sexta-feira, fevereiro 18, 2011

A sexualidade e a Igreja Católica

«É interessante ver que Jesus, perante a sexualidade, mesmo confrontado com desvios, é tolerante e perdoa. A Igreja parece ter posto o acento no sexo e nos seus desvios, mas Jesus o que condenou de forma veemente foi fundamentalmente a ganância, a avareza, a opressão: "Não podeis servir a Deus e ao dinheiro." É necessário distinguir entre a Bíblia, onde se encontra um dos livros mais exaltantes do amor erótico, que é o Cântico dos Cânticos, e, depois, o mal-estar do cristianismo histórico em relação à sexualidade, que provém fundamentalmente dos gnósticos e de Santo Agostinho. Santo Agostinho é herdeiro de uma escola gnóstica, que é o maniqueísmo, que leva a gnose à radicalidade.

Então, Santo Agostinho trouxe também problemas...
Ele é um génio, mas trouxe ao Ocidente e ao cristianismo histórico verdadeiras tragédias do ponto de vista sexual. Ele era maniqueu e, a partir do maniqueísmo, tinha resolvido o problema do mal: há dois princípios, um do bem e outro do mal. Há uma questão que se coloca sobretudo aos crentes: se Deus é infinitamente bom e omnipotente, como se explica o mal? Através do maniqueísmo, ele tinha resolvido o problema. Mas, uma vez convertido, precisa de encontrar uma solução, pois o cristianismo diz que Deus, quando olhou para o mundo, viu que tudo era bom. Donde vem então o mal? Quando se converte ao cristianismo, Santo Agostinho tem de encontrar a origem do mal. Vai à Carta aos Romanos, de São Paulo, e lê: "Adão, no qual todos pecaram." Mas o grego (ele só conhecia o latim) diz: "Porque todos pecaram." Uma coisa é Adão ser o primeiro que peca, outra é dizer que, nele, todos pecaram. E de tal modo pecaram, que todos transportam esse pecado, que tem uma origem sexual e se transmite sexualmente. Este é o mal que vem ao Ocidente através da gnose, do maniqueísmo, de Santo Agostinho. Todos são concebidos em pecado e desse pecado original só o baptismo liberta. Assim, não hesitou em "enviar" para o Inferno as crianças não baptizadas, porque vinham com o pecado original»...

Num dos seus textos, diz que a Igreja perdeu a credibilidade em termos de doutrina sexual. É assim?
A sexualidade também tem a ver com o prazer e este confronta-se com o poder. Na medida em que a Igreja se tornou numa instituição de poder, tem muita dificuldade em lidar com o prazer e a autonomia. Não sabe, por isso, como lidar com a sexualidade, com as pessoas que estão no mundo de modo autónomo. Essa é uma das questões fundamentais da Igreja.

Por isso surgem as questões relativas ao planeamento familiar, aborto, eutanásia...
A Igreja lutou contra a modernidade, embora, por outro lado, os grandes valores da modernidade venham, fundamentalmente, da Bíblia. Não é por acaso que é no Ocidente que se dá a modernidade, a secularização, a separação da Igreja e do Estado, que tem a ver com a autonomia, os direitos humanos... São valores que vêm da Bíblia, mas que os iluministas tiveram de impor contra a Igreja oficial.
Há um Papa que proibiu a leitura da Bíblia, outro refere-se à "detestável doutrina" dos direitos humanos. No entanto, são valores que vêm fundamentalmente da Bíblia. Afirmam-se a partir da ideia de um Deus transcendente, que cria por amor, livremente. Se Deus cria livremente, só pode criar criaturas autónomas, homens e mulheres livres, e as realidades terrestres seguem as suas leis, sem precisarem da tutela da Igreja. Por outro lado, o cristianismo trouxe ao mundo a ideia da dignidade divina de todos os seres humanos, independentemente da cor, etnia, sexo, posição social, nacionalidade ou religião.

Anselmo Borges em entrevista à Pública (06.02.2011)

12 comentários:

  1. «Na medida em que a Igreja se tornou numa instituição de poder,»
    «Se Deus cria livremente, só pode criar criaturas autónomas, homens e mulheres livres, e as realidades terrestres seguem as suas leis, sem precisarem da tutela da Igreja.»

