segunda-feira, fevereiro 20, 2006

Ser cristão hoje é ser rebelde!

Ser cristão hoje em dia é ser rebelde. É ousar ser diferente!
À nossa volta, no mundo anestesiado que nos rodeia, tudo parece puxar-nos para onde Deus nos quer tirar...
Nós cristãos, temos a obrigação de sermos despertadores com alarido!
Para ganhar forças, às vezes, temos que nos afastar do barulho e da confusão para escutar Deus no silêncio que nos sussurra.
Mas a nossa Missão é no mundo, então voltamos com mais força para levar a Verdade a quem não a conhece ou simplesmente a quem a esqueceu, aos que adormeceram anestesiados pelas coisas do mundo...
Senhor, ajuda-nos a ser Teus instrumentos no mundo!
Fonte: Pensar Cristo

sábado, fevereiro 18, 2006

INTERROGAÇÕES: Procriação Medicamente Assistida

  1. Concorda que a lei permita a criação de embriões humanos em número superior àquele que deva ser transferido para a mãe imediatamente e de uma só vez?
  2. Concorda que a lei permita a geração de um filho sem um pai e uma mãe biológicos unidos entre si por uma relação estável?
  3. Concorda que a lei admita o recurso à maternidade de substituição permitindo a gestação no útero de uma mulher de um filho que não é biologicamente seu?

LUGARES DE UM LUGAR

Lugar de Liberdade:
respira-se a calma e a beleza de uma vida sã;
fecha-se os olhos sem medo,
fica longe a agitação e confusões da vida cosmopolita.
....
Lugar do Eu:
Aprende-se a pensar, a ter opinião e posição;
Cria-se espaço de diálogo,
lançam-se desafios de crescimento interior.
....
Lugar de Serviço:
Trabalha-se para os outros e com os outros;
Cada um respeitando aquilo que é,
e vencendo preguiças.
....
Lugar de Descanso:
Mesmo dentro de toda a confusão que pode haver,
a mente descansa e finalmente
retoma-se ao sono pesado e profundo que há tempos se abandonara.
....
Lugar de Família:
Educar é uma tarefa complicada,
principalmente educar em liberdade, para o amor e para a vida.
Existe imensa ternura...
...
Lugar de Fé:
...todo ele inspira-nos a ser mais e melhor,
com testemunhos diários assistidos, não falados!
Todo ele ajuda a rezar!

sexta-feira, fevereiro 17, 2006

Segunda oportunidade!

  • A quem é curado de uma doença é dada uma segunda oportunidade... de ficar doente.
  • A quem escapa ileso de um coma alcoólico é dada uma segunda oportunidade... de se enfrascar até à morte.
  • A quem fica com uma pena suspensa é dada uma segunda oportunidade... de cometer outro crime e posteriormente cumprir as duas penas.
  • A quem ressuscita é dada uma segunda oportunidade... de morrer. Haja esperança!!

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Como analisa a questão do aborto?

Román Flecha: O aborto é um problema ético muito antigo. Um dos livros mais antigos que conhecemos sobre o aborto foi escrito no ano 135 por Sorano de Éfeso, na actual Turquia, e, já nessa altura, era uma grande preocupação. No império romano, na época pagã, foi preciso proibir o aborto em Roma, porque a população diminuía de forma muito rápida e era preciso introduzir mão-de-obra e imigrantes de África, tal como acontece hoje.
Na doutrina cristã, não só na católica, o aborto é considerado um mal moral, enquanto é a destruição de uma vida humana por parte de outros seres humanos e com frequência dos seus próprios progenitores. Dito isto sobre o mal moral do aborto, é preciso sermos muito prudentes, no momento de qualificar a responsabilidade moral da pessoa que aborta.
Com frequência, a mesma pessoa que aborta é vítima de um processo e é abandonada.João Paulo II disse, uma vez que, com frequência, a mulher é obrigada a pagar sozinha por algo de que não é a única responsável.

sexta-feira, fevereiro 10, 2006

Reprodução humana assistida, um risco ou um desafio?

