sábado, janeiro 29, 2011

Todos estamos divorciados

"Se o vínculo não existe, todos estamos divorciados".
Arcones
"O matrimónio é a principal causa de divórcio".
Groucho Marx
"Hoje, é mais fácil romper um matrimónio do que romper um contracto de telemóvel".
Juan Antonio Martínez Camino

Os dados são catastróficos: Espanha e Bélgica, são os paises da União Europeia com a mais elevada taxa de rupturas, nada menos do que 70%, 7 em cada 10 matrimónios que se celebram rompem-se, graças à lei do divórcio mais permissiva da Europa. Quanto Portugal, o número de divórcios tem duplicado nos últimos anos. Dos estudos efectuados recentemente, verifica-se que o número de divórcios ultrapassa inclusive o dos casamentos. Segundo o Instituto Nacional de Estatística, entre 2000 e 2007, registou-se um crescimento de 19.643 para 25.255 divórcios (mais 33%), enquanto que o número de casamentos decresceu cerca de 27%.

sexta-feira, janeiro 28, 2011

Papa pediu abolição do celibato em 1970

Joseph Ratzinger era professor de teologia na Alemanha quando defendeu a abolição do celibato. Um memorando assinado há mais de 40 anos por nove teólogos, incluindo Joseph Ratzinger, o actual Papa, pedia o fim do celibato.

A informação está a ser avançada pelo jornal alemão Süddeutsche Zeitung.

No artigo intitulado ‘As dúvidas do jovem Ratzinger', é revelado que Joseph Ratzinger, o actual Papa Bento XVI, assinou um documento datado de 9 de Fevereiro de 1970 em que era questionada a obrigação do celibato.

Além de Ratzinger, que na altura tinha 42 anos, outros oito teólogos rubricaram o referido documento. Entre eles estão pensadores conhecidos mundialmente como Karl Rahner, Otto Semmelroth, Karl Lehmann e Walter Kasper.

"As nossas considerações incluem a necessidade de uma revisão urgente e visão diferenciada da lei do celibato na Igreja alemã e na Igreja a nível mundial como um todo", pode ler-se no documento.

No mesmo memorando, os teólogos expressaram preocupação com a falta de candidatos a padres e a diminuição do talento daqueles que escolhem a vida sacerdotal, devido à imposição do celibato, sublinhando que a continência sexual num mundo cheio de estímulos eróticos era cada vez mais difícil.

Embora os autores do texto afirmem repetidamente que não pretendem influenciar nenhuma decisão, o facto de terem escrito o documento mostra claramente que duvidavam do sentido do celibato forçado, sublinha o artigo.

Leia aqui o artigo do Süddeutsche Zeitung (conteúdo em alemão)

quinta-feira, janeiro 27, 2011

Cinema espiritual: "Bakhita, uma mensagem de amor, misericórdia e bondade"

Uma mensagem de amor, misericórdia e bondade.

O ano é 1948 e Aurora Martin chega ao convento de Canossian aonde Bakhita acabou de morrer e acaba por recordar a incrível vida da mulher que cuidou dela quando ainda era menina.

Nascida numa vila no Sudão, sequestrada por traficantes e vendida a Frederico Martin, um mercador italiano. De volta à Itália, Bahkita torna-se a ama de Aurora, que perdeu a sua mãe no nascimento. Apesar da violenta oposição dos camponeses e moradores locais, Bakhita abraça a fé católica graças ao Padre António. Contrariado, Frederico Martin não aceita, pois considera-a sua propriedade, e agora vai caçá-la a fim de a trazer de volta.

Cinema espiritual: "A pequena alma"


sábado, janeiro 22, 2011

PERDIDOS NA CRISE RELIGIOSA

Vivemos em tempos de crise religiosa. Parece que a fé vai sendo sufocada na consciência de muitas pessoas, reprimida pela cultura moderna e pelo estilo de vida do homem de hoje. Mas, ao mesmo tempo, é fácil observar que desperta de novo, em alguns, a busca de sentido, a vontade duma vida diferente, a necessidade dum Deus Amigo.

