quinta-feira, novembro 29, 2007

Porque não pode comungar este casal?

Bateram à porta. Perguntaram quando tinha um tempinho para os atender. Combinámos uma hora que agradou a todos.
Apareceram pontualmente. As palavras eram de inibição. A custo, ela foi falando. Disse que ambos haviam sido convidados para padrinhos de baptismo de uma sobrinha por parte dele. Gostariam muito, mas que tinham a certeza que não podiam, sabiam disso. Não estavam casados catolicamente, pois ambos eram divorciados. Fora a cunhada que insistira para eles virem ter comigo, dizendo-lhes que talvez, com um bocadinho de jeito, conseguissem. Mas eles sabiam que não era possível.
Procurei acolhê-los o melhor que pude, sentir a sua mágoa, colocar-me no seu lugar. Foram-se soltando e, pouco a pouco, foi rolando o filme das suas vidas. Impressionou-me. Não pressenti nunca um sentimento, uma atitude de revolta, de mal querer, de contestação.
Disseram que agora eram felizes. No seu lar, não havia lugar para a agressão, para o azedume, para o egoísmo emproado. Compreendiam-se muito bem, ajudavam-se imenso e cada um procurava fazer o que podia para que o outro fosse feliz. Os olhares mútuos que iam trocando deixavam entender que aquelas palavras escorriam mesmo do fundo de suas vidas.
Nenhum deles tinha filhos do anterior casamento e do actual havia um casalinho, encanto e enlevo de ambos. Procuravam educar os filhitos o melhor que podiam e sabiam, confessando, contudo, que gostariam de saber mais para poderem ser mais pais. Também testemunharam a sua preocupação pela educação cristã dos rebentos. ~
Rezavam com eles em casa, acompanhavam-nos à catequese, levavam-nos à Missa.
- Sabe, eu acho que não procedemos bem, já que nem eu nem ele vamos à Missa. Levamos os filhos, mas esperamos por eles cá fora – dizia ela compungidamente, acrescentando – como não podemos comungar, temos a impressão que estamos lá a mais. Que nos diz?
Disse-lhes que Deus os amava profundamente, os compreendia e estava presente nas suas vidas. Que procurassem descobrir e saborear essa presença de Deus no carinho, encantamento, e doação existentes no seu lar. Que esta era uma bela forma de comunhão, porque onde há caridade e amor, aí está Deus. Falei-lhes que era bom para toda a comunidade que levassem à Eucaristia esta experiência e testemunho de casal unido, altruísta, carinhoso. Assim tínhamos todos mais um belo motivo para louvar o Senhor e eles viram de lá ainda mais casal, pois é dando que se recebe. Celebrando o Amor entregue por nós, sentimo-nos mais fortes e inclinados para vivermos a entrega aos outros no amor.
Disse-lhes que podiam fazer parte do grupo de leitores, dar catequese, integrar comissões, irmandades, outros grupos… Poderiam prestar um serviço tão importante aos outros!...
Responderam que não sabiam, pensavam que tudo lhes estava vedado. Sentiam-se mais leves, mais sorridentes, mais confiantes.
- Então o senhor Padre acha que, embora não podendo receber o Corpo de Cristo, podemos comungar o Amor de Cristo e reparti-lo pelos irmãos?
Fantástico! Gente boa mesmo! Quão longe pode chegar um coração humilde e uma mente aberta!
- Pronto, agora percebemos. Só não podemos comungar e ser padrinhos. De resto, podemos participar em tudo – afirmou ele com um tom de voz convicto.
Procurei explicar-lhes as razões pelas quais a Igreja lhes diz que não podem comungar nem ser padrinhos. Penso que não conseguiram convencer-se a sério. Mas a palavra última da senhora foi maravilhosa:
- Se a Igreja diz que não podemos, não podemos. Queremos aceitar e caminhar em frente. Olhe que no dia em que nós compreendêssemos tudo, pareceríamos uns pavões… Até Deus correríamos do Céu.

Que noite! Quantas voltas dei na cama! Não me saía do coração aquele encantador encontro! Quem me dera aquela humildade, aquela disponibilidade, aquela serenidade, aquela vontade de acertar e caminhar.