    Bastam estas duas frases para perguntar porque é que Anselmo Borges ainda está na Igreja?

    De tudo o que este sacerdote vai dizendo é cada vez maior o seu afastamento da Igreja a que diz pertencer.

    Esta é mais uma entrevista em que faz tábua rasa de tudo aquilo que os Papas vêm dizendo sobre a sexualidade, mormente João Paulo II.

    Por este ponto de vista "por causa" do prazer vale tudo e a Igreja não tem que "meter o bedelho" nestes assuntos.

    A divisão que este sacerdote vai causando é triste, e tudo decorre do seu auto-convencimento de ser melhor que todos os outros.

    Triste, muito triste!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Quem ler o que diz Anselmo Borges poderá pensar que os desvios na sexualidade não têm importância para Jesus.

    Então porque é que Jesus diz à mulher adúltera: «também eu não te condeno, vai e não voltes a pecar».

    Então e Jesus não perdoa também a avareza, a ganância e o poder?

    E estes não são também "fonte" de prazer"?

    E São Paulo está errado quando condena os desvios da sexualidade?

    Porque é que os orgãos de comunicação social gostam tanto de fazer entrevistas a Anselmo Borges?

    Porque é que não entrevistam uma imensidade de sacerdotes, (muitos mais do que os "Anselmos Borges"), que não pensam assim?

    Para além de tudo o mais as audiências contam muito!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. É triste como este senhor Joaquim se dirige a um teólogo superior e eminente como é Anselmo Borges. Nem sequer considera que o que ele faz é voltar à pureza inicial de Jesus, posta em causa por toda uma tradição autoritária. Mas ainda que Joaquim tivesse razão, que motivo tem para alegar o afastamento de Anselmo Borges da Igreja? Defende uma Igreja monolítica? Não se esqueça que é por pessoas como Anselmo Borges que muitos ainda se mantêm na Igreja. E é por atitudes com a sua que muitos se vão afastando.
    Convido-o a reflectir, a ter um pouco mais de paz.

    ResponderEliminar
  4. Penso que esta questão não é pacífica, nunca foi e nunca será.
    Penso que é verdade quando se diz que temos problemas com a sexualidade, acredito que vem do facto de que para falarmos abertamente do tema temos que nos expor, o que não é fácil, porque sejamos honestos, por uma lado, sabemos que há um conjunto de preconceitos em relação à Igreja, por outro lado cada palavra é vista isolada de um contexto e leva sempre ao que a faz a pessoa que fala, como só quem é perfeito podesse falar.
    Este texto fala numa visão maniqueista (dualista) e gnostica do mundo, foi uma interpretação do mundo que embora a Igreja tenha combatido com todas as suas forças, algumas sementes ficaram e permaneceram até aos nossos dias.
    Sinceramente, não me incomoda muito este texto, sobretudo se não for só isto. Aliás fui procurar a entrevista na sua integra (http://tribodejacob.blogspot.com/2011/02/entrevista-anselmo-borges-na-publica.html) e ele mesmo diz que na sexualidade não vale tudo e o problema de hoje é exactamente porque passamos do tabu ao vale tudo.
    Falar de uma sexualidade madura e responsável não é fácil, por um lado é preciso que a pessoa tenha autonomia, por outro é preciso fornecer meios para a formação de uma consciência madura e responsável. Por isso recordo sempre as palavras de S. Paulo "«Tudo me é permitido», mas nem tudo é conveniente. «Tudo me é permitido», mas eu não me farei escravo de nada." 1 Cor 6, 12 e "Por isso, se um alimento for motivo de queda para o meu irmão, nunca mais voltarei a comer carne, para não causar a queda do meu irmão." 1 Cor 8, 13.
    Não tenho respostas para tudo, mas sei que o a Igreja diz, representada no magistério, é em vista ao bem de todos e que exactamente por isso sempre agiu com muita prudência.
    Tenhamos em conta que a Igreja fala ao mundo mas primeiro tudo aos seus filhos, pois somos nós que devemos ter a capacidade para enquadrar a mensagem na vivência da nossa fé.
    O "mundo" irá sempre criticar a Igreja, se não for por causa de uma vírgula, será por causa de um acento.