É verdade que se estendeu entre nós um cepticismo generalizado face aos grandes projectos e às grandes palavras. Já não têm eco os discursos religiosos que oferecem a «salvação» ou «redenção». Diminuiu, até quase desaparecer, a própria esperança de que pode ouvir-se em alguma parte uma Boa Notícia para a humanidade. Ao mesmo tempo cresce a sensação de que perdemos o rumo certo. Algo se afunda diante dos nossos pés. Estamos a ficar sem metas, nem pontos de referência. Não estamos, mais do que nunca, necessitados de salvação?

Vivemos também tempos de «fragmentação». A vida autonomizou-se, cada um vive no seu compartimento. Hoje não se escuta quem sabe da vida, mas escuta-se o especialista que sabe muito duma parcela, mas tudo ignora sobre o sentido da existência. Por isso mesmo, não podemos ignorar: Donde vimos? Para onde vamos? Onde encontrar o sentido último da vida?

São também tempos de pragmatismo científico. O homem moderno decidiu (não se sabe bem porquê) que só existe o que se pode comprovar pela ciência. Não há mais. O que a ela escapa, simplesmente não existe. Naturalmente, neste posicionamento tão simples como pouco científico, Deus não tem cabimento, e a fé religiosa fica relegada para o passado...

Porém, a vida não é uma «grande engrenagem», nem o homem uma «peça» dum mundo que só a ciência pode desembrulhar. Surge, por isso, de novo, a suspeita:
  • não serão justamente as «questões» sobre as quais a ciência guarda silêncio as que constituem o sentido da vida?
  • Não será um grave erro esquecer a resposta ao mistério da existência?
  • Não é uma tragédia prescindir tão ingenuamente de Deus?
Entretanto, continuam aí as palavras de Jesus do próximo Domingo: «Convertei-vos porque está perto o reino de Deus».

sexta-feira, janeiro 21, 2011

Ser cristão é...

Ser cristão é ir descobrindo pouco a pouco o significado salvador que se encerra em Jesus, irmo-nos identificando com as atitudes fundamentais que deram sentido à sua existência, ir adquirindo o seu «estilo de vida».
Seguir Jesus é...
  • acreditar o que ele acreditou,
  • dar importância ao que ele deu,
  • interessarmo-nos por aquilo que ele se interessou,
  • defender a causa que ele defendeu,
  • olhar as pessoas como ele olhou amar as pessoas como ele amou,
  • confiar no Pai como ele confiou,
  • enfrentarmos a vida com a esperança com que ele a enfrentou.
Os primeiros crentes entenderam a vida cristã como uma aventura constante de renovação, um ir-se mudando em «homens novos».

quinta-feira, janeiro 20, 2011

Finalmente um boa proposta: redução do nº de freguesias em Lisboa!

PS e o PSD assinaram a proposta para reforma administrativa de Lisboa que implica uma redução do número de câmaras para cerca de metade.

Além desta redução, a proposta inclui um reforço de competências das juntas de freguesia em vários domínios como da manutenção do espaço público - lavagem de ruas, por exemplo -, na gestão de equipamentos, da intervenção comunitária e da política de habitação. No entanto, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, garantiu que este aumento nas transferências de competências não corresponde a um aumento das transferências financeiras do Estado para as juntas, sendo suportado pelo orçamento municipal.

A intenção de alterar a organização de Lisboa já tinha sido anunciada pelo Executivo camarário e resultou de um estudo elaborado pelo Instituto Superior de Economia e Gestão, que indicava algumas hipóteses para a reorganização de Lisboa, entre as quais a redução de 53 freguesias para 27, pelo que o acordo assinado hoje vai mais longe na redução do número de freguesias.

