quinta-feira, novembro 08, 2007

A Bíblia contém profundezas abissais em que as mentes mais brilhantes não conseguem entender...

Hoje faço coro com Abraham Lincoln (1809-1865), um dos Presidentes dos Estados Unidos, “Eu sou homem de um só Livro – a Bíblia”, não porque não tenha lido e continue a ler muitos outros livros, mas porque à medida que os leio confirmo que a Bíblia é única e singular, que por muito que se leia nunca se saberá o que na verdade importa saber até que se dê atenção e guarida ao que ela diz.

O que é a Bíblia?
Podemos dizer que mais do que um Livro a Bíblia é uma biblioteca de 66 livros dividida em duas partes fundamentais, uma escrita antes do nascimento de Jesus Cristo e que foi o texto que Ele próprio usou e amplamente citou em relação a Si mesmo e à Sua missão, a que chamamos de Antigo Testamento com 47 livros; e o Novo Testamento que foi escrito depois com os restantes 27 livros.

· Escrita durante um período de mais de 1.500 anos;

· Escrita durante mais de 40 gerações;

· Escrita por mais de 40 escritores, envolvidos nas mais diferentes actividades, inclusive reis, camponeses, filósofos, pescadores, poetas, estadistas, estudiosos, etc.:
  • Moisés, um líder político, que estudou nas universidades do Egipto;
  • Pedro, um pescador;
  • Amós, um boiadoeiro;
  • Josué, um general;
  • Neemias, um copeiro;
  • Daniel, um primeiro-ministro;
  • Lucas, um médico;
  • o Salomão, um rei;
  • Mateus, um colector de impostos;
  • Paulo, um rabino.

· Escrita em diferentes lugares:

  • Moisés, no deserto;
  • Jeremias, numa masmorra;
  • Daniel, numa colina e num palácio;
  • Paulo, dentro de uma prisão;
  • Lucas, enquanto viajava;
  • João, na ilha de Patmos;
  • Outros, nos rigores de uma campanha militar.

· Escrita em diferentes condições:

  • David, em tempos de guerra;
  • Salomão, em tempos de paz.

· Escrita sob diferentes circunstâncias: Alguns escreveram enquanto experimentavam o auge da alegria, enquanto outros escreveram numa profunda tristeza e desespero.

· Escrita em três continentes: Ásia, África e Europa.

· Escrita em três idiomas:

  • Hebraico: a língua do Antigo Testamento;
  • Aramaico: a “língua franca” do Oriente Próximo até à época de Alexandre o Grande (séc. VI a.C. – séc. IV a.C.);
  • Grego: a língua do Novo Testamento – foi o idioma internacional à época de Cristo.

Apesar de toda esta diversidade a Bíblia apresenta uma unidade e coerência admiráveis o que, por si só, é já uma evidência da Sua origem sobrenatural. Tratando dos assuntos mais diversos e até díspares, encontramos uma cosmovisão harmoniosa com princípio, meio e fim, na qual a nossa existência faz sentido, na qual somos arrancados do desespero e do absurdo, do nada e do vazio. A Bíblia narra-nos a História na perspectiva divina em que são reunidos de uma forma magnífica:

  • o espiritual e o material;
  • o corpo, a alma e o espírito;
  • o pensamento e a emoção;
  • a razão e os afectos;
  • a cabeça e o coração;
  • o indivíduo e a humanidade no seu todo;
  • o Criador e a criatura;
  • o princípio e o fim;
  • a tragédia do pecado e a festa da redenção;
  • a tristeza e a alegria; a separação e a reconciliação;
  • o sofrimento e o prazer; a morte e a vida.
  • Através dela movemo-nos de eternidade a eternidade, do princípio à consumação de todas as coisas.

A Bíblia contém profundezas abissais em que as mentes mais brilhantes não conseguem divisar os limites e ao mesmo tempo é clara e simples até para uma criança chapinhar e captar as verdades essenciais. Nela os sábios reconhecem a sua ignorância e os ignorantes encontram a verdadeira sabedoria.

10 comentários:

  1. "...a Bíblia é uma biblioteca de 66 livros".

    Sempre me ensinaram que os livros da Bíblia são 73.
    Como é que ficamos?

