quinta-feira, junho 05, 2008

Será que o mal existe?

Durante uma conferência com vários universitários, um professor da Universidade de Berlim desafiou seus alunos com esta pergunta:
- “Deus criou tudo o que existe?"
Um aluno respondeu valentemente:
- Sim, Ele criou…
- Deus criou tudo?
Perguntou novamente o professor.
- Sim senhor, respondeu o jovem.
O professor respondeu, “Se Deus criou tudo, então Deus fez o mal? Pois o mal existe, e partindo do preceito de que nossas obras são um reflexo de nós mesmos, então Deus é mau?"
O jovem ficou calado diante de tal resposta e o professor, feliz, se regozijava de ter provado mais uma vez que a fé era um mito.
Outro estudante levantou a mão e disse:
- Posso fazer uma pergunta, professor?
Lógico, foi a resposta do professor.
O jovem ficou de pé e perguntou:
- professor, o frio existe?
- Que pergunta é essa? Lógico que existe, ou por acaso você nunca sentiu frio?
- O rapaz respondeu: "De facto, senhor, o frio não existe. Segundo as leis da Física, o que consideramos frio, na realidade é a ausência de calor. Todo corpo ou objeto é susceptível de estudo quando possui ou transmite energia, o calor é o que faz com que este corpo tenha ou transmita energia. O zero absoluto é a ausência total e absoluta de calor, todos os corpos ficam inertes, incapazes de reagir, mas o frio não existe. Nós criamos essa definição para descrever como nos sentimos se não temos calor".
- E, existe a escuridão? Continuou o estudante.
- O professor respondeu: - Existe.
O estudante respondeu: Novamente comete um erro, senhor, a escuridão também não existe. A escuridão na realidade é a ausência de luz. “A luz pode-se estudar, a escuridão não! Até existe o prisma de Nichols para decompor a luz branca nas várias cores de que está composta, com suas diferentes longitudes de ondas. A escuridão não! Um simples raio de luz atravessa as trevas e ilumina a superfície onde termina o raio de luz. Como pode saber quão escuro está um espaço determinado? Com base na quantidade de luz presente nesse espaço, não é assim? Escuridão é uma definição que o homem desenvolveu para descrever o que acontece quando não há luz presente”.
Finalmente, o jovem perguntou ao professor:
- Senhor, o mal existe?
O professor respondeu: Claro que sim, lógico que existe, como disse desde o começo, vemos estupros, crimes e violência no mundo todo, essas coisas são do mal.
E o estudante respondeu: “O mal não existe, senhor, pelo menos não existe por si mesmo. O mal é simplesmente a ausência do bem, é o mesmo dos casos anteriores, o mal é uma definição que o homem criou para descrever a ausência de Deus. Deus não criou o mal. Não é como a fé ou como o amor, que existem como existem o calor e a luz. O mal é o resultado da humanidade não ter Deus presente em seus corações. É como acontece com o frio quando não há calor, ou a escuridão quando não há luz”.
Por volta dos anos 1900, este jovem foi aplaudido de pé, e o professor apenas balançou a cabeça permanecendo calado… Imediatamente o director dirigiu-se àquele jovem e perguntou qual era seu nome? E ele respondeu: ALBERT EINSTEIN.
Enviado por email

7 comentários:

  1. Esta história tinha-me dado um jeitão quando, na semana passada, num curso de Iniciação à Fé se discutia acaloradamente a existência ao não do diabo... Conhecia-a mas não me lembrei dela!:(((
    Seria um texto excelente não fizesse ele intervir um professor intelectualmente debilitado... Os docentes já são tão maltratados que seria um crime utilizá-lo por mais nobre que fosse a finalidade...:)))
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Vejamos até onde nos pode levar o sectarismo:

    O calor existe?
    Não. De facto chamamos calor quando o frio está ausente.

    A luz existe?
    De facto, não. A luz só existe quando a escuridão do espaço inter-planetário é atravessado pelos vários fotões que compõem a luz branca.

    O bem existe?
    Claro que não. O bem é apenas uma definição para descrever a ausência do mal.

    A paz existe?
    Não. A paz é algo que se sente quando não está presente a guerra.

    E Deus existe?
    Bem, Deus só existe quando o Diabo se ausenta. E vice-versa.

    Ou seja, nada existe por si mesmo sem o seu contrário.
    Na Física também se estuda que tudo se mantém pelos seus dois pólos: o positivo e o negativo.

    Não é possível conceber-se uma moeda sem duas faces. Não existe, nem em conceito, nem na realidade.

    ResponderEliminar
  3. Os professores hoje são muito mal vistos porque os alunos são em número significativo brilhantes como Einstein!

    Alguns pais também são igualmente brilhantes!

    ResponderEliminar
  4. A tendência para a falsificação de dados, documentos, relatos e não só é prática corrente nesta e outras seitas que da mitologia fazem o seu negócio.
    Esta história é ridícula pois além de nunca ter sucedido, estes senhores inquietos são reincidentes no facto.
    Einstein nunca foi supersticioso mas sim um homem de razão. Não conspurquem o nome de alguém que fez questão de se distanciar de todas as seitas religiosas e principalmente daquela que promoveu e tirou os maiores dividendos do holocausto.
    E se duvidas houver basta consultar a documentação que existe e não é pouca, sobre o banco ambrosiano (do vaticano) que foi condenado e obrigado a devolver o dinheiro, ouro e outros bens vergonhosamente roubados aos judeus durante a segunda guerra mundial.

    ResponderEliminar
  5. A argumentação é interessante, independentemente de quem a tenha proferido.

    ResponderEliminar
  6. Será que Albert Einstein leu Santo Agostinho?

    Caro anónimo, tudo o que exite é um bem. Tal como Deus existe, e se Deus é bom, existir é bom. Portanto o mal absoluto não pode existir porque se existisse seria ele um bem.

    Repare, os malvados desejam não existir, daí o seu ódio Às coisas existentes: 1º a Deus fonte de toda a existencia;
    2º às criaturas.

    ResponderEliminar
  7. Isto é tudo uma asneirada. O Einstein até era burro que nem uma porta, safava-se era às matemáticas e físicas. Nem alemão o homem sabia...

    ResponderEliminar