As duas coisas. No mundo, tudo tem aspectos positivos e negativos.
Eu gosto de dizer que uma faca pode ser um instrumento bom para sobreviver, mas pode ser arma também para matar. A reprodução humana assistida pode ser uma ajuda para casais que de outra forma não poderiam ter filhos, mas pode ser também um grande perigo, na medida em que pode criar uma discriminação entre as pessoas, pode criar paternidade irresponsável, na medida em que um dador ou uma dadora de gâmetas, masculinos ou femininos, se desentende com os seus filhos, criados com os seus próprios gâmetas, e pode dar azo também à comercialização da pessoa humana, à experimentação indevida da pessoa, incluindo a produção industrial e à utilização de “produtos” humanos para fins comerciais.
A Espanha já tem uma lei sobre a reprodução humana assistida, Portugal está agora a debater este assunto. Que conselho gostaria de deixar aos políticos portugueses?
Que não copiem a lei espanhola. A lei espanhola 35/1988 é muito má e entre outras coisas introduz outro suposto do aborto e deixa a possibilidade de permitir inclusivamente a fecundação híbrida, entre gâmetas humanos e gâmetas de animais. É uma lei incrível.
Se tiverem que copiar, procurem copiar a lei italiana de 2004 que é muito mais respeitosa da vida humana e da dignidade do matrimónio e do casal. A lei italiana proíbe a reprodução humana assistida fora do âmbito do matrimónio e do casal.
A lei espanhola permite-a a qualquer pessoa, solteira ou casada ou viúva ou divorciada.
A lei espanhola manda a doação anónima de gâmetas.
A lei sueca proíbe a doação anónima de gâmetas.
A lei Suiça é muito mais respeitosa, não só proíbe a doação anónima mas exige ao doador que seja responsável do filho que se produz com os seus próprios gâmetas.
Se tiverem de fazer uma lei que procurem que seja respeitosa e busquem, no âmbito cultural europeu as que sejam mais respeitadoras da dignidade humana.
Ramon Flecha entrevista ao JORNAL "A GUARDA"

Bispos espanhóis contra nova regulamentação da procriação medicamente assistida
O comité executivo da CEE manifestou ontem a sua oposição ao projecto de regulamentação da procriação medicamente assistida no país, considerando que essa lei vai abrir as portas às “crianças clonadas”.
Numa nota oficial, a CEE pede aos deputados católicos que não apoiem “com o seu voto” esta reforma legislativa.
Os Bispos lembram que “a postura da Igreja em favor da ciência que sirva, realmente, para curar sem danificar nem destruir a vida de nenhum ser humano”. O seu documento enumera os aspectos mais problemáticos da lei, “que passará à história como uma das primeiras do mundo que dá autorização para clonar seres humanos”.
A CEE alerta, ainda, que a utilização de embriões como material de investigação abre as portas para “a comercialização, tráfico e uso industrial dos embriões humanos excedentários das técnicas de reprodução”.
São também reprovadas as práticas que visam a criação de “bebés medicamentos” e a fecundação de ovócitos animais com esperma humano, que será legalizada por esta lei.
Fonte: Ecclesia

quinta-feira, fevereiro 09, 2006

Como vê a utilização do preservativo, um mal menor ou uma necessidade?


José Román Flecha - catedrático de Teologia Moral, na Universidade Pontifícia de Salamanca - é sacerdote da diocese de Léon e catedrático de teologia Moral, na Universidade Pontifícia de Salamanca. A 2 e 3 de Fevereiro, esteve na Guarda onde orientou umas jornadas de estudo sobre bioética para os padres da diocese. Entre as suas obras merecem destaque “Buscadores de Dios”, “Teologia Moral Fundamental”, “La fuente de la vida. Manual de Bioética” e “La vida en Cristo. Fundamentos de moral cristiana”.
Depende das circunstâncias.
  • Não é o mesmo, o uso de um preservativo por um homem casado que vai a uma casa de alterne e trai a esposa e fica muito tranquilo, porque usou o preservativo. O pecado não está no uso do meio, mas no adultério.
  • Noutros casos, pretende-se utilizar o preservativo como um meio para facilitar uma sexualidade indiscriminada por parte dos jovens e isso aumentou a promiscuidade na sociedade, ao fazer perder o medo em relação às consequências. Neste caso é uma irresponsabilidade pessoal, social e política.
  • Outra situação, muito diferente é a necessidade de prevenir a transmissão de algumas doenças.

