quarta-feira, maio 13, 2009

Padre apaixonado tem apoio da comunidade católica de Miami

A grande maioria dos católicos de Miami apoia o padre Alberto Cutié, que se apaixonou por uma mulher e declarou-se contra a proibição do casamento e das relações sexuais imposta aos sacerdotes pela Igreja, de acordo com uma pesquisa publicada nesta segunda-feira.
  • 74% dos entrevistados são a favor do fim da proibição do matrimonio para os sacerdotes católicos,
  • 81% afirmara que a imposição do celibato para o clero "é antiquado e inviável".

O padre Alberto, cubano-americano de 40 anos considerado um dos sacerdotes hispanicos mais populares dos Estados Unidos, admitiu estar "apaixonado" por uma mulher, depois de na semana passada, uma revista das celebridades publicar fotos de ambos a beijar-se.

"Estou apaixonado por ela e ela por mim (...) só lamento ter ferido os sentimentos de meus paroquianos", esclarecendo que só pede "perdão" aos que se sentiram ofendidos pelas suas acções. Acrescenta: "Não me arrependo de amar uma mulher". "Um sacerdote pode amar a Deus e amar uma mulher e ter família. Qual é o problema? Na Igreja deveríamos ser mais abertos".

O arcebispo de Miami, John Favalora, declarou que "o padre Cutié fez uma promessa de celibato e todos os sacerdotes devem cumprir esta promessa com a ajuda de Deus. As acções não devem ser aprovadas, apesar de seu bom trabalho como sacerdote".

Segundo o resultado da pesquisa, a ampla maioria dos católicos de Miami "considera que o celibato já não faz sentido no século XXI". A pesquisa indica ainda que a revelação da vida dupla do sacerdote não afectou sua popularidade. "O escândalo não teve um impacto sério na sua popularidade":
  • 78% dos participantes afirmaram ter uma impressão "favorável" do padre Alberto,
  • Apenas 10% declararam ter uma visão "desfavorável" dele.

Em entrevista a um canal da rede CBS nesta segunda-feira, o padre Alberto confirmou que mantém uma relação romântica com a mulher há dois anos, e que neste momento está a pensar quais os próximos passos a dar: acabar com o relacionamento ou avançar para o casamento.
Desde a publicação das fotos, o sacerdote foi "suspenso" temporariamente da paróquia que coordenava em Miami Beach.

Fonte: AFP

32 comentários:

  1. Pecado??? amar não é pecado é um sentimento...

    ResponderEliminar
  2. Amar não é pecado. Mas violar o voto de celibato, é. É como aquele que depois de fazer o voto de matrimónio cai no pecado do adultério. Amar não é pecado, mas romper o voto de matrimónio é. Não confundas isso.

    ResponderEliminar
  3. Então todos somos pecadores independentemente de sermos sacerdotes ou não.... Porque neste século quem cumpre os mandamentos?...
    Quantos sacerdotes prometeram viver a virtude da pobreza e são gananciosos; quantos prometeram obedecer aos seus superiores e mantem-se numa paróquia ou num cargo contra a vontade destes; quantos sacerdotes prometeram ser humildes e são presunçosos, egoistas, carreiristas; quantos chegam a altos cargos renunciando à sua consciência e atropelando os colegas...
    Que lhes acontece quando rompem estes votos? Quando não cumprem os outros mandamentos?
    A Igreja não continua demasiado fixada no 6º e no 9º mandamento?

    ResponderEliminar
  4. A mim parece-me que este padre é extremamente honesto e por isso digno de todo o respeito e confiança. Como paroquiana, nunca o rejeitaria! Não esqueçamos que o celibato dos sacerdotes foi imposto como regra disciplinar em 1123, devido a excessos que se iam verificando numa época em que a constituição da hierarquia da Igreja tinha mais a ver com o poder das classes dominantes do que com o perfil dos seua representantes. Anteriormente, os clérigos casavam e não foi por isso que a Igreja se extinguiu.
    Se considerarmos que ao entusiasmo dos 20 e poucos anos a solidão de uma vida futura pode parecer coisa leve, teremos de admitir que mais tarde a realidade pode revelar-se muito diferente para alguns. Daí, eventualmente, desvios vários de que temos vindo a ter notícias, pelos quais o próprio Papa se sentiu na obrigação moral de pedir publicamente desculpas.
    "Não é bom que o Homem esteja só"...
    E não vejo em que é que o casamento pode ser prejudicial ao exercício do sacerdócio. Como exemplares pais de família (que deveriam ser), talvez até a sua autoridade, baseada na experiência da vivência autêntica do matrimónio cristão, fosse bem mais bem aceite pelos casais que têm dificuldade em o viver, do que assim...Pelo menos sabiam do que falavam...
    LMA

