indústria do controle da população, promovem a sua agenda com falsa propaganda. Querem vender e colocar os seus produtos e o seu único interesse é o lucro. São estas multinacionais que degradam a dignidade da pessoa humana criando fome e pobreza no mundo”

“O que a comunidade internacional precisa consciencializar é que 20% do mundo, constituído pelo G7, consome 80% dos recursos mundiais e que este é o grande problema.”
Passado um ano, Portugal não resolveu o problema dos abortos clandestinos;
Passado um ano, metade das mulheres que fazem um aborto faltam à consulta de planeamento familiar;
Passado um ano, Portugal é um dos países europeus onde se recorre mais à "pilula do dia seguinte";
Passado um ano, não fomos capazes de levar as mulheres a reflectir nas vantagens de prevenir;
Passado um ano, todos os movimentos que defenderam a despenalização do aborto, extinguiram-se, mandaram as mulheres às malvas. Onde está a ajuda prometida.
Quem continua ainda? Os movimentos do Não. A fazer o quê? A fazer, com as suas limitações e sem apoio estatal, aquilo que os outros prometeram: ajudar todas as mulheres, a que recorreram e ficaram com sequelas fisicas e psicologicas e as que decidiram levar a gravidez em frente - ajudad-as.
Infelizmente, os factos demonstram as falácias com que fomos enganados. Afinal nada foi resolvido, muito pouco foi feito a favor das mulheres. A exploração do miserabilismo deu os seus frutos nas urnas, mas a realidade, os factos, os dados conhecidos demonstram que, depois das verdades absolutas que exprimiam os defensores do Sim, só lhes resta o silêncio.

A maçonaria está preocupada com "o retorno do religioso".

«Nós vivemos actualmente – em França como no Ocidente – uma verdadeira revolução silenciosa caracterizada por um regresso inquietante do religioso.»

«Sob o assalto de correntes e de doutrinas as mais reaccionárias, eis que o Homem – moderno e pós-moderno – se nos apresenta radiante graças à redescoberta do facto religioso.»
«Assim lentamente assistimos ao triunfo do sujeito religioso, apagando pouco a pouco o sujeito político, racional universal.»

«Este retorno histórico reveste-se dos mais graves perigos. Os anti-Luzes estão prontos a tomar a sua vingança.» (.....)

«Nós estamos na presença de uma verdadeira ofensiva intelectual e cultural.» (.....)

«O Grande Oriente de França apela à mais extrema vigilância face a esta ofensiva geral que trabalha contra a emancipação dos Homens, contra a sua Liberdade.»


Este texto é parte substancial do comunicado do Grande Oriente da França. Isto explica em parte as tomadas de posição que ultimamente têm feito vários sectores da maçonaria portuguesa e de outros países. Basta ver as ordens para a retirada dos símbolos católicos das escolas e da sua renomeação, no caso de terem nomes de santos. O problema dos capelães de hospitais, prisões e quartéis insere-se na mesma luta. E outras estarão na forja.
A própria Maçonaria não tem pejo em afirmar que a religião, em vez de diminuir, está a aumentar a sua influência nos indivíduos e na sociedade, mesmo na nossa Europa.

Isto parece contradizer a opinião geral, mas sondagens fidedignas acentuam isto mesmo. Ainda há pouco um inquérito de opinião feito aos franceses dava conta de que as novas gerações de França são mais religiosas do que o eram na sua idade os seus pais. E 67 % dos pais e avós franceses consideram ser muito importante a transmissão da religião às crianças. Mesmo 62 % dos não praticantes de qualquer religião acha que a sua transmissão ajuda a solidificar os valores nas pessoas.

Mais: na França baptizam-se em cada ano cerca de 9 mil adultos.
Têm pois razão os que têm medo da influência da Igreja no mundo e a combatem. Mas o que não sabem é que estão a combater contra Deus. E a Deus ninguém consegue vencer!

quarta-feira, fevereiro 13, 2008

A morte e ressurreição de Jesus causa interesse e apreensão.

"A morte e ressurreição de Jesus causa interesse e apreensão. Para uns alegria, para outros insegurança e temor, pois ele promete a implantação de um reino justo, que valorize os direitos humanos."

A "Via Dolorosa" é essencialmente um exercício de devoção, um caminho que nos permite uma reconexão com o divino, uma promessa de enlevo através do despertar da alma. Dante Alighieri, na sua obra-prima A Divina Comédia, coloca-nos frente a frente com essa possibilidade, evocando uma imagem de rara beleza: "Sobre a cruz o Cristo resplandecia a tal ponto que eu não saberia encontrar imagem para representá-lo; mas aquele que toma a sua cruz e o segue, desculpar-me-á por não saber exprimi-lo, quando vir, na dita claridade, o Cristo a brilhar como o relâmpago..."