Mas porquê, Senhor, porquê? Tenho tanta dificuldade em compreender por que motivo gente desta beleza interior não se pode abeirar da Sagrada Comunhão…
Confesso que não me cheira nada a Evangelho.
Fonte: Blog Asas da Montanha
Concordo plenamente contigo. Por isso quis divulgar o teu testemunho, as tuas inquietações que são também as minhas...

26 comentários:

  1. Não se comunga por merecimento, mas por necessidade extrema...Penso, como se pode negar algo que nos foi dado?Sobretudo, pq o próprio Cristo fez questão de nos deixar como ensinamento o partilhar.Talvez, não tenhamos aprendido esta lição!É, pena a igreja se esforçar tanto por difundir um cristão padrão...só esse ser livre de erros, creio eu, será bem aceito!
    Se o objetivo da igreja era acolher, já se pode assumir sem hipocrisia a presença de fatores excludentes.Também não compreendo...

    ResponderEliminar
  2. Judas, que traiu e entregou JC comungou com os restantes 11 à mesa com JC!

    ResponderEliminar
  3. Não há dúvida que o grande pecado da Igreja é achar-se no direito de não acolher aqueles que Cristo sempre acolheu e procurou e que Deus ama apaixonadamente.Que igreja é esta que faz acepção de pessoas?
    "Roma dixit, causa finita "e os párocos que conhecem as pessoas, são incapazes de agir segundo a sua consciência . Preferem aceitar ser escravos da lei...
    Quem os condenaria? Deus? a comunidade? o Vaticano?

    ResponderEliminar
  4. Confesso que passei pelo dilema e contestação do por que a igreja me proibia de receber a comunhão, maior simbolo do amor incondicional de Jesus.
    A comunhão para mim representa nosso compromisso de cristãos em manter viva a chama que Jesus nos deixou pelo Espírito Santo.
    Respeito a Lei da Igreja,comungo-me espiritualmente com todos meus irmãos cristãos e rezo para que tal Lei seja revista, pois penso que Jesus deve chorar toda vez que ve um filho seu não ser alimentado pelo pão da vida.
    Um Cristão proibido de comungar

    ResponderEliminar
  5. Em pleno século 21. Penso que a Igreja deveria rever quem pode ou não comungar. Por exemplo: Existe algum bergaminho escrito na época de Cristo do qual dizia que mulheres que usam pílulas para evitar gravides eram proibidas de comungar? Se Cristo estendeu a mão para tantas pessoas desviadas porque a Igreja de hoje não pode fazer o mesmo? Trazendo-as para a Santa Missa e permitindo-as a comungar?

    ResponderEliminar
  6. Fico estremamente triste e fustrada, da forma como nós catolicos somos tratados, pois n entendo porque a igreja nos condena só porque somos divorciados, n é demais julgar um crisão porque seu casamento n deu certo, é justo perante a comunidade ser tratado diferente só por isso, pois perante a sociedade sou católico ,apostolico e romana, mais n posso receber o pão da eucaristia acho muito cruel ser julgada dessa forma, pois sou boa mãe, boa filha, boa irmão, cumpro com todos meus deveres e obrigaçoes, mais por n ser mais casada sou discrimindada perante deus.tento comprender mais n consigo e toda vez que vou a igreja choro, por me sintir um peixe fora da água. Acho extremamente discriminatório isso tem que ser revisto, pois assim como eu muitos tem filho ai digo pra ele que sou uma pecadora , n mereco o pão , não acho que isso seja certo.

    ResponderEliminar
  7. Pois, eu também sou católica mas não sou casada pela igreja, apenas pelo civil. Uma biata disse-me que, por não ser casada pela igreja, nunca mais podia comungar. Eu pedi perdão a Deus e fartei-me de chorar. Quando vou à missa, toda a gente comunga e eu fico triste. Vejo casais que vivem juntos e não são casados e comungam.

    ResponderEliminar
  8. Na minha opinião, acho que essa atitude da igreja catolica, acaba afastando um cristão como eu, que desde o momento que me divorciei não into mais vontade como antes de ir a missa, pois as poucas vezes que fui tive a sensação que faltava alguma coisa a missa não se completava, e por essa razão prefiro orar, agradecer e pedir a Deus em casa mesmo pois sei que ele sempre me ouve e perdoa os meus pecados, meu lar é abençoado sou feliz e minha familia também e por essa azão sei que Deus não me abandocou e ainda sou filha dele. Realmente é uma grande decepção não poder ir a missa e receber o corpo de cristo, por uma lei que foi feita pelos homens.

