quinta-feira, setembro 20, 2007

Senador dos EUA leva Deus a tribunal

Ernie Chambers, senador do Nebraska, processou Deus, acusando-o de responsabilidade em "catástrofes nefastas". Garante ter feito opossível para que o arguido se apresenta-se em tribunal, mas, perante a impossibilidade, ernie exigiu a presença de representantes de várias religiões. A queixa está a ser avaliada.

O mundo deve estar louco, o homem deve ter perdedido o juízo!!!

6 comentários:

  1. O que é que esse senhor já fez para que os E.U.A assinem e cumpram o documento de Quioto?
    Deve ser uma piada..., mas se a moda pega, os politicos deitam as culpas a Deus, desresponsabilizando-se...

    ResponderEliminar
  2. A propósito...

    When a nightclub opened on Main Street, the only church in that small town organized an all-night prayer meeting. The members asked God to burn down the club. Within a few minutes, lightning struck the club, and it burned to the ground. The owner sued the church, which denied responsability.
    After hearing both sides, the judge said, "It seems that wherever the guilt may lie, the nightclub owner believes in prayer, while the church doesn't."

    ResponderEliminar
  3. é agora que se vai provar que ele não existe...

    ResponderEliminar
  4. Parece que Deus já respondeu ao Senador:
    http://ap.google.com/article/ALeqM5jqCsP7OChy5Q8AFcTeiB58cfy6Uw

    ResponderEliminar
  5. sim sim sim e pede milhões de dólares por ofensas ao seu santo nome para equilibar os cofres vazios pelas indemnizaçãoes que a igreja teve de pagar para não ir a julgamento nos casos de pedofilia nos eus, irlanda etc.
    diz também que da próxima vez manda cá o s.jorge com a espada para lhe cortar a cabeça.
    parece que o ameaçou com duas excomunhões perpétuas.

    é o mundo em que vivemos... não como escapar da realidade. o mundo anda ao contrário. brughuel já assim o havia visto há mais de 500 anos

    ResponderEliminar
  6. Afinal, o homem anda mais revoltado com a justiça terrena do que com a providência celeste. A questão era saber quem pode ou não ser processado nos tribunais americanos...

    ResponderEliminar