Os bispos norte americanos, numa carta que se intitula “os mil rostos da sida”, dizem que as autoridades políticas, numa sociedade multicultural e multirracial não podem impor uma visão cristã da sociabilidade, não se pode impor a ninguém que aceite uma visão cristã da sociabilidade, mas terão que evitar o contágio da doença, portanto, os políticos nesse caso terão a obrigação de favorecer o uso de meios profilácticos e preventivos.

Por isso, o juízo ético, nesta com em todas as questões não pode ser respondido com um sim ou um não.

Ramon Flecha entrevista ao JORNAL "A GUARDA"

Os sacerdotes mais jovens precisam de uma experiência sacerdotal fraterna / vida comunitária...

Na visita "ad limina" dos Bispos Franceses:
Os sacerdotes, sobretudo os mais jovens, sentem a necessidade de uma experiência sacerdotal fraterna, até mesmo de uma vida comunitária, para se manterem e atenuar as dificuldades que alguns podem sentir face à inevitável solidão ligada ao ministério; mesmo se, por vezes de modo paradoxal, vivem o seu ministério de maneira demasiado individual.
Animo-os a desenvolver o seu desejo de vida fraterna e de mútua colaboração, que não pode deixar de fortalecer a comunhão no seio do presbitério diocesano, em redor do Bispo.
Compete-vos, com os membros do vosso conselho episcopal, tomar em consideração este desejo, propondo aos sacerdotes inserções ministeriais nas quais eles possam, se for possível, estabelecer vínculos fortes com os colegas.
Convido-vos, também a vós, a estar sempre mais perto dos vossos sacerdotes, que são os vossos primeiros colaboradores. É, antes de mais, com eles que deveis desenvolver incessantemente uma relação pastoral e fraterna forte, assinalada por uma confiança recíproca e pela proximidade afectuosa. Seria bom que, com intervalos regulares, como já alguns fazem, pudésseis visitar os sacerdotes, verificando desta forma as suas condições de vida e de ministério, e manifestando a vossa atenção pela realidade quotidiana da sua existência.
De igual modo, animo os sacerdotes, de todas as gerações, a estarem sempre mais próximos uns dos outros, a desenvolver a sua fraternidade sacerdotal e as colaborações pastorais, sem receio das diferenças, nem das sensibilidades específicas, que podem ser benéficas para o dinamismo da Igreja local. Neste espírito, a participação numa associação sacerdotal constitui uma ajuda preciosa.
Quanto mais fortes forem os vínculos de comunhão e de unidade entre o Bispo e os seus sacerdotes, e entre os próprios sacerdotes, tanto maior será a coesão diocesana, e tanto mais forte será o sentido da missão comum e os jovens poderão sentir mais o desejo de fazer parte do presbitério.
A vida fraterna dos ministros da Igreja é sem dúvida alguma uma forma concreta de propor a fé e de chamar os fiéis a desenvolver relações renovadas, a viver antes de mais no amor que nos é dado pelo Senhor. Pois é desse modo, como diz o Apóstolo, que seremos reconhecidos como discípulos e que poderemos anunciar a Boa Nova do Evangelho.
Mais ainda, nesta semana de oração pela unidade dos cristãos, como deixar de nos sentirmos responsáveis pela unidade no seio do próprio presbitério, como exortava Santo Inácio de Antioquia: «O vosso presbitério, digno da sua reputação, digno de Deus, deve estar ligado ao Bispo como as cordas da cítara; desta forma, na sintonia dos vossos sentimentos e na harmonia da vossa caridade, cantareis Jesus Cristo [...]. Por conseguinte, é útil que estejais numa unidade perfeita, para serdes sempre partícipes de Deus» (Carta aos Efésios, IV, 1-2).