    ResponderEliminar
  5. Também foi a maioria que condenou Nosso Senhor à morte. Por aqui se vê o peso da questão estatística neste tipo de situações...

    ResponderEliminar
  6. por acaso haverá ainda alguém que acredite que os padres são na sua maioria celibatários?

    deixemo-nos de hipocresias!

    se a maioria assumisse os seus relacionamentos queria ver como é que a Igreja iruia resolver o problema!!!

    tá bem tá! a Igreja sabe que a maioria dos "seus homens" tenta ser discreta e assim os séculos vão passando.

    ResponderEliminar
  7. Mas a preocupação deste blog são só e apenas os problemas internos da Ihreja? Celibato, tomadas de posição sobre a nomeação de bipos e declarações mais polémicas deste ou daquele?
    Não existem mais inquietações nos Padres Inquietos?
    - Dois milhões de pobres em Portugal
    - Um interior abandonado, sem voz
    - A Corrupção de políticos e altos administradores
    - O silêncio da Igreja... uma Igreja sem profecia...
    - Um laicado adormecido e menorizado
    - A crise e as crises...

    Água em tanque fechado sobre si mesmo, apodrece; mas se se abre à irrigação dos campos, mantém a vitalidade e é fonte de vida e de esperança...

    Só abrindo-nos, crescemos! Enquanto estagnarmos dobrados sobre os nossos internos problemas, minguamos.

    ResponderEliminar
  8. É uma história linda a desse padre: amar... kem nunca amou? Sempre me fez confusão a vida de um Padre: os casais apoiam-se um no outro, e o Padre em quem se apoia? Em Deus? Pode ser, mas Deus manifesta o seu amor através de outras pessoas. Esse Padre é feliz porque se sente amado e ama. O Celibato seria mais valorizado se fosse uma opção livre. Parabéns a todos os Padres que amam uma mulher e que neste mundo sofrem por serem sementes de mudança

    ResponderEliminar
  9. Porquê tanta agressividade, anónimo de 15/05?
    Porquê julgar? O autor do blogue tem o direito de escrever e os leitores de seleccionar o que querem ler... Já pensou, porventura, se este nosso irmão não está em crise vocacional? Passa por muitos independentemente da missão que desempenham. E é bom que alguém os escute sem críticas nem recriminações e que por eles reze.
    Caro amigo, as temáticas a que a que se refere são, de facto, actuais e pertinentes mas já estamos suficientemente alertados para elas. Queiramos nós agir...

    ResponderEliminar
  10. Agressividade??? Onde está a agressividade?
    Discordar é ser agressivo? Questionar é ser agressivo?
    "...estamos suficientemente alertados para elas..."
    Será? Se é não parece.
    E sobre o celibato? Acho que já enjoa...Mais do mesmo, sempre mais do mesmo...
    Só numa Igreja paradinha, sem horizontes nem dinâmica, é que o celibato merece tanta atenção...

    ResponderEliminar
  11. João XXIII confidenciou ao filósofo francês Etienne Gilson: "parece-me que escuto um choro, como vozes que pedem à Igreja que os libere do pesado fardo." E admitia: "não é dogma, a Escritura não impõe o celibato e, inclusive, é fácil de fazer: pego numa pena, assino um papel e amanhã todos os sacerdotes que assim o desejarem poderão casar-se. Mas não podemos fazer isso. Não podemos consentir nisso."

    ResponderEliminar
  12. "...não podemos fazer isso. Não podemos consentir nisso", não parece o corolário lógico do raciocínio do Bom Papa João, na sua confidência a E.Gilson.
    Hummmm..."não podemos..." e porquê? Alguém me explica?