As catorze estações da Via Crucis representam os episódios mais marcantes na Paixão e Morte de Cristo. Esta tradição tem origem franciscana e reproduz a "Via Dolorosa", ou seja, o percurso feito por Jesus desde o Tribunal de Pilatos até o Calvário (ou Gólgotha, 'lugar do crânio' em hebraico), em Jerusalém. Desde a sua criação, no século XV, a Via Crucis sofreu modificações ao longo do tempo, mas a sua forma final, catorze episódios, foi finalmente fixada pelos papas Clemente XII (1731), e Bento XIV (1742). É possível, entretanto, encontrar versões da Via Crucis com quinze estações. O ritual, realizado por milhares de peregrinos há mais de quinhentos anos, consiste em percorrer, assim como Jesus, as quinze estações que recriam os momentos desde a sua condenação à morte até ao seu enterro, parando em cada estação para meditar ou rezar.

Muito mais significativo do que saber se realmente a Via Crucis aconteceu como hoje a conhecemos, é tentar compreender o inesgotável manancial escondido por trás dos seus símbolos.
Porque é que o hoje a morte nos causa ao mesmo tempo interesse e apreensão?

É preciso ter coragem

O bispo de Piazza Armerina, na ilha italiana da Sicília, desafiou a máfia ao negar a autorização para um funeral religioso a Daniele Emmanuelo, um sanguinário "capo" da Cosa Nostra. Os mafiosos reagiram mal à decisão de Michele Pennisi e ameaçaram-no de morte.

"Para mim é um dever lutar contra a máfia. Nunca os apoiarei" disse o bispo numa entrevista. Um funeral público teria sido como uma exaltação dessa figura. Pennisi explica que se inspira no "explêndido exemplo" do Pe. Pino Puglisi, morto pela máfia em 1993.
Vale a pensa pensar nisto.

A quem interessa o TGV?

Os dinamarqueses não estão interessados. Os suecos também não.
Os holandeses dispensam-no. Não construíram estádios de futebol desnecessários, não constroem aeroportos em cima de pântanos, nem optam por ter comboios supersónicos.

PORQUE SERÁ?
A resposta está na excelência das suas escolas, na qualidade do seu Ensino Superior, nos seus museus e escolas de arte, nas creches e jardins-de-infância em cada esquina, nas políticas pró-activas de apoio à terceira idade.
A quem interessa que o trajecto de Lisboa-Porto dure menos 20 ou 30 minutos? Vamos investir de cerca de 7,5 mil milhões de euros que não trarão qualquer benefício à economia do País.
Com 7,5 mil milhões de euros podem construir-se:
  • mais mil escolas Básicas e Secundárias de primeiríssimo mundo que substituam as mais de cinco mil obsoletas e subdimensionadas existentes (a 2,5 milhões de euros cada uma);
  • mais mil creches inexistentes (a 1 milhão de euros cada uma);
  • mais mil centros de dia para os nossos idosos (a 1 milhão de euros cada um).
  • Ainda sobrariam cerca de 3,5 mil milhões de euros para aplicar em muitas outras carências, como a urgente reabilitação de toda a degradada rede viária secundária.

Porque será que um país pobre gosta de projectos megalomanos e os países ricos vivem bem sem estes luxos?

terça-feira, fevereiro 12, 2008

Media Mark acaba com a Parvónia

Ainda vale a pena protestar.
Afinal eles precisam de clientes... e os escuteiros porque não são parvos mobilizaram-se e protestaram. NÃO VALE TUDO... É uma boa lição para o futuro.

Bernhard Boese, da Media Market, reconheceu que a Campanha criada pela a agência TBWA: "não é positiva para os escuteiros nem para o que eles significam para o País".

segunda-feira, fevereiro 11, 2008

Os mártires são a mais bela e convincente face do povo de Deus

No Iraque é perigoso assistir a um enterro de um sacerdote que tenha sido assassinado por ser fiel a Jesus. Perto de Mossul, no norte do país, os cerca de 2.000 fiéis não se deixaram amedrontar. Sob o sol ardente rezam e cantam a sua fé na ressurreição.
Ragheed Aziz Ganni era o nome do pároco de 35 anos.
Apenas acabada a Missa dominical, um grupo de fundamentalistas armados atingiram-no a ele e a três diáconos católicos. Balas de ódio - os quatro mártires morreram diante do seu próprio Templo.
Este sacerdote tinha escrito: "A Eucaristia devolve-nos a vida que os terroristas tentam arebatar-nos. Sem o Domingo, sem a Eucaristia, nós, cristãos, não poderemos sobreviver no Iraque".
Fonte: AIS
Realmente, os mártires são o testemunho mais convincente. Como dizia o Pe. Werenfried, estas Igrejas que sofrem "são a verdadeira elite da Igreja".
Para nós é tão fácil participar na Eucaristia, para eles participar é arriscar a vida...
Nós inventamos motivos para não ir à missa, eles têm muitos motivos para não irem e vão...
Já agora VALE A PENA PENSAR NISTO...