ONU reconhece trabalho da Igreja na prevenção e luta contra SIDA

Enquanto se apresentava em Roma a primeira encíclica de Bento XVI, «Deus é amor», representantes de organizações católicas de todo o mundo encontravam-se em Genebra para aplicar na prática a mensagem papal. Em concreto, os participantes estudaram os modos de aumentar os recursos e a cooperação na luta global contra o HIV.
A reunião dos dias 23 a 26 de janeiro passado, convocada por Cáritas Internacional, a confederação com sede no Vaticano das Cáritas católicas, produz-se no meio de um crescente interesse no sistema das Nações Unidas pela implicação da Igreja Católica nos cuidados às pessoas afetadas pelo vírus da sida. O organismo da ONU responsável pela luta contra a sida, ONUSIDA, estima que 25% das organizações humanitárias dedicadas aos portadores de vírus estão apoiadas por estruturas católicas, e muitas delas são projetos de Cáritas.
A reunião de quatro dias permitiu o encontro de representantes da hierarquia eclesial, a confederação de Caritas, organizações católicas e confessionais ecumênicas, assim como agências internacionais, incluindo ONUSIDA e a Organização Mundial da Saúde (OMS). Compartilharam experiências e estratégias sobre como promover a colaboração e examinar o que o sistema das Nações Unidas pode oferecer à Igreja em termos de instrução, capacitação e experiência.
Segundo Duncan MacLaren, secretário-geral de Cáritas, a conferência colheu intercâmbios frutíferos entre a ONU e a Igreja. Em concreto, disse, ajudou a superar estereótipos sobre a Igreja Católica com respeito à prevenção da sida.
Assim, aumentou a consciência do papel chave da Igreja em promover uma resposta misericordiosa, e centrada na educação, à pandemia.
«As respostas dos crentes à sida foram vistas na ONU como um elemento positivo para combater a discriminação e ajudar a pessoa a viver com o vírus para melhor enfrentá-lo», disse MacLaren. «Como disse uma pessoa que participou da reunião, a ONU agora se dá conta de que a Igreja Católica é o coração e o sistema nervoso de nossas comunidades», explica o representante.
Espera-se que, mediante uma melhor colaboração, as organizações católicas possam ter um maior acesso aos fundos administrados por doadores multilaterais, como o Fundo Global para a Luta contra a Aids, a Tuberculose e a Malária.
O padre Robert Vitillo, conselheiro de Cáritas para a sida, indicou que as organizações confessionais de crentes, apesar de sua importante implicação em proporcionar cuidados de saúde no mundo em desenvolvimento, recebem uma mínima fração destas ajudas, apenas 2% do Fundo Global.
Fonte: Zenit
NÃO HAVERÁ DEMASIADOS PRECONCEITOS CONTRA A IGREJA CATÓLICA NESTE ASSUNTO?

Champions Clerum - Selecção de padres no quarto lugar

A selecção de sacerdotes portugueses terminou a prova "Champions Clerum" de futsal no quarto posto. No torneio realizado em Zagreb, na Croácia, alinharam 12 equipas e a formação portuguesa falhou o acesso à final ao perder por 2-0 com a Polónia.
No encerramento voltou a perder, no jogo para a atribuição do terceiro lugar, por 1-0, frente à Bósnia-Herzegovina. Os padres da Croácia foram os vencedores, mas a revalidação do seu título deu-se apenas no desempate por grandes penalidades, diante dos polacos.
Fonte: O Jogo

Japão: 91 pessoas suicidaram-se com pactos na net em 2005

Os chamados «pactos de morte» pela Internet dispararam no Japão no ano passado, com 91 japoneses a pôr termo à vida em 34 suicídios colectivos, segundo informou hoje a polícia.
Estes trágicos números são o triplo das mortes registadas nas mesmas circunstâncias em 2003, altura em que o departamento de estatísticas da polícia começou a receber dados sobre os suicídios colectivos organizados através da Internet.
Dos 91 suicidas, 54 eram homens e 37 mulheres, e, por idades, o maior número, 38 pessoas, tinha, entre 20 e 29 anos, enquanto que 33 tinham entre 30 e 40 anos, nove rondavam os 40 anos e oito eram adolescentes; os três restantes tinham mais de 50 anos.
Só no primeiro trimestre do ano morreram 54 suicidas, segundo o relatório.
Fonte: Diario Digital