    ResponderEliminar
  13. OLÁ! ACHEI ESTE BLOG PELO GOOGLE. QUERIA SABER O QUE MUITOS PENSAM SOBRE O ASSUNTO. TB SOU UM PADRE APAIXONADO. ATÉ O MOMENTO SÓ CONHECIA O AMOR DO MANDAMENTO, MAS AGORA SINTO COMO SENTIMENTO MESMO. JÁ SEI QUE O QUE SINTO PELA MINHA AMADA É RECÍPROCO. NÃO NAMORAMOS, MAS NÃO SEI ATÉ QUANDO PODEREI AGUENTAR DEIXAR CORRESPONDER A ALGO QUE É DIVINO: AMAR. TENHO CERTEZA QUE PODERÍAMOS CONSTRUIR UMA FAMÍLIA FELIZ. MAS O SACERDÓCIO QUE BUSQUEI E RECEBI ME IMPÕE REGRAS. EU SABIA DISSO, MAS NÃO ERA UMA PESSOA APAIXONADA. EU DESCOBRI O AMOR. MAS PENSO MESMO EM TER DE DEIXAR O SACERDÓCIO COM TODAS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS. SERÁ OUTRO FARDO NA MINHA VIDA, MAS SERIA FELIZ EM PODER CORRESPONDER AO AMOR QUE SENTEM POR MIM. AMO MINHA IGREJA, DEUS ME AMA, MAS AGORA TB QUERO AMAR.

    ResponderEliminar
  14. Os dez mandamentos que Deus nos deixou se resumem em dois:Amar a Deus sobre todas as coisas e amar as pessoas como a nós mesmo,se um padre se apaixonar e tive algum relacionamento, ele não estará interferindo nos mandamentos de Deus,com o passar dos anos houveram modificações,os tempos são outros e Deus quer ver todos os seus filhos felizes, amar não é errado!

    ResponderEliminar
  15. É a coisa tá ficando cada dia mais complicada, a poucos meses conheci um diácono,ele é de uma congregação religiosa e veio para minha cidade e começamos a nos falar mais e mais e descobrimos estar apaixonados, duas semanas antes dele ser ordenados nós saimos e nos declaramos um para o outro somos apaixonados , temos 27 anos, e mesmo assim não deixei ele desistir da ordenação hoje vivemos assim se falando as escondidas e um dia disse pra ele que Deus é Deus e tudo resolve e que daria geito pra ficarmos juntos, espero confiante mesmo que Deus possa tocar no coração do Papa para que assine um documento liberando os padres do celibato com certeza a igreja vai ganhar muito com isso, e todos os padres poderam ser tambem esposos e pai de familia, enfim amo e sou amada por um padre.

    ResponderEliminar
  16. Eu sei que no coração e nos sentimentos, não se manda. É bonito amar e ser amados. Nem todos os padres suportam o celibato sem mácula, afinal são humanos. Mas porque não assumir isso e pedir dispensa, sem escandalo, afinal não se poder ter tudo. Quem sabe se não será um bem concretizarem o vosso amor. A inquietude não é boa conselheira.Se ele era diácono porque leram ávante a ordenação?
    Não estou a julgar-vos longe de mim tal coisa.Quem sou eu para o fazer? Católica,sim mas pecadora também. Que o senhor vos abençõe, os seus desígnios são insondáveis. Ainda são muito jovens, muita água vai correr debaixo das pontes
    Muita paz, muita luz, muita, fé e confiança em Deus.

    ResponderEliminar
  17. Se o celibato fosse, como muitos pregam, algo solidificado e imutável na Igreja, não continuaria dando tanto pano para manga. Por que será que na Igreja a palavra "mudanças" tem uma conotação de pecado?

    ResponderEliminar
  18. Que pena que eu não vou viver pra ver.
    Acho que não vai demorar muito para os padres obterem a autorização para casarem.
    Não aceito o celibato nem os votos de castidade que os padres fazem, acho que seriam muito mais felizes e fevorosos se pudessem constituir família e viverem uma vida em comunhão com Deus.
    Deus vai ouvir minhas preces................Eu confio naquele que me fortalece....Fiquem com Deus.

