sábado, setembro 10, 2005

XXIV DOMINGO COMUM

"Perdoa a ofensa do teu próximo
e as tuas ofensas serão perdoadas".

O Autor Sagrado exprime claramente a relação que existe entre o perdão dispensado (ou não) pelo o homem ao seu semelhante e o perdão que o próprio pede e espera de Deus. Perdoar é uma exigência de Deus. O perdão concedido a quem nos ofende é uma condição indispensável para acolher o perdão de Deus: "perdoa ao teu próximo a injustiça e então, ao rezares, ser-te-ão perdoados os teus pecados". Quem não tem compaixão pelo seu semelhante não pode esperar de Deus o perdão para os seus pecados.
O Evangelho reafirma, por outras palavras, isto mesmo. A parábola dos dois devedores fala-nos da relação que existe entre o perdão de Deus e o perdão do homem. Se Deus está disposto a perdoar os 10.000 talentos dos nossos pecados, nós devemos ser capazes de perdoar os 100 denários das ofensas que os outros cometem contra nós. Àquele homem que não quis perdoar os 100 denários, também Deus não perdoa os 10.000 talentos. Quem não tem um mínino de amor para perdoar (perdoar é uma questão de amor) tb não está em condições de aco-lher em si o amor sem limites de Deus. Quem tem um coração pequeno para amar, tb tem um coração demasiado pequeno para receber o amor de Deus.
Esta parábola quer por em evidência a dificuldade e a importância de saber perdoar. Até Pedro experimenta essa mesma dificuldade e quer pôr um limite. Ora, se não se pode impor um limite ao amor, tb não se pode impor um limite ao perdão. Perdoar é uma exigência do amor. Só quem ama é capaz de perdoar!
Perdoar exige saber esquecer, exige vencer a barreira do nosso amor próprio. Perdoar significa estar aberto e compreender o outro. "Compreender a dificuldade dos outros é perdoar" (Tolstoi).
Saber perdoar e pedir perdão é condição fundamental para viver em comunidade… Não nos devemos admirar se numa comunidade há desen-contros ou mesmo conflitos. O que nos deve admirar é se nessa comunidade as pessoas não se amam o suficiente para serem capazes de se perdoarem umas às outras! Não é suficiente pedir perdão, é tb preciso e fundamental saber perdoar!
O perdão é o que nos torna mais semelhantes a Deus.
Introduz-nos na comunhão com os irmãos. O homem pecador necessita do perdão misericordioso de Deus. O homem tem também necessidade de receber o perdão daquelas pessoas a quem ofendeu.
Por sua vez, o homem deve estar sempre disposto a perdoar a quem o ofende. Normalmente, o homem fixa mais a sua atenção no perdão que deve implorar a Deus do que no per-dão que deve pedir ao seu semelhante e, com frequência, esquece o perdão que deve conceder aos outros. Ora, o perdão de Deus e perdão do homem estão intimamente interligados.
Com a maior das facilidades contentamo-nos em pedir perdão a Deus (o perdão dos nossos pecados), esquecendo a ofensa que fizemos ao nosso semelhante. É mais fácil pedir a Deus, através do sacerdote, o perdão das nossas culpas do que pedir perdão ao próximo e perdoar-lhe. No entanto, uma pessoa que não é capaz de pedir perdão ao seu próximo ou não é capaz de perdoar, não pode compreender e abarcar o perdão de Deus. "O perdoar é uma das coisas que nos torna mais semelhantes a Deus" (Vieujean).

Por fim, só perdoa quem experimenta a necessidade do perdão. Quem se conhece bem a si mesmo, mais facilmente compreenderá as limitações dos outros e mais facilmente perdoará, será mais humilde para pedir perdão. Só assim estaremos em condições de implorar e acolher o perdão misericordioso de Deus.

1 comentário:

  1. Li há algum tempo um textito que rezava mais ou menos assim:
    " Quando alguém é injusto para connosco e mesmo assim, depois de tudo fazermos para ultrapassarmos essa injustiça, cansados, esgotados de tentar lutar contra essa injustiça de todas as maneiras, esquecê-la.. com todas as nossas forças,e, por fim nos sentimos já tão fracos a ponto de desanimarmos e nos deixarmos dominar por ela.. Nâo esqueçamos que nos resta ainda uma força, uma poderosa arma: é a força do PERDÃO."
    Tenho pena de não ter aqui à minha frente o texto original.Para aqui transcrever. Mas é mais ou menos assim. Bem...foi assim que entrou no meu coração.( E ainda permanece, leia-se!)

    Olá, sr. Padre. Ainda bem que já regressou. Oxalá esteja bem.
    Olá a todos.

    ResponderEliminar