sábado, fevereiro 09, 2008

Educação não é monopólio do Estado

O director do Colégio de São João de Brito, em Lisboa, pediu ao Presidente da República que salve o ensino português, depois de criticar a falta de autonomia pedagógica permitida pelo actual sistema educativo.

"Estamos longe de uma verdadeira autonomia pedagógica. A autonomia que nos concedem em Portugal é tão regulamentada que não dá vontade de levar adiante o ensino".

Segundo o sacerdote jesuíta “não há, em Portugal, ‘liberdades de aprender e de ensinar’, porque se nega aos cidadãos a livre e efectiva hipótese de opção pela escola das suas preferências”.

“A ‘igualdade de oportunidades’ não passa, afinal, de uma ilusão, de uma miragem. Com efeito, os pais que conseguem matricular os filhos neste colégio são constrangidos a suportarem duplamente a sua educação…”.

Em resposta, o Presidente da República salientou que: "o sucesso educativo é compatível com modelos diferenciados de ensino. Não é preciso que todas as escolas tenham o mesmo modelo educativo".
Porque é que em Portugal um cidadão não pode matricular o seu filho onde quer sem que por isso seja penalizado? A educação deve ser um monopólio do estado?

Papa propõe jejum de imagens e de palavras

Bento XVI deixa propostas para a Quaresma, perante o laicismo e o esquecimento de Deus na sociedade.

Bento XVI convidou a um “jejum de imagens e de palavras”, defendendo a necessidade de “silêncio” na vida de cada um. “Temos necessidade de um espaço sem o bombardeamento permanente das imagens, de criar espaços de silêncio, também sem imagens, para abrir novamente o nosso coração à imagem verdadeira e à Palavra verdadeira”.

Perante "o laicismo desenfreado" aconselha os sacerdotes a "falarem dos valores evan-gélicos aos jovens". Antes de falar de valores, é preciso ser credível e visível no seu testemunho. Hoje é difícil para um jovem viver como cristão diante dos estilos de vida dominantes. É então fundamental que os sacerdotes saibam testemunhar que nós podemos realmente conhecer Deus, que podemos ser amigos e caminhar juntamente com Ele”.

Finalmente alertou para a importância da presença de Deus na educação: “Nunca basta uma formação profissional sem uma formação do coração, sem a presença de Deus”.
Fonte: Radio Vaticano

Quem não trabalha pelo paraíso não trabalha para o bem dos homens

Bento XVI falou sobre os chamados Novíssimos, reconhecendo que talvez hoje na Igreja se fale muito pouco do pecado, bem como do Paraíso e do Inferno. Também por isso "eu quis falar do Juízo Universal na encíclica Spe Salvi (Salvos pela Esperança)”.

“Quem não conhece o Juízo último, não conhece a possibilidade da falência e a necessidade da redenção. Quem não trabalha pelo Paraíso, não trabalha nem mesmo para o bem dos homens sobre a Terra. Nazismo e comunismo, que queriam mudar sozinhos o mundo, destruíram-no”.

quinta-feira, fevereiro 07, 2008

27% dos Hospitais contra a Sida são Católicos

A Igreja, ao contrário do que dizem os meios de Comunicação social, faz muito contra a Sida. A Igreja intervém porque tudo o que é importante para o ser humano é importante para a Igreja, ela faz muito pelas pessoas. De facto, 27% dos hospitais para pessoas com Sida são geridos por ordens religiosas ou pessoas da Igreja, de forma que a Igreja faz muito nesta área. As Igrejas irmãs, as Igrejas protestantes também estão a lutar contra a Sida.”

Concretamente, a Igreja promove a fidelidade. Claro que este ponto não interessa a uma sociedade que despreza os valores morais e religiosos. Sejamos claros, a Igreja pensa que o melhor meio de prevenir a sida é insistir em saudáveis estilos de vida e educar para a fidelidade.