    ResponderEliminar
  19. Tambem sou contra esse lado do catolicismo,porque um padre nao pode ter uma mulher e filhos?antes de tudo é um ser humano,um homem,penso que si a igreja catolica aprovasse um pouco mais de liberdade,seria bem mais facil,afinal de contas,amor e sentimento é normal entre duas pessoas que compartilham,si fosse um crime?porque nos nao somos condenados e sim um padre?.

    ResponderEliminar
  20. Concerteza amar não é pecado...no coração a gente não manda a vida é assim;;; Se os padres se apaixonam quer dizer que realmente tem sentimentos. E me digam como um padre pode falar de familia se ele não tem familia para saber como é?..
    mas espero que isso logo mude!

    ResponderEliminar
  21. Estou perdida! O que leva um padre a querer manter um relacionanmento amoroso com alguém, continuando a ser padre? E os sentimentos da outra pessoa onde ficam? Eu amo um padre. Tenho uma relação com ele há cerca de 5 meses, mas vou acabar. Amo-o muito, mas não aguento mais, ser um outro lado da vida dele. Eu quero ser toda a vida dele.

    ResponderEliminar
  22. É tão chato esta situação...os sentimentos falam mais alto que a razão.Tudo aconteceu derepente num momento de carência nossa ,durou alguns anos ... quando acabou achei que fosse enlouquecer,ainda hoje sinto que o desejo, que o amo...procuro me manter afastada,nem sempre consigo,tentar que a razão fale mais alto que a emoção tem sido bem difícl para mim,pois sou correspondida por ele.Se ele não quer ,por que busca?

    ResponderEliminar
  23. Sou padre há 4 anos, sou fiel aos meus votos, mas estou sofrendo muito.
    Estou pedindo um conselho pra vocês porque eu não tenho ninguém com quem eu possa falar, e preciso desabafar...
    resido em uma pequena comunidade dos padres da minha Congregação, eu não poderia imaginar o que aconteceria.
    No início desse ano, veio me procurar para participar dos movimentos da Igreja um jovem; lembro da primeira vez que conversamos, uma pessoa tão doce, tão meiga, que me encantou, era uma pessoa de Deus...
    O meu pensamento não saiu dele, do seu sorriso, eu não sabia o que estava acontecendo... Marquei com ele para voltar em uma semana, e essa semana foi o suficiente para que eu me apaixonasse.
    Isso não poderia estar acontecendo, eu nunca namorei, nunca sequer beijei, como isso estaria acontecendo agora? Por quê? Era um sentimento homossexual, o meu preconceito não me deixou ver o quanto o que eu sentia era verdadeiro.
    A solução que veio em minha mente então foi afastar essa pessoa, então eu não o aceitei para os movimentos... Sei que magoei esse jovem, me magoei, mas era o melhor que eu poderia fazer, tentar esquecer e continuar a minha vida.

    Enquanto eu me sacrificava, um dos meus colegas foi pego em situação de pecado, isso me revoltou, porque eu estava apaixonado, sofrendo por esse amor, e o outro em pecado. Ele foi transferido, mas as pessoas que investigaram continuam aqui, e eu as tenho que tratar bem, pois elas podem desconfiar do meu sentimento, mesmo que eu nunca tenha realizado, e me perseguirem.

    Esse jovem continuou a freqüentar a Igreja, pelo ímpeto do amor, eu me aproximei mais, mas eu não posso deixar transparecer o que sinto. Porque a família jamais aceitaria, e até porque eu acho que ele não me ama... Como dói, mas sei que ele se afastaria de mim se eu me declarasse.

    Eu fiz tudo errado tentando afastá-lo, porque eu não consigo mais. Não consigo viver sem vê-lo, eu penso nele todos os dias, do amanhecer ao anoitecer, ele não sai da minha cabeça. Já não consigo cumprir as minhas obrigações de sacerdote como antes... No dia dos namorados, eu estava celebrando a missa, vários casais de namorados abraçados, e eu olhando e pensando que nunca poderei ter a pessoa que eu mais amo nos meus braços, que eu nunca poderei dizer para ele o quanto o amo... No final da missa eu o vi na Igreja, eu não consegui disfarçar a dor, a emoção, meu sentimento, e chorei, chorei como tenho chorado todos os dias quando estou sozinho... Porque meu coração bate por essa pessoa, e o que mais me dói é pensar que talvez nunca tenha a coragem de dizer isso a ele.