quarta-feira, fevereiro 08, 2006

Daniel Oliveira do BE, especialista nos vícios da Igreja Católica

Daniel Oliveira, o mesmo Daniel Oliveira do Bloco de Esquerda, especialista nos vícios da Igreja e na denúncia dos seus escandalosos abusos, apareceu ontem na SIC-Notícias como o grande defensor do direito à indignação por parte dos que se sentem justamente ofendidos nos preceitos da religião.
O direito à indignação explica tudo o que se passa no Islão:
  • multidões em fúria, exigindo vingança e queimando bandeiras dinamarquesas;
  • retaliações diplomáticas;
  • ameaças de bomba;
  • destruição de embaixadas;
  • sanções económicas.
Para Daniel Oliveira, são simples manifestações de quem se sente ultrajado nas suas mais profundas convicções.
  • Qual é o problema de se queimar, aqui e ali, uma bandeira, num legítimo acesso de indignação?
  • Os que se sentiram ofendidos com a caricatura do Papa com um preservativo no nariz, não fizeram também…um abaixo-assinado?
  • Se uns se entregam à violência de um abaixo-assinado por que não hão-de os outros queimar pacificamente umas bandeiras e destruir duas ou três embaixadas?
  • Pois é! Não perceber isto é não perceber o essencial de uma esquerda complexada que faz gala no ataque à Igreja para melhor poder… respeitar o Islão.

FONTE: http://o-espectro.blogspot.com/2006/02/tolerncias.html

Champions Clerum - Padres portugueses estão nas meias-finais

A selecção nacional de futsal para sacerdotes qualificou-se para as meias-finais da "Champions Clerum", na Croácia, ao somar três vitórias e um empate na ronda preliminar.
O conjunto português - que apenas sofreu um golo em quatro jogos disputados - ficou integrado no Grupo A, juntamente com as selecções da Croácia, Eslovénia, Áustria e Hungria, e terminou a primeira fase em igualdade pontual com a Croácia, com quem empatou a um golo, embora com pior "goal-average".
Portugal defronta, amanhã, a Polónia, vencedora do Grupo B, nas meias-finais da competição, enquanto a Croácia mede forças com a vizinha Bósnia-Herzegovina.
Fonte: O Jogo

segunda-feira, fevereiro 06, 2006

As caricaturas de Maomé “fez a sua primeira vítima”.

Bento XVI condenou hoje o assassinato do Pe. Andrea Santoro, missionário italiano na Turquia, deplorando “qualquer forma de violência”. O sacerdote, da diocese de Roma, foi ontem atingido a tiro dentro de uma igreja.Lamentando o “trágico falecimento” do Pe. Santoro, Bento XVI apresenta a sua solidariedade à diocese de Roma pela perda de um “tão estimado e zeloso sacerdote”, que apelida de “corajosa testemunha da caridade”.
O Papa deixa votos que “o sangue derramado se possa tornar semente de esperança para construir uma verdadeira fraternidade entre os povos”.
Num outro telegrama, enviado ao vigário apostólico de Anatólia, D. Luigi Padovese, Bento XVI manifesta a sua proximidade para com a comunidade cristã no local, prestando homenagem ao serviço do Pe. Santoro “em favor dos mais necessitados e dos marginalizados”.
A agência missionária Misna já apresentou o relato de uma voluntária italiana, Loredana Palmieri, que terá entrado na igreja ao mesmo tempo que o assassino. A testemunha refere que não terá sido um jovem a disparar, ao contrário do que se avançou.
“O Pe. Andrea estava diante de nós, a dois metros, de costas. O homem tirou a pistola para fora e gritou “Allah-o-Akbar" (Deus é grande), disparando por duas vezes antes de fugir”, recorda.
O Pe. Andrea Santoro, tinha 59 anos e era originário de Piverno, uma localidade próxima de Roma. A imprensa italiana dá ampla cobertura ao acontecimento, noticiando que a polémica das caricaturas de Maomé “fez a sua primeira vítima”.
FONTE: Ecclesia

