quinta-feira, janeiro 03, 2008

Querem retirar os nomes de santos e de santas...

Segundo o Jornal Correio da Manhã, foram dadas indicações para evitar referências religiosas nos estabelecimentos...
Alguns movidos talvez pelo ódio ou pela inveja (os primeiros lugares do ranking foram mais uma vez ocupado por escolas católicas) querem passar uma esponja por tudo o que cheire a "Igreja", a "religião"...
Sabem me dizer o que é a Associação Republica e Laicidade, quem representa, quantos associados têm e por que é que lhe dão tanta importância?
Já agora gostaria de fazer um exercicio. Quem nome propõe:
Palácio de São Bento...
Mosteiro dos Jerónimos...
Torre dos Clérigos...
Mosteiro de Tibães...
Convento de Cristo de Tomar...
Santa Eulália...
Freguesia dos Anjos
Bairro da Ajuda
Hospital de Todos os Santos...
Hospital de Santa Maria
José Socrates...
Almeida Santos...
Teixeira dos Santos
Emblema do "Belenenses" - a Cruz de Cristo;
Bandeira de Portugal....
Interessante, teremos nomes suficientes?
E os portugueses estarão dispostos a perder a sua cultura e a ignorar as suas raízes?
Estarão dispostos ter que alterar o BI só porque uns poucos alterar 30% da toponimia?!!!
Qual o problema em estudar na Escola do Alvaro Cunhal ou do Afonso Costa?
O Beato Nuno Alvares Pereira não foi tão ou mais português do que qualquer um destes?
O cardeal D. Henrique, S. João de Deus, S. António de Lisboa não dizem mais aos portugueses, não fazem parte da nossa história e cultura? Porque não os podemos recordar. Só porque estes portugueses escolheram ser religiosos e não ateus ou agnósticos!!!
Tenham juizo e respeito...

5 comentários:

  1. O que fará mover esta gente? A civilização ocidental não seria o que é se não tivesse como base os fundamentos Judaico/Cristãos.
    E se S. Bento se levantasse e corresse com todos eles à vassourada?

    Palheirense

    ResponderEliminar
  2. Um texto interessante de se ler: "A desforra de Deus", por , Esther Mucznik, Investigadora em assuntos judaicos

    Público, 03.01.2008

    ResponderEliminar
  3. Eu gosto é daquela ideia da retirada de todas as figuras religiosas da heráldica nacional, nomeadamente municipios e freguesias.
    30% da freguesias têm nomes de santos. Qual é o problema, mudamos o nome.

    ResponderEliminar
  4. Tenho uma opinião mais moderada sobre o assunto. Os lugares devem ter o nome que as pessoas estão habituadas a chamá-lo.
    Durante muitos anos mandou a parolice do santinho, infelizmente. Mas não é de um dia para ao outro que se muda um nome que tem décadas de “rodagem”.
    No meio de isto tudo (claro que) acho muito foleiro chamar santo e santinha ou virgem a um parque infantil, a uma avenida ou a um aterro sanitário (lugares Públicos). Para os NOVOS empreendimentos públicos devia ser vedada a denominação pia (parece que vamos ter um “Hospital de todos os santos” em Lisboa, lindo, não é?)

    Intolerável é o caso da Ponte em coimbra

    ResponderEliminar
  5. ATENÇÃO! A DREN já publicou um comunicado desmentindo a "notícia" e sublinhando o facto de o fazer pela 3ª vez após a publicação de notícias assinadas pelo mesmo "jornalista"...

    cf. www.dren.min-edu.pt

    ResponderEliminar