    ResponderEliminar
  9. Não sou casada pela igreja catolica pois meu marido é evangelico, porém meus filhos puderam escolher a religião que quissessem, escolheram a católica, mas penso que a mãe é o modelo e se a mãe não pode comungar, isso os desnima muito,a mais nova não consegue compreender como é possivel ela fazer a primeira comunhão e a mãe não poder comungar se foi ela a ensinar-lhe muitas coisas sobre Jesus. Fico muito triste e não compreendo mas não desisto de meu Deus por causa das lei da igreja que penso que não sejam todas ditadas por Deus .

    ResponderEliminar
  10. Sou divorciada a mais de 26 anos e estou com meu segundo marido a 25 anos, meu primeiro casamento não durou 1 ano. Tenho dois filhos,e também estou proibida de comungar, mas no meu caso se eu fosse atrás conseguiria a nulidade, o que ocorre que é muito complicado, caro, e seria muito doloroso mexer em algo que já está esquecido.
    Neste ponto acho que a igreja deveria rever isso e fazer com que estas pessoas que estão no segundo casamento estável pudessem comungar.
    O aborto é um pecado mortal e tem absolvição, não entendo porque um divorciado não pode ser absolvido.
    Jesus é meu tudo e é com Ele que tenho que conversar. O que importa é minha consciência e tenho a certeza que Ele já me perdoou a muito tempo.

    ResponderEliminar
  11. Pois é,
    também sou casado só no civil e quando soube desta proibição parei de comungar. Também senti um vazio como se a santa missa não se completasse para mim. Aos poucos fui diminuindo a frequência à missa. Mas não me revolto contra a igreja pois sei que só porque não entendo não significa que esteja errado. Espero superar isso e voltar a frequentar a missa com mais assiduidade, mesmo sem poder comungar.
    Que Deus seja conosco.

    ResponderEliminar
  12. Eu sou casado no civil há dez anos, problemas pessoais na época me fizeram cancelar o casamento no religioso,tenho duas filhas lindas que frequentam a catequese e até hoje comungava sem saber que era proibido. Sou catequista e preparo uma turma para receber a eucarístia, que eu não posso receber, sirvo no grupo de oração, falando deste cristo vivo, participo do ECC catequisando casais e incorajando-os a se engajarem na igreja, ou seja tenho uma vida dedicada a igreja. Ontem quando tomei consciência de que a igreja me proibe de receber o Cristo vivo na eucaristia, não consegui entender o motivo. Dedicar a minha vida DEUS e trabalhar na igreja eu posso, receber o Cristo vivo não. Sei que no meu caso a solução é fácil, basta ir ao padre e me casar, mas ainda assim não compreendo.

    ResponderEliminar
  13. as palavras que eu aprendi de Jesus nesses anos que caminho na presença dele me mostrou um Jesus que amou a "maria madalena",mateus ocobrador de impostos que juntou gentes de todos os tipos para serem seus discípulos e não os rejeitou deixar um cristão sem comungar aquele que pode dar avida e aleijar o homem na sua fé é dignidade pois o mesmo Jesus disse vá ffaça-se conforme a tua fé.

    ResponderEliminar
  14. Eu sou separada há 27 anos, e estou unida a um homem muito bom há 20 anos,agora mesmo estou chorando, pois lendo depoimentos aqui registrados, vejo que muita gente boa, Católica-Apostólica-Romana, está sendo privada da Eucaristia, que é a coisa mais importante da nossa Religião, e confirmação da nossa fé.
    Pelo amor de Deus, alguém com poderes faça alguma coisa, para que possamos voltar a sermos felizes.
    E eu só serei feliz de fato, quando me for autorizado a comungar, pois Ele é o meu maior Amor.
    Deus forte, Deus santo, Deus Imortal, tende piedade de nós.