domingo, fevereiro 05, 2006

Cartoons de Maomé revoltam muçulmanos

O presidente do Irão, Mahmud Ahmadinejad, que parece estar a retirar protagonismo ao líder da al-Qaeda, Osama bin Laden, na defesa dos pressupostos do islamismo radical, elevou, ontem, o tom das críticas à publicação das caricaturas de Maomé na imprensa europeia. Ordenou sanções económicas contra a Dinamarca - onde elas foram publicadas, pela primeira vez, no passado dia 30 de Setembro - e aos países que as publicarem.
"É preciso rever e anular os contratos económicos com os países que começaram este acto detestável e os que os seguiram", afirmou Ahmadinejad. Justificando a sua decisão com o "insulto de alguns media ocidentais contra o profeta", o que, em seu entender, "demonstra a raiva contra o Islão e os muçulmanos que incomodam os sionistas que governam estes países".
Ahmadinejad personalizou, dessa forma, o ambiente de contestação islâmica que ocorreu nos países muçulmanos, em protesto contra a publicação das caricaturas do profeta Maomé.
Bandeiras dinamarquesas, francesas e norueguesas foram queimadas em Nablus, na Cisjordânia e, em Gaza, o pregador da Grande Mesquita afirmou, perante milhares de fiéis "Não aceitamos desculpas. Deve cortar-se a cabeça daqueles que publicaram essas caricaturas".
Damasco radical contra cartoons de Maomé
Mas foi na capital da Síria, em Damasco, que as manifestações foram mais violentas. Manifestantes sírios incendiaram o edifício onde funcionam as embaixadas da Dinamarca, do Chile e da Suécia e apedrejaram a representação norueguesa. Começaram por destruir material informático e queimar as bandeiras daqueles países, substituindo-as por emblemas religiosos. O confronto provocou cinco feridos. A Polícia fez dezenas de detenções até conseguir afastar os manifestantes.
Após este incidente, os protestos continuaram junto à embaixada da Noruega, com os manifestantes a atirarem pedras contra o edifício e a obrigarem a Polícia a lançar granadas de gás lacrimogéneo para os dispersar. Na sequência dos incidentes, a Noruega e a Dinamarca aconselharam os seus cidadãos a deixarem imediatamente a Síria.
A Polícia síria diz que, desde anteontem, uma mensagem SMS circulava, em Damasco, a apelar às pessoas a participar no protesto contra a embaixada da Dinamarca, também como retaliação à informação de que, ontem, manifestantes dinamarqueses estariam dispostos a queimar exemplares do Corão em Copenhaga. Na Dinamarca ocorreram não uma mas duas manifestações; do seu confronto resultaram 150 detenções. A primeira foi convocada pela Frente Nacional Dinamarquesa, de extrema-direita, que justificou a acção como protesto "contra a indulgência da elite da Dinamarca face às recentes agressões do país e da bandeira pelos muçulmanos".
A outra manifestação foi convocada pela esquerda dinamarquesa. "Queremos dizer não às manifes-tações racistas e ignorantes da Frente Nacional contra os muçulmanos", disse Daneil Savi.
Aquela secretária regional da Juventude do Partido Socialista do Povo diz assim querer dar voz aos que discordam do aproveitamento político e racista da publicação das 12 caricaturas de Maomé - intituladas "Os Rostos de Maomé" - no jornal dinamarquês Jyllands-Poste. Uma delas, em que o profeta é representado com um turbante em forma de bomba, foi reproduzida no dia 10 por um jornal norueguês.
Ao contrário da imprensa europeia, que na grande maioria publicou as caricaturas da revolta - levando, até, o "El País" a ser retirado das bancas em Marrocos - a imprensa dos EUA evitou a reprodução falou da polémica, mas não publicou as caricaturas. O próprio ex-presidente Bil Clinton criticou, no início da semana, a sua publicação, dizendo que serve para estimular o ódio ao que é muçulmano. E o departamento de Estado dos EUA criticou severamente a sua publicação, comentando: "O incitamento ao ódio religioso e racial não é aceitável".
Fonte: JN
QUAL A TUA OPINIÃO?

