sábado, setembro 08, 2007

Benção para os divorciados que voltam a casar

Após a cerimónia na conservatória todos, família e amigos, se reúnem em casa dos recém-casados. Ficamos de pé, um pouco apertados, na grande sala de estar.
Os recém-casados, rodeados pelos filhos, têm esta bênção em grande apreço. Para eles é um acontecimento carregado de sentido. É por isso que tomam a palavra, não só para recordarem a sua situação, mas, sobretudo, para dizerem o que tencionam fazer desta nova etapa da sua vida.
As suas palavras têm um toque de liberdade. É verdade que estão em sua casa e, portanto, mais à vontade do que se estivessem numa igreja. Mas, acima de tudo, parece-me que, acima de tudo, as suas palavras estão marcadas pelo peso da sua experiência humana. Falam com humildade e conhecimento de causa.
Estamos todos presentes para que o seu casamento seja bem-sucedido.

É distribuída uma folha, pela qual nos guiamos para cantarmos, com todo o coração: "Encontrar na minha vida a tua presença".
Os noivos apresentam-me as alianças, que eu abençoo e eles dão um ao outro:
“Recebe esta aliança, como símbolo do nosso amor e da nossa fidelidade."
A assistência aplaude.
A breve celebração é concluída com palavras de paz:
“Que a paz esteja nesta casa. Que reine sempre entre vós."
A festa continua…

Jacques Gaillot, in Partenia

16 comentários:

  1. Com tudo o respeito - e até alguma admiração pelo Bispo Jacques Gaillot -, eu não ia por aí!
    Penso que nada ajuda a esclarecer, mas gera confusão na mente de muita gente.
    Estas "bençãos" podem sugerir que estas situações são normais e têm a aquicência da Igreja.
    Pode-se até discordar da posição da Igreja. Não se pode criar confusão na cabeça das pessoas.

    ResponderEliminar
  2. O amor de Deus gera confusão na cabeça de muitos... O perdão de Jesus à adúltera, a Zaqueu, etc... gerou de tal forma confusão que o levou à morte!
    Pode não ser solução... mas a presença de deus é sempre desconcertante até mesmo dentro da igreja.O pai continuaa ser desconcertante comigo, contigo... O perdão é uma benção. Há ou não salvação para o pecador?...

    ResponderEliminar
  3. Não percebi com que intenção se colocou aqui este texto: se como exemplo ou como denúncia.
    A mim parece-me a descrição de uma bonita celebração privada do amor humano, entre cristãos.

    ResponderEliminar
  4. Respeito as vossas posições. Há verdades nelas que logicamente aceito.
    Mas não será por mais uma benção ou por menos uma benção que deixa de haver salvação para o pecador.

    Penso que o desconcertante do amor de Deus está mais na maneira como acolhemos as pessoas, não as escorraçamos, as fazemos sentir irmãos a sério... E não falo de cor. No grupo de catequistas em que me integro, a responsável é uma divorciada recasada. Nunca senti de qualquer catequista, catequizando ou pai qualquer atitude menos humana por causa disso.

    Continuo a pensar que este tipo de bençãos em nada contribui para esclarecer situações. Pelo contrário.

    ResponderEliminar
  5. Esclarecer o quê?
    Que a igreja deve ter uma cerimónia oficial para estes casos?
    Que o a amor não precisa de uma benção?
    Que as bençãos não são necessárias?
    Tornar presente Deus no amor de cristãos não necessita da "oficialidade". O amor de Deus é desconcertante sim, mesmo quando a igreja não o oficializa...

    ResponderEliminar
  6. calma inergumeno... Não se pode criar confusão na cabeça das pessoas. para isso está lá o sr padre pois se não fosse como é que eu , homem simples e analfabeto, eu, comum mortal, iria perceber o que é que deus quer de mim se é que quer alguma coisa...

    com catequistas destes pode o inferno bem. até parece que são avençados...

    ResponderEliminar
  7. barzabu, foste demasiado infeliz. Faço o que posso como catequista. E penso que nem sequer te procuraste perceber o que se queria transmitir.
    Sou catequista conforme posso. E TU? Que fazes pelos outros???
    Oxalá faças, caso contrário... perdes autoridade para criticar quem trabalha.

    ResponderEliminar
  8. eu s� gostava de perguntar ao senhor bispo se ele faz isso a todos ou fez aqueles amigos em especial? n�o tou a ver um bispo de casa em casa assim...e depois acho uma quest�o demasiado complicada para ser s� assim abordada...

    ResponderEliminar
  9. eu tb conheço um padre que dá a comunhão a divorciados recasados porque são amigos...

    ResponderEliminar
  10. O que nos vale...é que há Deus para nos julgar!...
    Nós( muita gente) somos uns maus carrascos...uns para os outros!...

    Porque é que um divorciado... se não há-de salvar...como qualquer bom ou mau "casado"?...

    É tempo de nos desprendermos da letra cega das regras!...

    ResponderEliminar
  11. Acerca de um ano que descobri estes blogs católicos e comecei a perceber um pouquito como os membros da Igreja "funcionam": está povoada de elementos que eu diria padecerem da sindrome de Asperger. Quer isto dizer que interiorizaram os textos religiosos de uma forma obcecada que por vezes revelam-se inflexíveis. Não há volta a dar. Pararam no século XVI ou até antes e não há mais nada de novo.

