sexta-feira, junho 26, 2009

Um ex-padre pode ser santo?



Conheça
esta

8 comentários:

  1. Mª José Tavares27 junho, 2009

    Sinceramente, acho que não. Mo entanto, para se julgar melhor, seria necessário saber o motivo porque deixou de o ser.
    Santo, é um ser que que se esquece de si mesmo e apenas só tem desejos de praticar o bem e dar a conhecer ao mundo, o seu Deus. Ora se deixou ser padre, por sua espontanea vontade, parece-me que não está disposto a sacrifícios e sòmente pensa em si. Isto é ser Santo? Na minha optica, não o é. Mas quem sou eu para julgar? Deus é que fará o julgamento final.

    ResponderEliminar
  2. Sem dúvida! Toda criatura humana é chamada a ser santa! Fois por cada ser humano que Jesus morreu na Cruz!
    A condição para ser santo não é nunca ter errado, nunca ter pecado, mas a disposição de levantar a cada queda, se sinceramente se esforçar por não pecar.
    Jesus no caminho do calvário caiu três vezes, e após cada queda levantou. Levantou para nos mostrar que quem vence não é quem nunca cai, mas quem não fica caido, mas se levanta e continua a caminada até o fim.
    E tem mais, não nos santificamos pelos nossos merecimentos, mas pelos merecimentos de Jesus.
    E, ainda Jesus veio para os pecadores e não os "perfeitos". Foi Ele mesmo que disse.
    E foi ele que também disse: "Haverá mais alegria por um só pecador que se converta do que por noventa e nove que que se dizem "justos".
    O que é preciso para se tornar santo é ser consciente de sua condição de pecador e alimentar uma confiança inabalável no Amor misericordioso de Deus.

    ResponderEliminar
  3. Estou em quase tudo de acordo com Rogers. Só não entendo essa espécie de "equivalência" entre o deixar de ser sacerdote e o pecado. Não sei em que circunstâncias ou que razões o levaram a deixar de exercer o sacerdócio para se casar, mas se foi uma escolha feita em consciência e continuou, como lemos, a servir o Senhor nos irmãos mais pobres dando o máximo de si mesmo, até pode ter sido esse o caminho que o Senhor queria para ele. Que sabemos nós dos desígnios de Deus? Quem de entre os homens pode ajuizar estas escolhas de vida? "Não julgueis, para não serdes julgados" - só o Senhor conhece o íntimo dos seus a quem chama pelo seu nome... e eles respondem, porque conhecem a Sua voz.
    LMA

    ResponderEliminar
  4. A santidade é para todos. Agora temos que ter em conta se um ex-padre tem tudo para ser santo e como disse Maria José Tavares, temos que saber o porqué que esse Senhor deixou de ser Padre.

    ResponderEliminar
  5. Respondo ao LMA.
    Não há aquivalência entre deixar o sacerdocio e o pecado.
    O que eu quis dizer é que todos somos pecadores, isto é, vivemos sob a condição de pecador e o chamado a ser santo não é para os que se acham "perfeitos", mas justamente para os pecadores. Se alguém quer condenar porqque um não conseguiu encontrar a realização como padre; este estaria condenado? Não! O nosso Deus é o Deus infinitamente misericordioso.

    ResponderEliminar
  6. Vida notável a de Vicente. Perante a grandeza da sua obra, não me parece nada descabido que possa ser um santo. vejo-o como um apóstolo. De uma modernidade impressionante. Deus é uno.

    ResponderEliminar
  7. santo significa separado, e separado do mundo mundo esse que é os desejos da carne e tudo aquelo que contradiz com os madamentos do nosso Deus.
    Então qualquer um que aceitar Jesus como seu unico
    salvador obedecendo e praticano seus mandamento Deus o considera como santo. E não só aquele que é pregador. resumindo não entra um siquer no ceu que não seja santo.

    ResponderEliminar
  8. Como já destaquei em outros comentários, não se trata de um "ex-" padre. Vicente Ferrer foi padre até morrer. O fato de ele ter deixado a Companhia de Jesus apenas implicou na probição do efetivo exercício do ministério sacerdotal, mas padre continuou sendo sempre. O outro ponto capcioso do título do artigo é se ele teria deixado de ser santo, uma vez que não mais pode ser sacerdote, canonicamente falando. Isto é cruel e preconceituoso. A santidade -- que não devemos confundir com perfeição, algo que é atributo exclusivo e único do ser divino trinitário -- é para todos, como outros comentaristas aqui bem lembraram. Ademais, não há sequer dúvidas quanto à santidade do PADRE Vicente Ferrer, uma vez que, mesmo fora dos Jesuítas, continuou a dedicar-se, a exemplo de Jesus, aos mais pobres e carentes. Não duvidemos do valor humano de alguém que, por se sentir amargurado por tantas incoerências do clero (fato não abordado no artigo), entendeu por bem que melhor seria abandonar os jesuítas para continuar a exercer sua vocação e ser fiel aos seus princípios. Infelizmente, este PADRE, talvez nunca seja burocraticamente "canonizado" pela Cúria Romana, mas isto não importa: seu exemplo de santidade, ao contrário de outros de seus pares, fala por si e ecoará aos céus por toda a eternidade. Rogai por nós, São Vicente!

    ResponderEliminar