sábado, fevereiro 04, 2006

Padres irão disputar campeonato de futebol na Europa

No próximo dia 6 de fevereiro começa em Zagreb, na Croácia, a segunda edição do campeonato europeu com equipas formadas apenas por sacerdotes. Na primeira edição da "Champions Clerum", que ocorreu na Áustria, no ano passado, participaram sete equipas e a selecção vitoriosa foi a da Croácia, anfitriã desta edição.
Esta é a segunda vez que se realiza este campeonato e Portugal é a primeira vez que participa.
“Uma grande vitória já passa pela participação” porque os padres futebolistas não vivem “o espírito guerreiro” do futebol. Treinados pelo Pe. David Gonçalves (da diocese de Leiria), os «tugas» padres têm como líder no campo o Pe. José Miguel (da diocese de Braga) que lidera também o jornal “Diário do Minho”.
No Dia 6 deste mês chegam ao local da competição e serão recebidos pelo Ministro do Desporto da Croácia e pelo Presidente da Câmara de Zagreb. Nesta cidade, a Igreja de Santo António será o «palco» de uma concelebração dos padres participantes no campeonato de Futsal.
A competição será nos dias 7 e 8 de Fevereiro.
O objectivo é vencer mas o árbitro também tem no bolso cartões (amarelo e vermelho) se alguém passar o limite da disciplina ou falta de respeito com os árbitros ou colegas da equipa adversária”. E acrescenta: “Vamos evitar ao máximo que suceda isso” mas “não estamos livres porque no meio da entrega alguns colegas podem envolver-se”.
Nos treinos e nos jogos particulares não têm por hábito utilizar “ofensas verbais” – reconhece o Pe. Emanuel. Aliás, no último treino o Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. Jorge Ortiga, visitou-nos deu-nos um incentivo à participação e desejou-nos boa sorte”. A maioria dos convocados são das dioceses do Norte, com excepção de Leiria-Fátima. “Os outros, da zona Sul, não participam talvez por falta de conhecimento” mas “esperamos que entrem também colegas do Sul”. Se a vitória sorrir a Portugal “não pensamos tornar-nos vedetas do futebol”.
O futebol é apenas “paixão das horas vagas” mas não utilizarão a táctica do «tudo ao molho e fé em Deus». “Não será essa a táctica mas temos fé em Deus” – afirmou o pároco de Canedo.
Ao nível de apoios, o Pe. Emanuel Bernardo declarou que pessoas amigas contribuíram e ajudaram na logística. O equipamento terá as cores da selecção portuguesa mas a Federação Portuguesa de Futebol “não nos deu nada”.
Entre as 12 equipas estão países como Romênia, Inglaterra, Itália, França, Alemanha, Suíça, Portugal e Espanha.

- A minha principal vocação é obviamente o sacerdócio. Mas no tempo livre gosto de jogar futebol, acredito que seja uma maneira de mostrar que a Igreja faz parte do mundo - declarou Pe. Emanuel Bernardo.
O presidente da CEP, monsenhor Jorge Ortiga, encontrou os padres-jogadores para lhes desejar boa sorte e também o desejo que, no futuro, também os bispos possam participar.
Entre as formações mais temidas está a equipa espanhola, conhecida como "Os Chispas" (As faíscas).
- Ele é a luz e nós somos simples "faíscas" - explica o significado do nome, o técnico da equipe espanhola e pároco de Santiago de Caldas, Dom Luis Pérez.
Antes de começar uma partida "Os Chispas" rezam o Pai Nosso.
- Especialmente para não nos sentirmos mal, porque no dia seguinte devemos celebrar a missa - afirma um dos jogadores, padre Tomas, de 46 anos.
Da proxima vez avisem-nos a todos, porque poder haver por aí algum craque escondido....!!!