A ideia é que estas alterações estejam já operacionais nas próximas eleições autárquicas em Outubro de 2013. Mas antes disso, haverá ainda um longo processo legislativo: a proposta será analisada na próxima reunião de Câmara que decorre na próxima quarta-feira, tendo depois que ir à Assembleia Municipal e a discussão pública. A proposta volta depois à Câmara para incluir os acertos e alterações que decorrerem da discussão pública e vai de novo à Assembleia Municipal. Só depois deste processo, a proposta dará entrada na Assembleia da República e se for aprovada poderá então iniciar-se o processo de reorganização da capital.

E já agora, pensem nisto:
  • cá (país rico) existe um DEPUTADO para 43. 000 habitantes e na ALEMANHA (país pobre) há um deputado por 120.000 habitantes;
  • Reduzam drasticamente o número de freguesias:
  • - Barcelos tem 89 freguesias
    - Guimartães tem 68 freguesias
    - Braga tem 62 freguesias
    - Vila Verde tem 58 freguesias
    - Guarda tem 55 freguesias
    - Lisboa tem 53 freguesias
    - Arcos de Valdevez tem 51 freguesias
    - Ponte de Lima tem 51 freguesias
    - Chaves tem 50 freguesias
    Tantas para quê?
  • existem em Portugal mais de 300 concelhos, com cerca de 200 ainda eram muitos. Estão falidos? Fechem-nos...
  • Embora muitos carros sejam necessários (polícia, bombeiros, saúde) os 30 000 carros existintes formavam uma fila de FARO AO PORTO, para quê?

terça-feira, janeiro 18, 2011

O que acontecerá no Sudão?

Alguns temem uma catástrofe, outros aclamam a "nova onda da independência"
No domingo passado, o "grande dia" começou para o sul do Sudão, com a votação do referendo que poderia dar lugar à mais nova nação da África. A votação vai decidir o futuro da região, mais ou menos do tamanho da França e Alemanha juntas. Os cerca de quatro milhões de pessoas que registraram o seu voto foram convidados a decidir se queriam a independência do Sudão ou se preferiam permanecer unidos.

O referendo faz parte do Acordo de Paz Global assinado em 2005, entre o regime sudanês do presidente Omar al-Bashir e os rebeldes do People's Liberation Army Movement (SPLA/M). Para ser válido, o referendo deve atingir uma quota de 60% do total registrado. Embora a votação termine no sábado, o resultado final será anunciado um mês depois, em 6 de fevereiro (ou 14 do mesmo mês, se houver recurso).
Se os separatistas vencerem, a região se tornará o 54º estado na África em 9 de julho, exactamente seis anos após a entrada em vigor do acordo de paz que pôs fim a uma sangrenta guerra civil (com pelo menos 2 milhões de vítimas) entre os muçulmanos do norte e os animistas do sul, que eclodiu em 1959 e durou, depois de uma longa pausa entre os anos de 1972-1983, até 2005. Não se sabe ainda que nome terá o novo país, mas destacam-se entre as possibilidades: Novo Sudão, República do Nilo e inclusive Kush (ou Cuch, mencionado na Bíblia). Juba seria a capital.
Preparados?
Todos concordam em que o maior desafio começará após a provável independência. A questão é saber se "o sul do Sudão está realmente pronto para a independência". O site da BBC respondeu, em 4 de janeiro, em "Perguntas e Respostas": "Para ser brutalmente honesto, não". "Após décadas de guerra, no sul do Sudão falta tudo". "Depois que a euforia da independência passar, eles vão enfrentar a dura realidade dos milhares e milhares de sudaneses que voltarão para o sul e não terão nada", disse o bispo de El Obeid, Dom Macram Max Gassis, à Fides no sábado. "Não há escolas, hospitais, lares, nem sequer água potável", continuou o prelado, que teme a catástrofe humanitária que ocorreria se todos os do sul do Sudão, cerca de 4 milhões apenas na área de Cartum, decidirem voltar a esta região.