    ResponderEliminar
  5. Ao caríssimo anónimo gostaria de dizer o seguinte:

    Ao invocar que o Padre Anselmo Borges é um teólogo superior e eminente, permite-me então fazer a comparação com os Papas João Paulo II e Bento XVI e perguntar então, porque não hei-de eu seguir estes dois últimos considerados no mundo, sobretudo Bento XVI, como teólogos, sim, superiores e eminentes.

    Quem vê a Igreja como uma tradição autoritária e acha que Ela não segue a "pureza inicial de Jesus", não está com certeza em comunhão de Igreja.

    Depois eu não proponho nenhum afastamento do Padre Anselmo Borges da Igreja. O que a mim me espanta é que este sacerdote repetidamente vê a Igreja como «Na medida em que a Igreja se tornou numa instituição de poder,» e por isso mesmo não percebo porque continua ligado à Igreja.

    Não defendo uma Igreja monolitica, defendo sim uma Igreja de comunhão na diversidade, mas em que os temas da Igreja devem ser debatidos em Igreja e não em entrevistas públicas, (em que o contraditório nunca existe, pois não interessa aos jornalistas), e tal como digo e é fácil de constatar são sempre os mesmos os entrevistados.

    A Igreja, caro anónimo, com todo o respeito, não é uma associação que se preocupe com o número de "sócios". A Igreja preocupa-se em apontar o caminho, preocupa-se em ser mistério de salvação.

    Caro anónimo, todos os dias reflicto na Igreja e em Igreja, e para mim é que é muito triste ver atitudes públicas que convidam mais à divisão do que à união.

    Muitos se declaram seguidores da "pureza inicial de Cristo", mas ainda não percebi com que autoridade o fazem.

    Nada me move contra o Padre Anselmo Borges, (por quem rezo muitas vezes), mas sim contra a divisão e contra entrevistas que pela sua própria natureza provocam mais confusão do que esclarecimento, e são fruto de convicções pessoais individualistas e não de comunhão.

    Com toda a consideração e respeito, um abraço

    ResponderEliminar
  6. Caro anónimo
    Graças a Deus, nem todos os irmãos em Cristo, são detractores do P. Anselmo.
    Assim como eu, conheço largas dezenas de católicos praticantes ( quiçá impuros para alguns zeladores de templos?) que respeitam e apreciam o P. Anselmo , pois obriga-nos a pensar sobre a Fé em Cristo e a aprofundá-la..
    Embora alguns zeladores do Templo, gostassem que o "status quo" teológico se mantivesse no Concilio de Trento, felizmente existe o Espírito Santo que inunda de "luz" e discernimento a Igreja. Só quem vive fechado no casulo dogmático, não observa os sinais dos tempos, para ver que muito vai acontecer na Igreja, nos próximos anos.
    Há zeladores do Templo, que assim como não gostavam que o povo entendesse a Liturgia ou as Escrituras, pois assim seria fácil ter crentes dóceis não esclarecidos, também hoje há quem não goste que os cristãos pensem e reflictam….. mesmo que seja com ajuda escandalosa dos jornais, tv, internet, facebook…
    Também os perseguidores de Jesus não gostavam que ele falasse á multidão ….mas o Espirito Santo foi imparável até hoje!
    Há quem na Igreja de hoje, assustado tente fundamentalizar, achando que só assim se voltará aos tempos da cristandade, que enchia templos e dava poder a alguns…
    Mas sabemos como todos os fundamentalistas católicos, são cada vez menos credíveis na Igreja e sobretudo ficam cada vez mais sozinhos…no Templo.
    A Igreja povo de Deus, é um espaço de comunhão onde cabem todos os que clamam justiça, mas promovem a paz, não são arrogantes e trabalham na construção, do Homem Novo que S. Paulo falava. Também eu rezo a Deus que continue a inspirar o P. Anselmo e muitos outros teólogos da Igreja.
    Só um cego não vê que são insondáveis os desígnios do Senhor e só temos que ser simples, para os entender!
    Que o Pai nos ilumine !

    ResponderEliminar
  7. O comentário de HD, com todos os epitetos em que envolve os que não concordam com o Padre Anselmo Borges, são bem o reflexo daquilo que ele mesmo julga nos outros.

    Ele e os que como ele pensam, (as largas dezenas), é que têm razão.

    Todos os outros que seguem o Magistério da Igreja e A vão construindo na unidade em diversidade, estão errados.