    ResponderEliminar
  15. Eu vivi duarante 6 anos com um homem que era divórciado, e eu comungava normalmente. Mas sem saber q podia. Eu achava q me confessando poderia voltar a comungar. Mas agora lendo todos esses depoimentos estou vendo q não posso. Fico muito trsite, pois tmb tento viver o amor de Deus e passa-lo a diante. Fiquem na paz.

    ResponderEliminar
  16. A igreja não discrimina ninguém, mas sim segue o que Cristo mandou. Quando celebramos o sacramento do matrimônio fazemos sem que ninguém nos obrigue. Quando nos separamos, se não voltamos a conviver maritalmente com ninguém podemos comungar, mas se nos unimos a outra pessoa passamos a pecar contra o 6º mandamento da Lei de Deus, veja da Lei de Deus não da igreja. Leiam por favor o que Diz o próprio Jesus no Capitlo Mateus 19,1-9. Estou solidário pelo sofrimento de cada um que hoje não pode mais comungar, mas não coloquemos que a igreja nos discrimina.

    ResponderEliminar
  17. Cada caso é um caso, e pelo o que entendo da Bíblia e das pregações de Jesus Cristo, ninguém é proibido de receber o corpo de Jesus conforme a sua situação conjugal. Existem casais que apesar de não serem casados na Igreja católica, por algum motivo, vivem o amor mais profundamente e seriamente do que muitos que se dizem casados na igreja e cometem diversos erros. Acredito que a consciência de cada um é quem manda e inclusive um Padre já me convenceu disso. Talvez eles não podem falar publicamente, pois são proibidos pelos seus superiores, mas aconselho a cada um de vocês procurarem um Padre e expor a situação. Eu comungo, apesar de estar vivendo uma união estável, e cada vez que recebo Jesus Cristo no sacramento da comunhão, me sinto mais fortalecida para viver e enfrentar os meus problemas. Na verdade eu acredito que nenhum de nós somos dígnos de recebermos a eucaristia, pois todos somos pecadores, mas Deus é maior que tudo isso e com certeza não irá negar, se buscamos a Ele, Ele sempre vai estar do nosso lado. Comugamos porque precisamos d´Ele e não porque merecemos.

    ResponderEliminar
  18. na palavra de Deus nos fala,quem julga será julgado,e que se pedirmos perdão a Deus dos nossos pecados Deus perdoa e jamais voltará a nos acusar novamente desse pecado pois o lançou no mar no esquecimento,pergunto quem aqui na terra tem o poder de julgar um casal de não poder comungar,ninguem aqui na terra é DEUS e nem santo,ele mesmo fala que não façamos imagem de coisa alguma nem do que a na terra e nem no ceu LEIAN SALMO 115,pois O unico mediador entre Deus e os homens é JESUS CRISTO FILHO DE DEUS E JESUS jamais descriminou alguem !!!tb diz na palavra que todos são convidados a comungar . , agora o diabo sim quer que vc não tenha comunhão com Deus não comungando ele adora te acusar em cada missa que vc é pecador e não pode comungar mesmo que Deus nos perdoa se pedirmos perdão a ele,vejam o diabo usando pessoas pra nos acusar ,julgar,humilhar,tenho certeza que isso não vem de DEUS...

    ResponderEliminar
  19. Se a Igreja é a depositária dos ensinamentos de Jesus, porque é tão contrária aos Seus ensinamentos? Na última ceia, Jesus disse: «Tomai todos e comei». Todos. Não aludiu a excepções. Disse que o homem não deve separar o que Deus uniu. Mas também disse para não julgarmos ningué. E jamais afirmou que um divorciado não pudesse comungar. É muito triste o que se passa na Igreja.

    ResponderEliminar
  20. eu tambem acho um absurdo isso,que lei é esta?

    ResponderEliminar
  21. sou divorciada,meu ex marido nao compriu c dever dele de companheiro,fiquei casada 15 anos,tivemos dois filhos d me separei dele,hoje vivo c outra pessoa mas fico aborrecida de nao poder tomar comunhao,nao entendo eessa lei.