De acordo com o Sudan Household Health 2006, em algumas áreas da região, a mortalidade infantil durante o primeiro ano de vida ultrapassa os 110 óbitos por mil nascidos vivos. Para efeito de comparação, na Itália essa porcentagem foi de 3,4 óbitos (dados Istat) em 2006. Outro perigo que ameaça o futuro de Juba é o espectro de novos conflitos armados, especialmente em áreas que têm petróleo.

O petróleo é realmente a chave para entender o referendo. Graças aos investimentos da China (Pequim não só construiu estradas, assim como o Grande Gasoduto do Nilo, que começa no estado do sul Unity, em árabe chamado Al-Wada), o Sudão tornou-se o terceiro maior produtor de petróleo da África, depois de Nigéria e Angola. O problema em Cartum é muito simples: as maiores áreas produtoras de petróleo estão concentradas no sul e, no caso de independência, o norte perderia o controle dos poços e, portanto, o controle da produção. Mas o sul também tem o seu próprio problema com o petróleo; precisa da infraestrutura do norte e do oleoduto fabricado na China para ser capaz de exportar o ouro negro.

Confirmam esses temores as notícias que chegam da disputada região de Abyei, que fica entre o norte e o sul, uma região rica em petróleo e água. Como noticiado pela Reuters, pelo menos 36 pessoas morreram em confrontos entre nômadas árabes e fazendeiros, procurando pasto e água, coincidindo a violência com o referendo. Enquanto isso, outros ataques ocorreram no estado de Unity, na fronteira com estados como Kordofan Sul (que pertence ao norte) e com Bahr el-Ghazal Norte (Área Sul), segundo a Reuters.

Abyei é uma espécie de microcosmo de conflitos: uma mistura explosiva de tensões étnicas, fronteiras ambíguas, petróleo e rivalidades antigas. Dirigentes do Sudanese Dinka Ngok, grupo étnico do sul, têm acusado abertamente o regime de Cartum de fornecer armas e equipamento militar para o grupo Misseriya Arab, militantes na região de Abyei, um grupo que também goza de um status especial e que actualmente está dirigido por uma representação mista, entre oficiais do SPLA/M e do National Congress Party.

Muito vai depender do presidente Bashir, que garantiu respeitar o resultado do referendo, embora ele esteja convencido de que Juba "é incapaz de sustentar os seus cidadãos, ou formar um Estado ou governo" (Al Jazeehra, 8 de janeiro). Bashir tem sobre a cabeça um mandado de prisão emitido pelo International Criminal Court, por crimes contra a humanidade em Darfur. As suas promessas sobre os referendos não têm convencido os observadores, que temem o uso da velha tática de guerra "por vicários". Numa manchete publicada no sábado passado pelo New York Times, o presidente dos EUA, Barack Obama, advertiu que "sob nenhuma circunstância, nenhum dos lados deveria usar as forças "vicárias" em um esforço para ganhar vantagem, enquanto aguardamos o resultado final".

Uma coisa é certa: O referendo não agrada Cartum. Para o ex-presidente sudanês, Sadiq al-Mahdi, líder na década de 80 de um dos grupos mais brutais da guerra civil, o referendo abre uma caixa de Pandora, porque elimina os limites do período colonial. O New York Times sugeriu o mesmo. Além disso, especialistas internacionais, como Phil Clark, da School of Oriental and African Studies de Londres, temem o efeito dominó. "A África não precisa de um novo mapa", disse Clark, segundo o New York Times.
No entanto, para o Pe. Sean O'Leary, diretor do Denis Hurley Peace Institute, com sede em Pretória (África do Sul), o referendo sudanês é um novo começo para todo o continente. "Esta votação é importante, não só para o povo do sul do Sudão, mas também é um potencial ponto de partida para reescrever as diversas fronteiras artificiais criadas na África durante a Conferência de Berlim de 1884-85", disse à Fides na sexta-feira. "Vemos o início de uma nova onda de independência. Como na África do Sul, em 1994, testemunhamos o nascimento de uma nova nação".
Fonte: Zenit

Agenda Europa ignora festas cristãs: Natal, Páscoa, Quaresma

Gastaram cinco milhões de euros para fazer e distribuir esta agenda. Colorida e de aspecto simpático, já chegou a 3200 escolas secundárias, ONGs e instituições variadas, espalhadas por todo o espaço da UE, incluindo Portugal.

