domingo, dezembro 30, 2007

2 milhões de pessoas participam na manifestação, a favor da família cristã

Os organizadores desta manifestação popular asseguram que se trata de um "acto religioso familiar, sem nenhuma pretensão política", por isso pediram a todos as pessoas que não exibam cartazes, nem bandeiras.

No entanto, reconhecem que se trata de um "protesto contra o Governo", presidido por José Luís Rodriguez Zapatero, por ter legalizado os casamentos homossexuais e por ter tornado mais ágeis os divórcios.

5 comentários:

  1. Espanha - ICAR e a democracia
    Ontem, na Praça de Colombo, em Madrid, centenas de milhares de pessoas reuniram-se para contestar o Governo, sob o lema «Pela família cristã». Bandos de padres e bispos dinamizaram a manifestação e vociferaram contra os casamentos homossexuais, contra o divórcio e contra a nova disciplina «educação para a cidadania».

    Havia bispos, cardeais e cerca de trinta organizações católicas, num desafio ao Governo a dois meses de eleições legislativas. O bispo de Valência chegou a culpar o Governo de pôr em perigo a democracia. O presidente da Conferencia Episcopal Espanhola, Ricardo Blázquez, afirmou que «A família está fundada sobre o matrimónio, que é a união de um homem e uma mulher para transmitir a vida».

    Celibatários, estes primatas de báculo, mitra e anelão não se limitam a defender os seus princípios para os católicos, querem obrigar os que os desprezam a submeter-se à sua moral e aos seus caprichos. São detritos do franquismo a adejar as sotainas pelas praças de Espanha numa cruzada raivosa contra a modernidade.

    O cardeal de Barcelona, Lluís Martínez Sistach, retido pela gripe humana, enviou uma mensagem a justificar a ausência na manifestação e para recordar que havia dedicado a sua última pastoral à defesa da vida, «perante o horror do cifra de 110.000 abortos em Espanha, em 2006, e das clínicas abortistas».

    ResponderEliminar
  2. Eram dois milhões de celibatários fanáticos, e coisas que tais... sempre o mesmo role de imporpérios...
    Só não vê quem não quer ver...
    Cerca de 10% da população espanhola saiu à rua para dizer "BASTA" e estes senhores ateus militantes não quer ver o óbvio.
    A destruição da familia não leva a nada nernhum...

    ResponderEliminar
  3. Isso revela a preocupante situação em que apenas dez por cento da população (confesso que fiquei desiludido, pensei que fossem mais) quer impor a sua visão mui católica de sociedade e família aos NOVENTA por cento que por não estar de acordo não participou na manifestação.
    É este tipo de fundamentalismo que me preocupa!

    ResponderEliminar
  4. Estão a exercer um direito, ao manifestarem-se. Independentemente de quão bárbaros forem os motivos. Só faltava estar lá a extrema direita e meia dúzia de skinheads.

    As ideias que defendem em relação ao casamento são muito bonitas, embora não as perceba. Quantos mais casamentos (e permitindo mais do que um casamento pela igreja) e divórcios mais negócio teriam na junção de casais pelo sagrado matrimónio.
    Quanto ao aborto são do mais coerente que há, embora devessem ainda defender a equiparação da IVG ao assassínio, em matéria de código penal. Não o fazem com medo da opinião pública.
    Tentando defender um dos seus “ganha-pão”, insurgem-se contra a educação para a cidadania. Imagino que muito padre e elemento afecto à ICAR tenha ficado sem emprego com o fim do ensino da sua cartilha nas escolas.

    A “família cristã” de hoje não vai à missa, casa na igreja por motivos estéticos, não batiza os filhos, usa contraceptivos e votou “sim” no referendo ao aborto.

    Boas Festas

    ResponderEliminar
  5. "familia cristã"- looooollll esta so pode ser para rir! isso nem existe! desde quando um grupo de fanaticos mal informados e guiados por HOMOSSEXUAIS HOMOFOBICOS sao uma familia cristã!? gente burra!!!!!

    ResponderEliminar