sexta-feira, fevereiro 03, 2006

O VATICANO VIRA À ESQUERDA

Deus Caritas Est é a encíclica de um Papa que entendeu e digeriu a secularização do mundo, mas que também vê na falência das ideologias uma nova oportunidade para a Igreja. Nesse sentido, é um documento inteligentíssimo, que evita cuidadosamente todos os temas polémicos que contaminam a relação do Vaticano com a cultura laica para se centrar naquilo que é o fundamento da fé cristã, e que qualquer sociedade civilizada dificilmente rejeitará a necessidade do amor e da caridade.
Na sua primeira encíclica, Bento XVI sublinha o que muitos há muito esperam ouvir.
  • Que o amor carnal (eros) não pode ser separado do amor espiritual (agape), ainda que o eros necessite de "disciplina" e "purificação".
  • Que a Igreja "não pode nem deve colocar-se no lugar do Estado", "mas também não pode nem deve ficar à margem da luta pela justiça".
  • Que a "caridade cristã deve ser independente de partidos e de ideologias", porque é precisamente daí que advém a sua força diante das dificuldades causadas pela "globalização da economia", "a doutrina social da Igreja tornou-se uma indicação fundamental", que pode chegar "muito além das fronteiras eclesiais".

Não admira que a esquerda tenha acolhido a encíclica com entusiasmo. Retirem-lhe as citações bíblicas e muitos dos seus parágrafos poderiam ter sido lidos em voz alta no Fórum de Porto Alegre. Bento XVI cita Santo Agostinho "Um Estado que não se regesse segundo a justiça reduzir-se-ia a um bando de ladrões." Mas ao velho marxismo, que o Vaticano ajudou a enterrar, o novo Papa contrapõe um modelo liberal: "Não precisamos de um Estado que regule e domine tudo, mas de um Estado que generosamente reconheça e apoie as iniciativas que nascem das diversas forças sociais".

Com o mundo num impasse político, entalado entre fundamentalismos vários e um modelo capitalista que agrada a poucos, Bento XVI pressentiu uma janela de oportunidade. Em vez de se ocupar a impor regras morais aos homens, preferiu realçar a necessidade de fazer o bem. Deus Caritas Est é a terceira via do Vaticano uma viragem à esquerda de matriz liberal, com a qual o Papa tenta conquistar um mundo insatisfeito e carente de orientações.

FONTE: João Miguel Tavares in DN (03.02.06)

quinta-feira, fevereiro 02, 2006

PENSAMENTOS: "Deus é Amor" - Bento XVI

"Quem quer dar amor, deve ele mesmo recebê-lo em dom";
  • "O amor de Deus por nós é uma questão fundamenta para a vida e coloca questões decisivas sobre quem é Deus e sobre quem somos nós";
  • "Amor tornou-se hoje uma das palavras mais usadas mas também mais abusadas";
  • "O amor entre o homem e a mulher (...) sobressai como arquétipo de amor por excelência, de tal modo que, comparados com ele, à primeira vista todos os outros amores se ofuscam";
  • "O eros inebriante e descontrolado não é subida, extase até ao Divino, mas queda, degradação do homem. O eros necessita de disciplina, de purificação para dar ao homem, não prazer de um instante, mas uma certa amostra do vertice da existência";
  • "Nem o Espírito ama sozinho, nem o corpo: é o homem, a pessoa, que ama como criatura unitária, de que fazem parte o corpo e a alma. Somente quando ambos se fundem verdadeiramente numa unidade, é que o homem se torna plenamente ele próprio";
  • O eros degradao a puro sexo torna-se mercadoria, torna-se simplesmente uma coisa que se pode comprar e vender";
  • "A aparente exaltação do corpo pode bem depressa converter-se em ódio à corporeidade";
  • "O eros quer-nos elevar em êxtase para o Divino ... por isso mesmo requer um caminho de ascese, renúncias, purificações e saneamentos".

"o amor visa a eternidade".

Aguardem pela leitura e mais pensamentos interessantes surgirão. Comenta.

quarta-feira, fevereiro 01, 2006

"Deus caritas est" é a resposta a perguntas da vida cristã concreta - Bento XVI


  • “Pode-se verdadeiramente amar Deus, o amor pode ser imposto?”
  • “Podemos amar o ‘próximo’, que nos é estranho ou até antipático?”;
  • “Com os seus mandamentos e proibições, a Igreja não nos torna amarga a alegria do eros, do ser amados?”
    E tu o que achas?