Folheamos a dita agenda e encontramos indicações consideradas úteis sobre sexo seguro, como deixar de fumar, ser tolerante e combater a xenofobia. Há sete anos que existe esta agenda, mas desta vez resolveram incluir referências às principais festas religiosas.
Assim, a “Agenda Europa” assinala as festas dos judeus, dos muçulmanos, dos hindus, fala do ano chinês… mas, sobre as festas do cristianismo nem uma só palavra. A maior religião da Europa não merece qualquer referência… por exemplo, abrimos a agenda no dia 25 de Dezembro e ficamos a saber que a primeira árvore de Natal surgiu na Estónia no século XV… e se formos ver o que diz a agenda no Domingo de Páscoa, encontramos umas breves linhas sobre a deusa Europa.
Choveram protestos da França, Polónia, Itália, Irlanda e Espanha. Durão Barroso mandou dizer que vai fazer três milhões e duzentas mil erratas para juntar às agendas já distribuídas.
É a Europa que temos!
Aura Miguel in RRonline 14-01-2011

sábado, janeiro 15, 2011

O vaticano criou um ordinariato pessoal para acolher padres casados da Igreja Anglicana

O Vaticano anunciou hoje a criação de um “Ordinariato Pessoal” nos territórios de Inglaterra e País de Gales, estrutura que visa acolher pastores e fiéis da Igreja Anglicana que desejem entrar em comunhão visível com a Igreja Católica.

A estrutura, desenvolvida pela Congregação para a Doutrina da Fé, foi criada “em conformidade com as disposições da Constituição Apostólica ‘Anglicanorum coetibus’, do Papa Bento XVI, de 4 de Novembro de 2009, e após cuidadosa consulta com a Conferência Episcopal de Inglaterra e País de Gales”, pode ler-se num comunicado oficial da Santa Sé.

O Vaticano adianta que o Ordinariato visa “por um lado, assegurar a salvaguarda das venerandas tradições litúrgicas, espirituais e pastorais anglicanas, no interior da Igreja Católica; por outro lado, integrar completamente estes novos grupos e os respectivos pastores na Igreja Católica”.

Em decreto oficial ficou ainda estabelecido que o novo organismo terá como primeiro responsável Keith Newton, antigo bispo anglicano, que chegou a ser auxiliar de George Carey, o actual arcebispo da Cantuária e primaz da Igreja Anglicana.

Fonte: Agência ecclesia

Os ortodoxos bulgaros pedem a unidade com os católicos

sexta-feira, janeiro 14, 2011

Cinema espiritual: Cartas para o Pe. Jacob


Novamente vem do frio, Finlandia neste caso, uma obra sugerente do cinema espiritual nas pegadas de Dreyer, Bergman o Tarkovski. Um filme essencial e intimo que trata do encontro salvador entre dois seres humanos para além do fracasso e onde a graça trabalha subtilmente tornando a aparente desgraça em oportunidade.

segunda-feira, janeiro 10, 2011

“Enriquecimento ilícito é pecado”

"A apropriação ilegal de bens é pecado, segundo os cânones da Igreja, e não pode, em meu entender, ser aceite como actividade lícita pelas leis civis"
D. Januário Torgal Ferreira

"O que não é lícito é injusto e, como tal, prejudica alguém" e acrescenta: "não pode deixar de reprovar-se que se enriqueça dessa maneira, lesando terceiros".
Pe. Manuel Morujão


"É uma questão lógica, porque o que é ilícito não pode ser legal".
Pe. Américo Aguiar

Dilma aproveitou-se da religião e agora..

