terça-feira, dezembro 11, 2007

Padre ameaça recusar sacramentos a quem não pagar um dia de salário

O padre de Campo, Couto, Roriz e Tamel S. Fins, em Barcelos, vai deixar de dar os sacramentos e privar o acesso a todos os bens, movimentos e serviços (missas de sufrágios, catequese, atestados) naquelas quatro paróquias aos fiéis que não estejam inscritos nem tenham pago a côngrua (um dia do salário mensal) até ao próximo dia 23. O aviso, lançado no boletim paroquial e no fim da missa dominical, "sustenta-se no que diz o direito canónico e a Conferência Episcopal", realçou Avelino Castro, de 29 anos e sacerdote desde 2006.
Veja a noticia no DN
Até que ponto o dever de pagar a côngrua se sobrepõe ao direito dos fiéis aos sacramentos?
E será coerente que, aquele que não quer contribuir para os sustento do padre e as despesas da Igreja, exiga serviços à Igreja?

13 comentários:

  1. Os designios do "senhor" são misteriosos

    ResponderEliminar
  2. Afinal a maior parte dos sacerdotes (quem não tem um emprego estatal ou outra forma de sustento) vivem de donativos...

    ResponderEliminar
  3. São muitos ainda que olham para a Igreja, como uma repartição pública, onde o padre é visto como um funcionário, que só serve para assinar e carimbar papéis.

    ResponderEliminar
  4. Dai de graça o que recebestes de graça... não parece ser para os dias de hoje. Mas... esta atitude parece grassar por essa igreja fora. e se um dia destes os catequistas começam a pedir um salário... e os restantes leigos nas suas funções (serviços)... nada disto parece válido. Nem mesmo a ideia da justa sustentação do clero como um salário... parece-me que nenhum padre morre à fome por muito servir...

    Organicismo não é organização.

    ResponderEliminar
  5. Não esqueçamos que Jesus disse que entre Ele também havia joio. Como Judas... Mas, lá porque havia um Judas, não era por isso que todos eram joio...


    beijos em Cristo

    ResponderEliminar
  6. Boa noite.
    Começo por dizer que não recorreria aos métodos do meu colega. Por convicção.
    Mas não deixam de me chamar a atenção alguns comentários de certas pessoas que se sentem muito chocadas. Perdoem-me, mas cheira-me a farisaísmo.
    Alguns parece que estão sempre à espera de uma oportunidade para "bater nos padres".É aquilo a que se poderia chamar "o anti-clericalismo primário".
    Será que essa gente se preocupa minimamente com o sacerdote que o serve? Será que os leigos já tomaram consciência de que também são Igreja e que têm, por isso, responsabilidades? O que é que o laicado tem feito para organizar a legítima sustenção dos sacerdotes, procurando isentá-los do sufoco da "esmolinha"?
    Parece que muita gente quer é uma "Igreja de porreirismo", que diga sim a tudo, que abençoe todas as situações, que facilite tudo e nada exija...Será essa uma Igreja com sabor evangélico?
    A Igreja é para todos, mas não é para tudo.
    E os Bispos? Que têm feito para acompanhar, apoiar os sacerdotes e organizar a legítima sustentação dos padres?
    Depois alguma comunicação social, em questões de Igreja, lembra os abutres. Só aparece onde está a "carne podre" dos escândalos. Um povo vibra em acção de graças pelos 25 ou 50 anos do seu pároco... Zero comunicação social. Duas ou três pessoas acordam enjoadas e lembram-se de dizer umas paracoadas contra o seu pároco... Comunicação social em peso!
    Enfim, as pessoas já deviam estar precavidas contra tal cenário e não se deixarem envolver tanto.
    Claro que num ou noutro caso, os sacerdotes exageram, perdem a noção do tempo actual, não medem o alcance das suas intervenções, carregam num certo legalismo... Mas onde está a humanidade que aqueles a quem serve tanto reclama dele? Estas situações não deveriam ser resolvidas no âmbito da família paroquial? É preciso vir para a comunicação social, tantas vezes exagerando ou retorcendo os problemas?
    Uma pitada de bom senso faria bem a todos. A todos.
    Muita paz no Deus da Paz!
    P.e Zé Camilo

    ResponderEliminar
  7. Parabéns Pe. Camilo (não o do "seu pequeno mundo" porque vivemos a globalização, com todos os seus bens e males).
    Alguma lucidez testemunhal...
    Alguma denuncia ad intra e ad extra. Mas qual o papel da igreja nos midia a não ser a utilização dos seus meios que não chegam a lado nenhum?
    A seriedade da igreja passa pela exigência (certo!) mas a exigência da seriedade começa por dentro. Não estamos no brasil (dízimo) nem em algumas "igrejas" que tanto criticamos. A igreja tem uma mensagem que também é utópica e não se rege pelas justiças (injustas) do mundo. E o óbulo da viúva? Há por aí muitas comunidades onde não se fala em contributo obrigatório e a generosidade não alta.
    É justo pagar impostos? É (um dever)é justo contribuir para a igreja a que se pertence? É. A fuga dos impostos é semelhante à fuga do contributo: mais serviço e menos poder! Num país em que o Estado serve os cidadãos não há fuga aos impostos... não será assim?

    ResponderEliminar
  8. digo: a generosidade não falta

    ResponderEliminar
  9. Sem clericalismo não existe anticlericalismo ...

    ResponderEliminar
  10. Sem Deus não existe ateísmo

    ResponderEliminar
  11. INFORMEM-SE!!!

    http://verdadedamentira.nireblog.com/

    ResponderEliminar
  12. Sim por este andar, os catequistas que pe�am sal�rios, os volunt�rios nos hospitais...e os padres... Exactamente o que Cristo nos ensinou. Que tristeza.

    ResponderEliminar
  13. o "recebestes de graça, dai de graça", nao é argumento porque o padre nao recebeu nada de graça, nao foi ordenado de uma dia para o outro, teve que se formar e isso custa e muito; para alem disso o padre nao come pedras da rua, tem as suas despesas e ninguem lhe esta a fazer nenhum favor, se os habitantes querem assistencia espiritual na sua terra, devem sustentar o homem que o oferece, isto nem é discutivel sequer! os fieis supostamente catolicos para usufruirem do serviço religioso sao os primeiros mas para darem um dia de salario- que sinceramente é uma miseria de contribuiçao, deveriam ate ter vergonha de dar so um dia de salario- ficam todos tremidos com medo de ficarem pobres.

    ResponderEliminar