    ResponderEliminar
  2. Eu voto nos 73! (46+27)

    Teodora

    ResponderEliminar
  3. Também foi isso que me chamou a atenção!
    A Bíblia contém 73 livros!

    ResponderEliminar
  4. Na verdade o cânone católico reconhece 46 livros no Antigo Testamento e não apenas os 39 do cânone hebraico. Pelo que o total é mesmo 73.

    Joaquim

    ResponderEliminar
  5. ateu (ex-cristao)09 novembro, 2007

    mas claro q ha profundezas abissais...
    pq só os tolos creem num livreco desses

    ResponderEliminar
  6. Em que crês amigo ateu? nos livros? ... não! Nos tolos? não! nos arrogantes? Espero que não!
    Quanto aos livros... espero que tenha sido erro de edição!...
    Já agora... até no comentário de um ateu eu creio, quando é verdadeiro!

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. A bíblia Hebraica tem 39 livros, se contados à maneira cristã, porque o arranjo e a ordem feito pelos Judeus é diferente.
    Além desses 39 livros, a tradução grega dos LXX continha mais 7 e alguns acrescentos em grego ao livro de Daniel e de Ester.
    O cânon Judaico não os incluiu nunca. A igreja cat. romana incluiu-os num segundo cânon. É por isso que são chamados DeuteroCanónicos. (Deutero significa 2º). Com Lutero, as igrejas que se separaram do domínio «papal», os chamados protestantes, não usaram estes 7 livros no seu culto, mas apenas os consultavam como que ocultamente. É por isso que lhe chamam Apócrifos, que quer dizer «ocultos».
    O termo pseudoepigrafos é usado para os outros livros da escritura que não fazem parte de nenhum cânone.
    Os 39 livros, escritos em hebraico, que constam tanto nas edições protestantes como nas católicas do chamado A.T. têm o nome ProtoCanónicos.
    Quanto ao cânone do chamado N.T. contem 27 livros, que constam nas edições da bíblia tanto católicas, como nas não católicas.

    ResponderEliminar
  8. bem, bem , bem
    estou a ver que na minha ausência vagueando por outros infernos muitos mafrricos e amigos do maligno aqui têm vindo vindo tentando desinquietar os srs padres. trabalhos inglórios mais difíceis que os de hércules pois a gente morta é tudo menos inquieta: é que estes srs padres ainda não saíram da fase mítica do cro-magnon pois ainda não perceberam que se tivessem nascido em tel-al barein diriam o mesmo do corão e do touchino do profeta. não compreendem que as religiões são apenas manifestações da cultura dos povos e imbuídos de um fanatismo que apontam aos outros (de outra forma não seriam fanáticos...ehehehe)vai de se meterem na vida dos outros que, coitadinhos, não crêem, que infelizes que eles são, vamos lá levar-lhe a salvação e outras baboseiras para embalar criancinhas depois do jantar.
    até há bem pouco tempo quem não fosse no latinório ou se calava ou ia para a fogueira. felizmente a europa conseguiu, no séc XX, dar-lhes um pontapé no traseiro e hoje ninguém liga ao que dizem.
    tratassem os senhores padres inquietos de dar testemunho da palavra daquele que dizem ser o seu modelo de acção e não estaria um impenitente como eu aqui a despejar todo o asco que me provocam estas hipocrisias milirtantes de há séculos que agora parecem estar a voltar. mas eles insistem e um um homem é um homem.

    vá....vejam lá se são capazes de passar isto a post para uma discussão séria sobre a religião católica portuguesa. querem ou não querem uma melhor religião? é que eu quero, pois no meu espírito de tolerência , não os quero queimados em fogueiras ou fuzilados à parede. vá...mostrem lá do que são capazes, mostrem lá os vossos argumentos

    ResponderEliminar
  9. Mais importante do que X ou Y nº de livros aqui reside a sabedoria de Deus e como aqui se diz "Nela os sábios reconhecem a sua ignorância e os ignorantes encontram a verdadeira sabedoria. "...

    ResponderEliminar
  10. um muçulmano não diria melhor do corão e um hindú outro tanto dos vedas ou dos upanhisades.

    é a cultura....meus irmãos

    ResponderEliminar