Uma das primeiras decisões da recém-empossada presidente brasileira Dilma Rousseff foi mandar retirar do gabinete presidencial a Bíblia e o crucifixo que há décadas ocupavam lugar de destaque na sala onde trabalham os presidentes. Uma decisão estranha, para quem passou grande parte da campanha eleitoral a afirmar insistentemente a sua fé...

Assim que tomou conta do gabinete presidencial, Dilma mudou várias coisas. Além dos móveis, que considerou ultrapassados, mandou retirar todos os símbolos religiosos, numa decisão que chocou os seus apoiantes católicos.

Recorde-se que durante a primeira parte da campanha para as presidenciais de Outubro Dilma foi acusada de não ter religião e de defender o aborto. Depois de analistas terem dito que ela não foi eleita logo à primeira volta por esse motivo, Dilma passou a ir diariamente à missa, fez-se deixar fotografar ao lado de pastores e bispos e, naquela que foi considerada a cartada decisiva para atrair os milhões de eleitores mais religiosos, chegou mesmo a afirmar, durante uma visita ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, que o cancro que enfrentou há dois anos a aproximou de Deus.
Agora, pelos vistos, a religião deixou de lhe interessar.
Fonte: correio da manhã

domingo, janeiro 09, 2011

Dados escondidos: os infectados com o virus da SIDA aumentou entre os jovens

A taxa de infectados com o virus do HIV entre os 13 e os 20 anos de idade em Espanha passou do 1,8% em 2004 para os 9,7% em 2009, segundo os dados do Centro Sandoval de Madrid apresentados no último congresso de Gesida. No entanto, o Ministério de Saúde nega esta informação apesar de estarem confirmados pelas próprias estadísticas desta identidade.

A ameaça de que isto se converta numa epidemia entre a juventude espanhola, motivou o Centro Jurídico Tomás Moro (CJTM) a solicitar ao Ministério da Saúde que adoptasse “novas campanhas de luta contra o HIV juvenil, fomentando a abstinencia, e a fidelidade sexual, recusando aquelas campanhas que favorecem a precocidade e promiscuidade sexual, pois as referidas campanhas demonstraram ser contraproducentes” e o inicio de campanhas de conciencialização sobre “os riscos de uma iniciação precoce nas relações sexuais dos menores”.
Fonte: Religión en liberdad

quinta-feira, janeiro 06, 2011

Um milhão de pessoas... não é noticia?!!!!

No passado dia 3 de Janeiro de 2011, na Praça Colon, em Madrid, foi celebrada uma Missa, na qual participaram, segundo os meios de informação espanhóis, um milhão de pessoas. A iniciativa, que se repete pela quarta vez, teve como tema A família cristã, esperança para a Europa, e foi promovida pela Diocese de Madrid.

Repito: participaram um milhão de pessoas! (E isto, usando como fonte um jornal nada católico como o El País).

E, no entanto, nos meios de comunicação social cá do burgo, nem uma referência, nem uma palavra. Se fosse um concerto de música, ou um jogo de futebol (o último jogo entre Barcelona e Real Madrid teve apenas 90 mil espectadores ao vivo), teríamos tido direito a directos, várias reportagens ao longo de mais de um dia.

Fonte: JP

quarta-feira, janeiro 05, 2011

“A crise é só para alguns” - D. António Vitalino

“Fala-se de crise, que alguns já começaram a sentir na sua pele e a muitos outros irá bater à sua porta, mas os festejos de fim de ano, que aconteceram pelo mundo fora, deixaram a ideia do contrário”.

Muitos dos votos para 2011 centraram-se em desejos de “saúde, paz, felicidade, dinheiro”, enquanto que “muito poucos mencionavam valores culturais e ainda menos espirituais, deixando a impressão de que a felicidade e o bem-estar depende apenas do corpo, da matéria”.