    Um domingo desses, quando eu já não agüentava mais a solidão, a dor, a paixão me consumindo, eu telefonei, pensei em me declarar, em largar tudo, mas quando ele atendeu, eu não tive coragem... Ele está muito magoado por eu ter desprezá-lo na Igreja, eu cometi o maior erro da minha vida, e a mágoa retornou pra mim... Se ele soubesse o quanto eu o amo... É tão difícil quando chega o fim do dia, eu imagino o quanto ele deve estar se divertindo com os amigos, e eu aqui no meu quarto, chorando, amando calado, pensando em tudo o que sinto... Meu coração se despedaçando...

    Apesar do meu sofrimento, vou ter que amar calado, porque eu não tenho coragem para dizer que ele é tudo na minha vida...
    Me ajudem, eu preciso encontrar paz, não posso mais mentir pra mim mesmo, pra ele... Quando ele vem conversar comigo, eu me sento de frente pra ele, o escuto, aquela voz tão linda... Olho seus olhos, e tenho que me conter para não chorar, para não me declarar, se ele me percebesse, se ele notasse o que sinto por ele, se eu tivesse coragem o bastante pra dizer...

    ResponderEliminar
  24. OLA PESSOAL, LI OS DEPOIMENTOS PARA TER MAIOR CONHECIMENTO SOBRE A QUESTAO POIS A 1 MES ESTOU PASSANDO PELA MSM SITUACAO, MAS ACREDITO QUE NAO ESTOU SENDO CORRESPONDIDA, QUE POR SINAL É BOM. INDEPENDENTE SE E PECADO OU NAO, TODOS ESSES COMENTARIOS ME CONFORTARAM MUITO. QUE DEUS ABENCOE TODOS E SEJA FEITA A VONTADE DE DEUS.

    ResponderEliminar
  25. Eu amo em excesso um padre. Há vinte anos me apaixonei por ele, ficamos juntos algumas vezes, mas só como namorados inocentes, poi seu era muito nova, adolescente mesmo e tinha medo de me entregar completamente, tinha medo das consequencias. Mas antes eu tivesse enfrentado esse medo. Passaram-se alguns anos e ele foi tranferido para um outro estado. Depois disso, só o vi uma única vez, mas de longe, não conversei com ele pessoalmente...nunca mais. O problema é q até hoje, passados vinte anos, não consigo esquecê-lo de forma alguma. Sonho quase todas as noites com ele. Em alguns desses sonhos brigamos, noutros só nos falamos, mas na maioria das vezes estamos nos amando enloquecidamente. Depois q ele foi embora, tive outros namoricos, todos passageiros, me diverti bastente, fui à festas, aproveitei a vida mesmo, mas sempre com ele em minha cabeça. Quando achava que estava esquecendo, sonhava de novo. Hj em dia, nos falamos de vez em qdo, mas não q ele me procure, sempre eu q o procuro, escrevo e-mails ou ligo, mas muitas vezes sem sucesso algum. Nem sempre ele atende meus telefonemas ou responde meus e-mails. Sei q ele jamais desistirá do sacerdócio. Mas qdo me atende e me responde, é cheio e dengos comigo. Não sei se sente o mesmo por mim ou se é só um momento de carência. Mas eu só qria ficar com ele mais uma vez pq não aguento mais sonhar com ele e ao acordar ver q td foi de mentira. Gostaria de ter com ele alguns instantes reais para q eu pudesse acalmar meus pensamentos. Por favor comentem o meu caso e alguem me dê uma luz!!!