    Não reconhecem as fraquesas da instituição; todos os padres são puros e castos; há pecado por todo lado .... é certo que não seria boa ideia aceitar tudo que a sociedade quer, pois está fácil de ver que a sociedade não está a ir pelo caminho certo, mas caraças um pouco mais de tolerância e compressnsão só lhes fazia bem a eles e aos que não se revêem na Igreja de hoje.

    Realmente bico de pato tem toda a razão!

    Teodora

    ResponderEliminar
  12. O texto postado � revelador de uma pr�tica pastoral que vai fazendo caminho em Fran�a (sobretudo), numa quest�o/�rea reconhecidamente delicada. � fruto de ponderada e longa reflex�o em grupos de pastoral familiar, reuni�es presbiterais, e s�nodos diocesanos; tendo sido reconhecida a n�vel oficial por um documento de 2002 dos bispos franceses e contando actualmente com directrizes provenientes de v�rias dioceses gaulesas.

    N�o estamos, pois, perante um caso isolado, nem diante de uma situa�o de infringimento de regras.

    Tamb�m n�o se trata de um proposta reservada a "amigos", embora o acompanhamento destes casais seja t�o personalizado e intenso que facilmente gera cumplicidade e afecto entre os diversos agentes intervenientes. H� que precisar ainda que o processo de discernimento � exigente (nem todos os casais estar�o dispostos a fazer tal caminho) implicando uma apurada e esclarecida pr�tica pastoral (nem todos os padres ou comunidades estar�o preparados para realizar tal percurso).

    Refira-se ainda, para quem estranhou o facto de um bispo andar de casa em casa, que a diocese de Dom Gaillot �, ao fim e ao cabo, uma diocese pessoal: o seu trabalho � mesmo o acompanhamento personalizado...

    ResponderEliminar
  13. Deixo uma ora�o que � um belo comp�ndio do que est� aqui em causa. Desculpem a tradu�o.


    ORA��O PELAS PESSOAS
    DIVORCIADAS-RECASADAS


    Tu cujo nome � Amor,

    Pe�o-te, Senhor,
    por todos os homens e mulheres divorciados,
    com frequ�ncia recasados,
    que guardam o sentimento de um fracasso
    por vezes doloroso.
    Pe�o-te por aqueles
    que foram injustamente abandonados,
    por aqueles também
    que foram respons�veis pela ruptura.
    A sua uni�o devia ser
    a imagem da Tua uni�o com a Igreja.
    O ideal, tantas vezes mal compreendido,
    esteve para al�m das suas for�as.

    Perdoa as faltas
    daqueles que n�o tiveram a coragem
    de aceitar uma vida comum dif�cil
    ou de recusar um novo amor.
    D� for�a �queles que t�m de suportar
    a solid�o e por vezes o encargo
    de educar sozinhos as crian�as
    que pertencem tamb�m ao "outro".
    Tu sabes que muitas vezes
    o novo lar que se criou
    quer permanecer-Te fiel e que ele sofre
    por se ver exclu�do da eucaristia.
    Possa ele descobrir
    outros caminhos de gra�a
    e continuar a servir a Igreja.

    D� �queles
    que encontram estes feridos do amor
    a gra�a de os acolher como irm�os.
    Ilumina tamb�m a sua Igreja
    sobre as vias de uma maior miseric�rdia.
    � Tu, cujo nome � Amor,
    fortifica no seu amor
    todos os casais criados � Tua imagem
    que se encontrar�o um dia em Ti.

    Armand Le Bourgeois

    ResponderEliminar
  14. Obrigada bico de pato, Teodora e em particular a oração de js...O terramoto que o meu divórcio provocou e as pressões das convenções familiares e sociais à menina modelo católica de família de padres tem-me causado dissonâncias profundas...na origem de graves depressões...
    Se me casasse de novo, não conheço nenhum padre que me desse a benção....No entanto, aos poderosos, esses facilmente obtém a anulação para poder casar catolicamente as vezes que precisam...(é ver o Tallon, por ex...)
    Obrigada por não me fazerem sentir uma ET...
    mrc

    ResponderEliminar
  15. Sou divorciada e sinto-me excluída da igreja católica, uma vez que pelo meu estado civil sou poibida de comungar e não posso tentar ser feliz novamente recebendo uma bênção matrimonial. Gostaria de saber uma coisa: Deus é amor e no seu amor infinito pode perdoar nossos pecados. Pq o homem julga as pessoas que casaram-se e não foram felizes? Deus nos quer feliz! Se as pessoas que nos julgam soubessem a dor de uma separação jamais nos excluiriam e sim nos aceitariam acolhendo-nos com todo amor.

    ResponderEliminar
  16. Sou divorciada a 9 anos e graças a Deus conheci uma pessoa muito especial. Ele gostaria muito de casar na igreja católica. Somos todos católicos. Mas infelizmente é muito burocrático, já pesquisei sobre nulidade de casamento, mas eles querem provas, testemunhas, etc... Vocês acham que o meu ex. marido iria até o Tribunal Eclesiastico e falaria que ele me traiu ???????????? Jamais né... Então fica uma situação dificil... Gostaríamos de receber a benção do padre. Fico muito triste com a situação. Será que é possivel algum padre nos dar a benção ? Fui até maltratada por um padre, ele me falou palavras duras e falou que eu não posso comungar. Fui arrasada para a minha casa.
    Obrigada !

    ResponderEliminar