Esta forma de vida também ajuda a sociedade. É uma estratégia que combina estilos de vida saudáveis e princípios morais que nos ajudam a viver melhor e promovem o bem.

Segundo os ultimos dados, verificam-se diariamente 14 mil novos casos de infecção, 95% dos quais em países em vias de desenvolvimento.

Pe. António Vieira, o "louco de Deus"

Eduardo Lourenço recordava ontem que o Pe. António Vieira "é um pregador da palavra divina, é mesmo o pregador maior dessa palavra". Destacou ainda a relação entre Vieira e Fernando Pessoa, que via naquele o “Imperador da Língua Portuguesa”, destacando a sua “autonomia do verbo”, “corpo visível, sonoro, da verdade”.
O pensador português falou ainda do jesuíta como uma “Wittgenstein do século XVII”, considerando que “os limites do nosso pensamento são os limites da nossa linguagem”.
Com todos estes atributos valia a pena repensar o destaque que é dado no programa da língua portuguesa. Se é o "Imperador da Língua Portuguesa" porque é praticamente ignorado?

quarta-feira, fevereiro 06, 2008

A esmola, aproximando-nos dos outros, aproxima-nos de Deus (Bento XVI na mensagem para a Quaresma)

A esmola, aproximando-nos dos outros, aproxima-nos de Deus também e pode tornar-se instrumento de autêntica conversão e reconciliação com Ele e com os irmãos.
A esmola educa para a generosidade do amor.
A prática quaresmal da esmola torna-se, portanto, um meio para aprofundar a nossa vocação cristã. Quando se oferece gratuitamente a si mesmo, o cristão testemunha que não é a riqueza material que dita as leis da existência, mas o amor. Deste modo, o que dá valor à esmola é o amor, que inspira formas diversas de doação, segundo as possibilidades e as condições de cada um.

Pe. António Vieira (1608-1697)

Faz hoje 400 anos.
Que pena não conhecermos mais este grande português. Talvez porque foi padre, a sociedade ignorou-o, não lhe deu o valor que ele merece. Na escola, passa ao lado... não se estuda, não faz parte do programa...
Alguns dizem:
"Destacou-se na defesa dos direitos humanos, no combate à escravatura e na defesa da dignidade humana (indios e escravos negros). E fez isto muitos séculos antes da sociedade reconhecer os Direitos Humanos" - Rui Marques
"É um estilista admirável da lingua portuguesa, um progressista antes do seu tempo e também um dos campeões da liberdade" - Baptista Bastos
"É um homem a quem não faltaram convicções e certezas, as quais expunha brilhantemente, convencendo e maravilhando que o escutava" - Eduardo Franco
"Um espírito para tudo apto,
de tudo apaixonado,
e em tudo raro" - Lúcio de Azevedo
É grande a vontade de conhecer este grande IMPERADOR da língua portuguesa...

terça-feira, fevereiro 05, 2008

O cinema e NEW AGE. Quais são as causas e riscos desta herança?

“O escritor Inglês. G.K. Chesterton, disse uma vez que a pessoa que deixa de crer em Deus, não é verdade que não creia em nada, mas simplesmente está pronta a crer em tudo".

Penso que é isto que está a acontecer em Hollywood.

As pessoas que trabalham em Hollywood parecem estar presas por todos os tipos de superstições, de vagas formas de espiritualidade, de curas, ou de terapias pscicológicas, todas muito banais, muitas delas superficiais no que se refere a religião e espiritualidade mas nenhuma dessas levam a uma fé religiosa genuína. É esta a característica da Nova Era”.

segunda-feira, fevereiro 04, 2008

Colocar no centro a Palavra Deus

A missão da vida consagrada é recordar que todos os cristãos são convocados pela Palavra a viver da Palavra e permanecer sobre os seus cuidados.
A Vida Consagrada está enraizada no Evangelho.

O sacerdócio é aventura interessante - Bento XVI

Ainda que possa parecer que a vida do sacerdote não atraia, na realidade trata-se da aventura mais interessante e mais necessária para o mundo, a aventura de mostrar e tornar presente a plenitude de vida à qual todos aspiramos.


Ser padre é uma aventura muito exigente, porque o sacerdote é chamado a imitar Jesus.


Deus os chama a serem santos porque a santidade é o segredo do verdadeiro sucesso do seu ministério sacerdotal, seguindo o caminho indicado por Jesus e liberando-se do perigo de realizar um seu projeto pessoal.

Qual é a diferença entre as instituições católicas de ajuda e as demais associações de caráter filantrópico?