    ResponderEliminar
  26. vivo esta mesma situação que você anonima.eu e o padre nos apaixonamos.tive medo e ele tbém.achamos melhor cada um seguir o seu caminho e hoje com 43 anos de idade vivo só.a solidão esta coroendo a minha vida.a idade chegou e não tenho nem mesmo filhos.nós nos vemos muitissimo pouco.tem ano que nem nos vemos e quando nos encontramos ele me evita,me ignora.muitas vezes ele foi cogitado a ser paroco da igreja em minha cidade mas acaba sempre vindo outro.eu o conheci ,tinha apenas 19 anos.encontrei outros que se apaixonaram por min mas eu sempre fui fuel a este sentimento.
    meu conselho pra você é.se for possível ter uma conversa franca com ele,faça isso.chega de vegetar.e ore comigo para DEUS ROGANDO pelo celibato opcional.
    beijos

    ResponderEliminar
  27. o problema na Igreja não é o celibato...porque no geral o celibato não existe...o problema é que a Igreja e os padres que se ordenam ultimamente são homosexuais e encontram uma forma de poderem viver a sua homosexualidade dentro da igreja...porque se um padre é visto com uma mulher algumas vezes, anda com ela se um padre é visto com outro homem são só amigos e se for visto com outro padre são colegas...este sistema defende a homosexualidade...e depois se alguém tiver a paciencia de investigar bem coloca-se uma pergunta: " se há indicios de homosexualidade entre padres , porque razão há bispos que defendem...também gostam? há por aí muitos que andam com os braços no ar...

    ResponderEliminar
  28. A cada dia que passa eu acabo me odiando mais e mais, pq não consigo tirar esse homem da minha cabeça. Ele é padre, tivemos alguns encontros, mas nunca fizemos amor. Isso já faz mto tempo e já nem sei mais se o que sinto por ele é amor, paixão ou simplesmente um desejo reprimido.
    Eu gostaria muito de poder encontrá-lo mais uma vez e tirar uma prova disso tudo, ver o que realmente sinto. Queria que ele fosse pra mim apenas uma lembrança boa, mas sem sofrimentos como agora. Não sei se na época eu signifiquei alguma coisa pra ele. Acredito que depois de tanto tempo, mesmo que houvesse exisitido algum sentimento da parte dele, isso tb ja tenha passado. Queria ser forte o suficiente para esquecê-lo de uma vez por todas, mas o cheiro e o gosto do beijo dele ainda são muito presentes em minha memória. Sempre sonho com ele. Esses pensamentos não me deixam em paqz um só minuto. vivo buscando noticias dele, mas ele mora tão longe de mim. Se eu pudesse iria correndo até onde ele está, mas existe consequencias. Tenho medo de morrer sem vê-lo mais uma vez. Morro de medo de acordar e ter uma noticia ruim. Não sei o q eu faço. Por favor me ajudem. Devo insistir em descobrir que sentimento é esse q me atormenta ou devo continuar vivendo só da lembrança que tenho dele?

    ResponderEliminar
  29. Bem pessoal, estou vivendo exatamente a mesma coisa que todos. Estou me relacionando com um padre, já fizemos amor, queremos repetir, mas é o meu medo que empata. Sou muito católica e respeito muito as leis e doutrinas dessa santa igreja. Últimamente tenho feito penitências por arrependimento por amor a Cristo, mas ele (o padre) me disse que não fizemos nada de mal, que foi tudo por amor e desejo de ambos. Eu amei fazer amor com ele, mas penso muito em Cristo Jesus... Sei que o amor vem de Deus, mas um amor puro, honesto e verdadeiro. Tenho esperança que o nosso Papa um dia faça essa liberação oficial pq infelizmente a maioria dos Padres ñ mantém seus votos até pq ñ deixaram de ser homens por isso. Sei que sexo ñ é tudo, mas a família, o amor e a felicidade sim!!!

    ResponderEliminar
  30. A minha história vem desde que ele era seminarista e estudávamos juntos num colégio religioso. Na época, andávamos muito juntos e isso acabou fazendo rolar boatos de que estivéssemos namorando, o que nunca aconteceu. 15 anos se passaram, ele se ordenou há 10 e ficamos um tempo sem se ver. Um dia nos encontramos casualmente e trocamos email e desde aí nos falamos com frequência. O que ocorre é que o que nos parecia absurdo no passado, agora aconteceu: estamos apaixonados. Cada um hoje tem sua vida, e por sinal bem resolvidas, ele padre e eu casada com um filho. Mas amamos também a igreja e vamos nos preservar. Apesar do amor, nunca nos tocamos e assim vai ser mais fácil para cada um, mas uma coisa é certa, enquanto vida tiver irei amá-lo e mais ainda por juntos estarmos conseguindo respeitar o rumo que o destino deu à vida de cada um.

