sábado, abril 19, 2008

Promover os direitos humanos para eliminar a injustiça

“A promoção dos direitos humanos continua a ser a estratégia mais eficaz para eliminar a desigualdade entre os países e os grupos sociais, como também para construir um maior sentimento de segurança”.
As vítimas cuja dignidade humana é violada impunemente, tornam-se presas fáceis para a violência e podem tornar-se, na primeira pessoa, em instrumentos que violam a paz.
“Os direitos humanos devem ser respeitados enquanto expressão de justiça e não simplesmente perante a vontade legislativa”.
“Se os Estados não conseguem garantir tal protecção, a comunidade internacional deve intervir com medidas jurídicas previstas na Carta das Nações Unidas e de outros instrumentos internacionais”.
“Precisamos experimentar o paradoxo de um consenso multilateral que continua a estar em crise por causa da subordinação aos interesses de poucos, enquanto os problemas do mundo exigem uma intervenção sob a forma de uma acção colectiva da parte da comunidade internacional”.
“Em nome da liberdade deve estabelecer-se uma correlação entre direitos e deveres, em que cada pessoa é chamada a assumir a responsabilidade pelas suas escolhas e que estas escolhas se relacionam directamente com a vida de outros”.
Bento XVI na ONU

3 comentários:

  1. Todos gostamos de ter direitos, mas deveres...

    Tem de haver mais responsabilização...

    beijos em Cristo e Maria

    ResponderEliminar
  2. Será que a promoção dos “Direitos Humanos” por parte da igreja (leia-se Vaticano) – que sempre recusou assinar a “Convenção Europeia dos Direitos Humanos” –, significa um passo na direcção de uma nova atitude (a aplaudir) ou é apenas mais uma manifestação de hipocrisia em que a igreja é fértil?

    Citando Anselmo Borges padre e professor de filosofia da religião na Universidade de Coimbra:
    "A Igreja Católica continua a ser uma monarquia absoluta […] e não pode pregar os direitos humanos fora dela, quando os não pratica no seu seio."

    ResponderEliminar
  3. Bem prega frei Tomás...

    ResponderEliminar