terça-feira, novembro 20, 2007

Será que há essa vontade?

"Mudar de estilo e de mentalidades não é o mesmo que mudar a cor das vestes litúrgicas ou afinar os cânticos das missas - é mudar tudo."

"Os cristãos portugueses estão mal preparados, vivem agarrados a uma religiosidade popular mal fundamentada e isso faz com que entre o fim da infância e o início da idade adulta boa parte das ovelhas se pisgue do redil".

"Em Portugal baptiza-se quase tudo à nascença, aos sete anos faz-se a primeira comunhão e aos 15 despacha-se o crisma - como se fosse possível aos sete alguém compreender a profundidade da eucaristia e aos 15 estar em condições de afirmar a maturidade da sua fé. Esta juvenília religiosa é boa para se chegar aos noventa e tal por cento de católicos em Portugal, mas leva a que aos 15 esteja feita a licenciatura cristã e que aos 18 já só haja jovens no coro."

Isto sim vale a pena debater e falar muito a sério. Vamos continuar a falar em paninhos de rendas, latim e incensos ou vamos tentar ser sérios e mudar onde as coisas precisam realmente mudar?

Será que há essa vontade?

4 comentários:

  1. Fantástico!
    Há muito tempo que me inquieto por esses caminhos. Tanta vez tenho levantado essas interrogações "en su sitio"!
    Não aprendemos com a História e, à boa maneira de Constantinopla, constinuamos a discutir a cor dos olhos de Nossa Senhora, a mosca e a água benta, o sexo dos anjos...
    Baptizar em criança hoje? Para quê? Para termos os livros de baptismos cheios, alimentarmos "feiras de vaidades sociais" de pais e padrinhos, continuarmos a alimentar a neblina do medo de Deus (se morre não vai para o Céu...)e a sombra dos preconceitos ... Colocar o pároco a gerir situações complicadas em que implicam a realidade social hodierna e as leis e leizinhas da Igreja...
    Crismar aos 14-16 anos parece-me ser um disparate pegado. Então é na adolescência, quando a pessoa está mais fechada sobre si mesma, que queremos que ela assume um compromisso com a Igreja??? Como é possível?
    "É PRECISO MUDAR", disse Bento XVI.
    Quero acreditar que a Igreja mude mesmo e não se vá ficando por bizantinices...

    ResponderEliminar
  2. Mas este debate continua a ser dentro, enclausurado pela redoma clerical. Quem tem conhecimento das conclusões de Bento XVI?
    também não vamos dizer que está tudo errado. Falta uma iniciação cristã ds adulto? que fazemos da iniciação cristã das crianças? damos rabecadas aos pais nas reuniões de baptismo, de catequese?... que fazemos nas reuniões com os mordomos das festas? damos rabecadas e criamos dificuldades falando apenas de dinheiro?
    que fazemos nas reuniões dos conselhos ecnómicos? que fazemos nos conselhos pastorais? (os padres até nem os querem com medo)!
    muitas missas mas poucas celebrações... muitos baptismos mas poucos comprmissos! muita catequese mas pouca iniciação dos catequistas! muita paróquia mas pouca comunidade! muitos padres mas poucos pastores. muita acção mas pouco amor.

    ResponderEliminar
  3. É só para dizer que actualmente a Igreja tem o Caminho Neocatecumenal... que é precisamente um itenerário de formação cristã para adultos...é pena é ser tão perseguido!

    Haja realmente uma mudança de mentalidade! É necessário, mas só no que realmente importa.

    Paz convosco.

    ResponderEliminar
  4. Reconhecer falhos já é um início de um caminho, mas a máquina eclesial tem uma inércia miuto grande...

    ResponderEliminar