Para o Cardeal Paul Josef Cordes, os cristãos, dando de comer aos desalojados, curando os doentes e servindo os mais pobres entre os pobres... mostram o amor de Deus por cada homem e mulher. .
“Após esta Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI vemos, de um lado, a necessidade de nos comprometermos fortemente em fazer o bem a todos, para mostrar a bondade de Deus diante, sobretudo, da miséria e de ser sensíveis àquilo que as pessoas têm necessidade; e do outro, também a necessidade de ligar este compromisso com o Evangelho”.
“Existem muitas iniciativas de ajuda: temos a Cruz Vermelha, temos as diversas instituições das Nações Unidas. E tudo isso é muito bom. Mas se olhamos para o específico do cristão, isto quer dizer ir para além da miséria humana. Muitas vezes a ajuda material não é suficiente, se as pessoas se encontram em uma dificuldade tal que não se pode ajudar mais com o pão, ou com o teto, ou com os remédios para a saúde. Devemos então dar consolação falando de Deus, do bem que Deus nos preparou na vida eterna”.

sábado, fevereiro 02, 2008

É a Igreja que tem um problema com a democracia ou é a democracia que tem um problema com a Igreja?

A comissão permanente da Conferência Episcopal Espanhola (CEE) publicou uma nota sobre as próximas eleições de 9 de Março, deixando duras críticas ao governo de José Luis Rodríguez Zapatero por causa das medidas legislativas sobre a família e o matrimónio, bem como das negociações com a ETA.
O terrorismo, escrevem, “é uma prática intrinsecamente perversa, de todo incompatível com uma visão moral da vida justa e razoável”, condenando “a negociação política com organizações terroristas”.
O texto alerta para “o perigo de opções políticas e legislativas que contradizem valores fundamentais e princípios antropológicos e éticos enraizados na natureza do ser humano, em particular no que diz respeito à defesa da vida humana em todas as suas etapas, desde a concepção até à morte natural, e à promoção da família fundada no matrimónio”.

A Nota passa em revista vários dos temas que geraram polémica nestes últimos 4 anos de relação Igreja-Estado:
  • o combate às “referências religiosas” na sociedade;
  • a liberdade de ensino;
  • os nacionalismos;

Ninguém critica tanto (e de forma tão virulenta) um governo como a oposição, os sindicatos ou os jornalistas. O governo discorda, mas não contesta. A liberdade de opinião é sagrada. Mas se for a Igreja a emitir um parecer ou a fazer uma chamada de atenção, parece que tudo cai. Não se comenta sequer o conteúdo. Contesta-se, à cabeça, o próprio direito de intervir.

Discutamos todas as ideias.

Mas não tentemos calar ninguém.

A democracia não é para abafar.

É para permitir que todas as vozes se oiçam.

sexta-feira, fevereiro 01, 2008

"Regicidio" ainda significa o assassinato de um rei?

Dom Carlos I, nasceu em Lisboa, era filho do rei Luís I de Portugal e da princesa Maria Pia de Sabóia, tendo subido ao trono em 1889.
Foi cognominado O Diplomata (devido às múltiplas visitas que fez a Madrid, Paris e Londres, retribuídas com as visitas a Lisboa dos reis Afonso XIII de Espanha, Eduardo VII do Reino Unido, do Kaiser Guilherme II da Alemanha e do presidente da República Francesa Émile Loubet), O Martirizado e O Mártir (em virtude de ter morrido assassinado), ou O Oceanógrafo (pela sua paixão pela oceanografia, partilhada com o pai e com o príncipe do Mónaco).
Se regicidio significa assassinato. Não há como fugir ao tema... a República nasceu manhada de sangue. E isso devia-nos fazer reflectir. Como é que os autores de um crime podem ser proclamados "martires"?!!!
Apesar das criticas e das manipulações jornalisticas e politicas da época e de alguns historiadores, o Rei Dom Carlos desempenhou um papela activo na vida intelectual do país. O seu amor pela arte levou Rafael Bordalo Pinheiro a dizer: "num país onde o Rei desenha melhor do que os artistas deviam estes ocupar o trono". Deixou-nos 173 desenhos.
O seu talento- aliado à paixão pelo mar - permitiu transformar os seus diários de bordo em preciosos manuscritos de Oceonagrafia.
O rei tem alto apreço pelas actividades aoa ar livre. Gosta de caçar, de nadar, de remar e a sua gordura nunca o impediu de praticar desporto. A pior ironia é que o Rei era um airador exímio.
É pena que em Portugal, não se conheça mais e melhor a nossa história. Este acontecimento é propicio para conhecermos melhor o nosso passado. Quando recusamos o passado, não poderemos enfrentar dignamente o presente e o futuro.