“Deus, a vida eterna, a doação aos outros por amor, a amizade, a gratuidade, a oração” não fazem parte dos projectos de vida das pessoas, salientando que foi “o desrespeito pelos valores, pela moral nas relações económicas entre as pessoas, as culturas e os povos, que lançou o mundo na presente crise”.
Fonte: Agência Ecclesia

terça-feira, janeiro 04, 2011

As palavras de Bento XVI sobre o uso do preservativo em situações pontuais não devem ser vistas como uma “reviravolta revolucionária”, disse este Domingo o porta-voz do Vaticano.

O padre Federico Lombardi reagiu em comunicado a “interpretações dadas às palavras do Papa” a este respeito no livro-entrevista de Peter Seewald, “Luz do Mundo”, que vai ser apresentado à imprensa no dia 23 de Novembro.

Segundo o director da sala de imprensa da Santa Sé, “o Papa toma em consideração uma situação excepcional na qual o exercício da sexualidade representa um verdadeiro risco para a vida do outro”.

Num excerto da obra publicado antecipadamente pelo jornal do Vaticano, «L’Osservatore Romano», Bento XVI afirma que pode haver casos pontuais, “justificados”, em que admite o caso do preservativo.

Para o porta-voz do Vaticano, “o Papa não justifica moralmente o exercício desordenado da sexualidade, mas defende que o uso do preservativo para diminuir o perigo de contágio é «um primeiro acto de responsabilidade», «um primeiro passo na estrada para uma sexualidade mais humana», mais do que o não fazer uso do mesmo expondo o outro a um risco de vida”.

O padre Lombardi acrescenta que “numerosos teólogos e personalidades de renome sustentaram e sustentam posições análogas”.

“É verdade, contudo, que não as tínhamos ainda escutado com tanta clareza da boca do Papa, ainda que numa forma coloquial e não magisterial”, precisa, frisando que “Bento XVI dá assim, corajosamente, um importante contributo de clarificação e aprofundamento sobre uma questão longamente discutida”.

O director da sala de imprensa da Santa Sé fala num “contributo original” de Bento XVI que ajuda a refutar “uma via ilusória, como a «confiança no preservativo», rumo a um “exercício mais humano e responsável da sexualidade.

No final do capítulo 10 do livro, Bento XVI responde a duas perguntas sobre a luta contra a SIDA e o uso de preservativos, que retomam a discussão que se seguiu às suas palavras sobre o tema, no início da sua viagem a África, em 2009.

O Papa reafirma que “a Igreja, naturalmente, não considera os preservativos como a solução autêntica e moral” do problema da SIDA.

No seu comunicado, o padre Federico Lombardi precisa que Bento XVI “não muda ou reforma o ensinamento da Igreja, mas reafirma-o na perspectiva do valor e da dignidade da sexualidade humana como expressão de amor e responsabilidade”.

Sobre as declarações de 2009, a caminho dos Camarões, o director da sala de imprensa da Santa Sé sublinha que as mesmas não eram uma tomada de posição “sobre o problema dos preservativos em geral”, mas uma afirmação de que o problema da SIDA não se resolve “apenas com a distribuição” dos mesmos.

“O Papa observa que também no âmbito não eclesial se desenvolveu uma consciência análoga, como na chamada teoria Abc (Abstinence – Be Faithful – Condom), na qual os dois primeiros elementos (abstinência e fidelidade) são muito mais determinantes e fundamentais para a luta contra a Sida e o preservativo aparece em último lugar, como escapatória, quando faltam os outros dois”, acrescenta.

O livro “Luz do mundo. O Papa, a Igreja e os sinais dos tempos” resulta de uma conversa entre Bento XVI e Seewald - que já por duas vezes tinha entrevistado Joseph Ratzinger, ainda cardeal - na residência pontifícia de Castel Gandolfo, perto de Roma, entre os dias 26 e 31 de Julho.