    ResponderEliminar
  22. Amados, pretendia fazer uma reflexão teológica sobre as possibilidades da comunhão para os não casados e recados a luz da doutrina da misericódia, e vejam o que encontrei:

    "No discurso do Papa João Paulo II no encerramento do Sínodo celebrado em Roma em outubro de 1980, disse que a Igreja deveria manter a posição de não admitir à comunhão eucarística ao divorciados que voltaram a casar. A não ser quando não possam se separar, prometam viver em total continência, sempre que não seja motivo de escândalo. Em todo caso, acrescenta o Papa, devem perseverar na oração para conseguir a graça da conversão e da salvação. Entretanto isto não acarreta que não possam batizar a seus filhos. Deve-se estudar cada caso e ver que possibilidades oferecem de educar na fé católica a seus filhos.

    Por outro lado as pessoas casadas só no civil e divorciadas podem comungar. O divórcio civil não é um obstáculo para receber a comunhão. Por ser um ato civil, tudo o que faz, é conseguir um acordo sobre o resultados civis e legais do matrimônio (distribuição das propriedades, custódia dos filhos, etc)". ( discurso de João Paulo II- sínodo de roma 1980)
    Vejam que como ampliou-se as possibilidades de comunhão ( e incluiu-se a dos pais não casados ou recasados batizarem seus filhos e, por em decorrência, serem padrinhos).
    Moral do Debate: a mais possibilidades entre a os caridade e os cânos, do que julga conhecer a nossa vã doutrina. josenilsonsilva@uol.com.br

    ResponderEliminar
  23. Sou casada a 11 anos com meu esposo e temos um filho lindo de 10 anos e vamos a missa todos domingos nós 3 e meu filho vai fazer a primeira comunhão agora em Maio mais meu esposo é divórciado e somos casados só no civíl por isso não podemos comungar e como será quando meu filho fazer a primeira comunhão ele já falou se eu e o pai não podemos comungar ele também não vai comungar fica uma situação difícil li o capitulo da bliblia Mateus capítulo 19,versiculo 1 até o 9 diz do versiculo 7 ao 9 Disseram-lhes eles por que mandou Moisés da-lhe carta de divórcio e repudiá-la? (sua mulher)disse-lhes ele (que é Jesus):Moisés,por causa da dureza do vosso coração,vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio,não foi assim.Eu vos digo(Jesus),não sendo por causa de prostituição,e casar com outra, comete adultério;e o que casar com a repudiada (que é a ex-mulher prostituta )também comete adultério esse é o caso do meu marido meu marido se separou por causa da prostituição da ex- mulher ele estava certo porque então não podemos comungar?Acho muito injusto mais é a lei da igreja então comungamos só espiritualmente q Deus nós abençõe e abençõe todos vocês que passam por isso também.

    ResponderEliminar
  24. Sou solteira e estou prestes a me casar com um rapaz divorciado, lendo os comentários acabo concordando com a maioria, e tb me revolta o valor para declarar nulidade, ou seja, "pagando 5/11 salarios minimos tudo bem" como se tudo se resolvesse e fosse absolvido pelo dinheiro.
    Agora estou angustiada, pq n poderei comungar, não por ser divorciada, mas pq não posso casar na Igreja... =(

    ResponderEliminar
  25. somos um casal de primeira uniao e coordenamos o retiro bom pastor para casais em segunda uniao em bauru - sp os mesmos tem uma dedicaçao a igreja muito mais que varios casais de primeira uniao e me mostrem na biblia onde um homem pode proibir o outro de receber a eucaristia e a igreja e formada por homens.

    ResponderEliminar
  26. Participei de um encontro cristão -EC de pessoas solteiras, acima de 35 anos, divorciadas e viúvas. Fiquei perplexa com os próprios membros da organização. É pura hipocrisia! A dinâmica do encontro é cansativa e sem maiores reflexões. O primeiro dia é uma verdadeira maratona. O segundo dia é recheado de condicionamento à emoções! Cristo nos ensinou a humildade, solidariedade e compaixão. A nossa "categoria" aos olhos da igreja católica, são recebidos pela metade. Fiquei muito triste! Esperava algo mais humano e sem preconceitos. No entanto, Deus nunca me abandonou: Apesar da decepção, estou mais fortalecida na minha fé! Os Homens jamais conseguirão estabelecer regras para que eu possa demonstrar o meu amor à Deus!E não será a recusa de um padre em me dar a consagração do Corpo de Cristo que me deterá a ir a missa ou participar dos seus rituais!Vou lutar pela igualdade!

    ResponderEliminar