    Mas o Espírito Santo foi, sem dúvida, imparável até hoje, conduzindo a Igreja, mesmo contra aqueles que querem fazer vingar as suas opiniões e visões pessoais.

    Pois eu rezo pela Igreja no seu todo, na sua diversidade.

    Por aqui me fico.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Boa noite!
    Sexo e igreja e e sera sempre um tabu, quanto mais amar alguem e assumir!Todos nos durante a passagem pelos seminarios fomos obrigados e educados em não amar uma mulher, muito menos pensar em sexo, não sejam sacerdotes frustados com medo de assumir o amor por uma mulher, pois pode acontecer, não desistam de ser felizes e enfrentar a realidade, não se enganem colegas!
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  9. Caros,
    se analisarem bem a escrita do Pe. Anselmo Borges verificarão que é mais uma sacerdote que perdeu a Fé. De algum tempo para cá tem vindo a difundir, em associação com a seita herética: Nós Somos Igreja (fundada pelo Pe Hans Kung, proibido por Roma de ensinar teologia), uma grande série de heresias. A negação de dogmas da Igreja Católica Apostólica Romana é o "objecto de trabalho" deste padre que apostatou. É mais um falto profeta que blasfema continuamente contra Deus, igualando todas as falsas religiões, à Única Religião Verdadeira, fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo.
    Quanto às questões colocadas pelo anónimo (20 de Fevereiro) a Joaquim respondo:
    Pergunta 1: Mas ainda que Joaquim tivesse razão, que motivo tem para alegar o afastamento de Anselmo Borges da Igreja? Não se trata de Joaquim ter razão ou não, facto é que a negação de uma único dogma exclui o Pe Anselmo Borges da Igreja.
    Pergunta 2: Defende uma Igreja monolítica? A palavra 'monolítica' em si, não é utilizada para adjectivar a Igreja. É portanto uma novidade introduzida pelos modernistas condenados pelo Magistério da Igreja ao longo de muitos anos. Mas sem deixar de responder à sua questão, e se me permitir colocar a sua questão na forma correcta, ela toma a seguinte redacção: Defende uma Igreja Hierárquica? Ora, não tem sido assim durante 2 milénios? Mas sei que já deu a sua resposta: é que, em acordo com o Pe. Anselmo Borges, afirma que a "pureza inicial de Jesus, (foi) posta em causa por toda uma tradição autoritária". Pois é, o que está a afirmar é que, infelizmente o Divino Espírito Santo não assistiu a Igreja desde a sua fundação e que, contrariamente às Sagrada Escritura - que profetizam a apostasia no final dos tempos, você, invertendo e contrariando a Palavra de Deus, se assume acima de Deus. De um simples frase, você, pela sua autoridade anula todo o Magistério da Igreja e nega a Sagrada Escritura.
    A sua afirmação: "Não se esqueça que é por pessoas como Anselmo Borges que muitos ainda se mantêm na Igreja. E é por atitudes com a sua que muitos se vão afastando", é muito feliz, precisa e certa, contudo, incompleta e ambígua. Permita-me que clarifique a sua afirmação. O que deveria ter escrito seria: pessoas como Anselmo Borges fazem com que pessoas se mantenham na igreja herética, e pela Graça de Deus, muitos se vão afastando, pelas suas falsas doutrinas.
    Considere o meu texto como uma obra de misericórdia, meu caro. Pois à cegueira dos tempos presentes, só com muita oração, sacrifício, jejum e uma graça, pessoal e particular de Deus, conseguirá “ver” o que anda para aqui a escrever: erro, sobre erro. Quanto ao resto: se é leigo, leia o Catecismo da Igreja Católica. Se é sacerdote, que a misericórdia de Deus o ilumine, pois com o seu texto poderá levar muitos à perdição. Recorde-se: leia BEM, o que o Pe. Anselmo Borges tem escrito e compare com o ensinamento INFALÍVEL da Igreja e terá a solução para o seu grave problema.
    PAX
    Rui

    ResponderEliminar
  10. Obrigado Joaquim pelo seu testemunho de amor à Igreja.

    Quanto ao Padre (custa-me muito escrever esta palavra neste caso) Anselmo Borges, basta ver a fotografia, para perceber toda a soberba com que fala. O que sabe este senhor a comparar com João Paulo II? A comparar com Bento XVI? Pouco ou nada.