Ao longo de 18 capítulos, o Papa aborda várias das questões mais inquietantes para a Igreja e a humanidade de hoje. A edição portuguesa deve estar disponível dentro de aproximadamente duas semanas.

A Lucerna, marca da Principia Editora vai estar no Vaticano na próxima Terça-feira para a apresentação mundial do livro e entregará ao Papa a edição em português.

O título deste livro foi escrito à mão pelo próprio Papa.

segunda-feira, janeiro 03, 2011

As + do cinema espiritual de 2010

1º INVICTUS


Nelson Mandela, retratado em ‘Invictus’, “apesar dos muitos anos que permaneceu firme na prisão e vemo-lo a conduzir o seu povo até à reconciliação”.

2ºDOS DEUSES E DOS HOMENS

Nos anos 90 oito frades católicos vivem num mosteiro no meio das montanhas na Argélia. A violência e o terror fudamentalista instalam-se progressivamente na região mas os frades decidem ficar, custe o custar...

3º La ULTIMA CIMA


A vida de um sacerdote. Um êxito em Espanha e na América do Sul

4º O CONCERTO




O protagonista de ‘O concerto’, Andrei Filipov, era o director da orquestra do Teatro Bolshoi de Moscovo que sofreu represálias da parte das autoridades políticas até ser convertido no encarregado de limpeza das instalações. Mesmo assim, continua a sonhar em encontrar a harmonia perfeita interpretando o concerto para violino e orquestra de Tchaikovski”.

5º THE SECRET OF KELLS

Um excelente filme. Nela combinam a beleza da imagens e a música con uma historia apaixonante. Cada palavra, cada cena tem um significado ímplicito. Ver este filme é como ter entre as mãos ess tesoro que é o livro de Kells.

6ºUM SONHO POSSÍVEL


Um jovem afro-americano apelidado de Big Mike “consegue superar a marginalização, convertendo-se num destacado jogador de futebol americano no filme 'Um sonho possível', vencedor de um Óscar. A ajuda de Leigh Anne, genial mãe coragem interpretada por Sandra Bullock, cujas convicções cristãs a levam a acolhê-lo na sua família, vai dar-lhe força para vencer as dificuldades, proporcionando-lhe uma experiência de sentir-se amado que o ajudará a renovar a confiança nas pessoas”.

7º CRONICAS DE NARNIA - A VIAGEM DOS PEREGRINOS DA ALVORADA

As histórias de fantasia ajudam-nos pelo menos a pensar sobre o que pode existir para além da nossa realidade cotidiana. Se não existissem sonhos o progesso não seria possivel... o mundo estagnaria. É evidente que existem outros mundos para além do nosso.

8º VIVIR PARA SIEMPRE



VEJA FILMES QUE VALEM A PENA...

Já agora em 2009, o cinema espiritual escolheu os seguintes:
1) Gran Torino (Clint Eastwood, 2008);
2) Amazing Grace (Michael Apted, 2006);


“William Willeforce era um deputado do parlamento britânico dos princípios do século XIX que lutou tenazmente a partir das suas convicções cristãs pela abolição da escravatura. Em ‘Amazing Grace’ veremos a sua luta e persistência para enfrentar todos os obstáculos”.

3) Katyn (Andrzej Wajda, 2007);
4) Quem quer ser bilionário (Danny Boyle, 2008);
5) O visitante (Thomas McCarthy, 2007);


“O pequeno Óscar é uma criança com leucemia, a quem uma voluntária convida, nos poucos dias que lhe restam, a escrever um conjunto de cartas de Deus. Baseada na obra “Oscar e La Dame Rose”, de Eric-Emmanuel Schmitt, o mesmo autor realiza um filme baseado nesse argumento.

6) A caixa de Pandora (Yesim Ustaoglu, 2008);
7) Despedidas (Yojiro Takita, 2008);
8) O estranho caso de Benjamin Button (David Fincher, 2008);
9) A elegância do ouriço (Mona Achache, 2009);
10) Frozen River (Courtney Hunt, 2008).