    ResponderEliminar
  31. Nossa! Eu não entendo. Como a Igreja usa máscaras, em muitas situações. Qual o maior pecado do padre? Não é ter relacionamentos sexuais, pois estes não o afastam do sacerdócio. Mas o seu maior pecado é assumir um amor e casar. O casamento sim o afasta do sacerdócio. Nossa, quanta incoerência, quanta contradição... Quanto sofrimento, essa imposição do celibato está trazendo para vários corações... A Igreja separa a promessa do celibato da castidade. Para a maioria dos sacerdotes o celibato não significa ser casto. Talvez seja porque nem todos, que tem vocação para o sacerdócio, tem vacação para a castidade. Já passou da hora da Igreja encarar esse aspecto e mudar essa regra hipócrita

    ResponderEliminar
  32. Queridos amigas que estão vivendo essa situação de amar um padre...Eu tb estou vivendo isso...Só que com a graça de Deus estamos nos preparando para ficarmos juntos...acredito que existam dois grupos de mulheres o primeiro daquelas que possuem uma fantasia com a figura do padre e aquelas que realmente acabam se paixonando por um... pelo que li nos depoimentos a maioria são de pessoas que realmente descobriram o verdadeiro sentimento: o amor...a palavra amar é um verbo que como qualquer verbo precisa de ação...então para que um amor realmente aconteça ele precisa que exista um movimentos das partes envolvidas...sei que para um padre é um grande conflito ter que escolher entre um amor divino e um amor humano...por isso não critico os padres que por estarem passando por esse momento tenham que levar uma vida dupla...o padre que estou envolvida preciosu de um tempo para pode se decidir...e como decidir sem ter nenhum contato comigo...portanto, vivemos sim esse amor da forma mais concreta possivel..nos amamos no sentido leiteral da palavra...para que tanto ele quanto eu pudessemos ter a certeza desse sentimento...como decidir sobre algo que vc nunca vivenciou???? impossivel...eu tb entrei em crise me senti muito mal...mas hoje vejo que desrespeitamos somente uma regra da igreja e nao uma regra divina...demo-nos a oportunidade de nos conhecer...pois a partir do momento em que um homem começa a amar uma mulher ali esta brotando sua vocação tb para um familia... então nos permitimos e hoje temos a certeza do que queremos...e vamos sim construir uma família...pois cremos em um Deus que ama seus filhos e os querem felizes...não pessoas frustadas, infelizes que acabam doentes e sozinhas...pq vamos ser realistas...qual é o fim de um padre...na maioria das vezes sozinhos e doentes...pois quando somos privados de algo em nossas vidas isso será fator desencadeador de outras coisas, como doenças fisicas, emocionais, sem dizer a tristeza que se insta-la...o celibado deveria sim ser opcional...pois existem homem com a vocação para o sacerdocio...porem com muito amor para dar a uma esposa e filhos...portanto queridos enquanto a igreja privar seus padres do poder da escolha do celibato...teremos muitos padres frustados e que acabem comentendo tantos erros como pedofilia, homossexualismo, e uma vida dupla... Eu posso dizer que por um tempo eu e padre vivemos essa vida dupla para que pautado numa certeza conscinte pudessemos tomar a decisão correta...agora estamos felizes e construindo nossa vida...a quem critica fica uma dica: quando o amor acontece ele não escolhe pessoas e nem momentos...em nossa vida nada é estatico...podemos hoje escolher uma coisa e amanha isso pode não fazer mais sentido...vejo isso com o padre que amo...ele construiu sua vida para o sacerdocio...nunca havia amado alguem...depois de pouco tempo de ter se ordenado descobriu o amor e decidiu mudar o rumo da sua vida...será um homem feliz pois esta sendo o proprio construtor dela...sei a mulher que sou e o quanto o farei feliz... e que o amor sempre prevaleça!!!!!!

    ResponderEliminar