    Quantos aos restante, alguma vez se deram ao trabalho de ler a Teologia do Corpo, do Papa João Paulo II? Têm aqui um aperitivo: http://www.youtube.com/watch?v=ECtIzFTogTw

    ResponderEliminar
  11. Estes dois últimos comentários constituem um sinal, um sinal de como o fundamentalismo está infiltrado dentro da Igreja. Com uma nuance. Quem segue Jesus considera que há lugar para todos. Já os fundamentalistas empenham-se em excluir os outros. Para eles, o Espírito Santo só inspira alguns. Para eles, a Igreja universal é só Roma. O que dizem de Hans Kung e Anselmo Borges revela, além de ódio, uma cegueira gritante. Estamos a voltar à Idade Média? Foi este tipo de gente que condenou Jesus. Fala-se muito em dogmas e omite-se o que Jesus deixou: o mandamento novo. Preocupante...

    ResponderEliminar
  12. JESUS CRISTO LIVRA A FAMILIA TERRENA DO MAL DO ABORTO COM O PODER DA FÉ: (ES.57.2) - (LE.6.1) – Há um mal que vi debaixo do sol, e que pesa sobre os homens: (DT.13.11) – E todo o Israel ouvirá e temerá, e não se tornará a praticar maldade como esta no meio de ti; (JR.15.5) – pois quem compadeceria de ti, ó Jerusalém? (LE.5.18) – Eis o que eu vi: (EC.25.26) – Toda a malicia é leve em comparação da malicia da mulher, sobre ela caia a sorte dos pecadores: (ÊX.32.31) - Ora, o povo cometeu grande pecado, fazendo para si deuses de ouro: (SL.57.2) – Clamarei ao Deus Altíssimo, ao Deus que por mim tudo executa: (LM.2.20) – Vê, Senhor, e considera a quem fizeste assim! Hão de as mulheres comer o fruto do seu carinho? Ou se matará no santuário do Senhor, o sacerdote e o profeta? (JÓ.10.18) porque, pois, me tiraste da madre? Ah! Se eu morresse antes que olhos nenhuns me vissem; (JÓ.81.16) – ou, como um aborto oculto, eu não existi ria, como crianças que nunca viram a luz:(JÓ.5.4)–Os seus filhos estão longe do socorro, são espezinhados as portas e não há quem os livre: (LE.8.11) – Visto como não se executa logo a sentença sobre a má obra, o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto a praticar o mal: (HC.2.2) – O Senhor me respondeu e disse: (IS.7.7.) – Isto não subsistirá nem tampouco acontecerá: (ÊX.23.26) – Na tua terra não haverá mulher que aborte, completarei o numero dos teus dias; (1CO.15.45) – pois assim está escrito:(AR.916.64)

    (Na pagina 156 da Bibliogênese: São 973 letras e 56 sinais que revelam isto):

    Eu sou o Espírito do Senhor Deus, do vosso Pai Eterno, que testei as almas dos filhos de Adão e Eva na minha Lei, e que hoje diz a verdade aos Homens e as Mulheres, na ação de um Santo Profeta que crê, ama, luta e tem falado por mim: Escutai, entendei, amai e lutai; pois haverá bom futuro no Homem que se faz filho do amor, e que se levanta como esse Ser Espiritual iluminado, como o Cristo: Agora existe outro Cristo com o poder do seu Deus, e não haverá mais a malicia do diabo, nem o abominável mal do aborto; porque aqui o Filho do Homem decreta e promulga esta sentença na Santa Lei de Deus: Quem praticar o aborto na obra da criação, cometerá uma loucura e um pecado imperdoável, pois o aborto provocado será considerado como crime de morte na terra do futuro povo Cristão: Então, tanto os homens como as mulheres já passaram a ser pecadores conscientes à luz do saber de Israel, e também não poderão escapar da mão do Senhor, como execu-tores desse crime: Testemunhai que Cristo veio ensinar aos Cristãos como executar as nossas leis e estatutos, e a espiritualizar as almas das crianças, ao ler à si: O Senhor Deus provou aos Homens e às Mulheres que eu existo como o Cristo? E seguireis o nosso Espírito que não morrerá ? (IL.973.56)

    ResponderEliminar