segunda-feira, novembro 30, 2009

O povo suiço terá direito a recusar os minaretes?

Os suíços aprovaram a proibição da construção de minaretes nas mesquitas.

Mais de 57% dos eleitores votaram sim no referendo que, este domingo, lhes perguntava se eram a favor do fim da construção das torres. A consulta popular foi uma iniciativa do partido ultraconservador UDC, alegando que as torres das mesquitas são um “símbolo da intolerância islâmica”. Oskar Freysinger, deputado UDC, explica que a medida não pretende interferir com a liberdade de culto.
“Mas o minarete é um símbolo acessório que deve ficar na esfera privada, para não haver uma interferência entre os dogmas e o direito”, defende.
Opinião contrária da maior parte dos partidos helvéticos, como os Liberais-Radicais. Olivier Français, deputado do PLR, explica: “Espero que haja serenidade amanhã e nos próximos dias porque haverá muitas emoções nas diferentes comunidades, tanto ao nível nacional como internacional. Mas a nossa Constituição Federal confere a todos a liberdade religiosa e há que respeitá-la.”
A Suíça conta com 400 mil muçulmanos. A proibição de minaretes é vista como um rude golpe na liberdade de culto. “É um resultado que temos de digerir durante algum tempo. Mas vamos digeri-lo tal como o fizemos com outras coisas e vamos sobreviver”, sublinha uma mulher muçulmana. Os muçulmanos são a terceira comunidade religiosa no país, a seguir aos católicos e aos protestantes. Das 180 mesquitas na Suíça, apenas quatro têm minaretes.
O governo e o parlamento tinham criticado a iniciativa, afirmando ser contrária à Constituição, que reconhece a liberdade religiosa e a tolerância. Os Verdes já disseram que vão apresentar um recurso no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, em Estrasburgo, contra o resultado do referendo.
Fonte: Euronews

3 comentários:

  1. Este caso é a melhor prova de que nem sempre os REFERENDOS são a melhor alternativa para se encontrarem caminhos na defesa da Justiça e da Verdade.

    Curioso que quem quer impor um Referendo em Portugal a respeito do Casamento entre Pessoas do mesmo sexo (com o claro intuito de fazer vencer uma opinião desfavorável) venha agora por em causa a legitimidade deste Referendo na Suíça!! 57% dos Suíços disseram que NÃO!! Onde está a dúvida??

    Não concordo com este referendo na Suíça, nem com o seu principio, muito menos o seu resultado. Do mesmo modo que não concordo com o referendo em Portugal ao Casamento entre Pessoas do mesmo sexo. Uma questão de princípio e de coerência...

    Coerência de que muitos se parecem estar a esquecer por estes dias...

    ResponderEliminar
  2. Os caminhos de Deus apresentam muitas veredas e no meio das diferenças só Ele sabe quem são os escolhidos.
    Ao homem falta o reconhecimento da identidade de si próprio no outro.
    Maria

    ResponderEliminar
  3. Durante muito tempo, o Império Romano perseguiu, torturou e martirizou milhares de cristãos, impedindo-os de professarem publicamente sua fé. Em alguns países do Oriente Médio, os cristãos continuam a ser perseguidos e suprimidos em sua expressão e vida. Seria correto aplicarmos a Lei do Talião ("olho por olho e dente por dente") e impedirmos que outras expressões religiosas organizem seus lugares de culto? Será cristão impedir que mulçumanos, a sua maneira, preste seu culto ao nosso Deus comum? Ou, então, tomados de medo e repúdio pelo diferente, vamos impedí-los de professar sua fé, sob o argumento falacioso de que são todos perigosos? Onde está nosso amor cristão? Continuaremos nos deleitando mais em palavras bonitas e sermões emocionantes do que na efetiva prática do evangelho? Que Deus-Alá nos poupe de mais uma carnificina fruto da intransigência religiosa medieval.

    ResponderEliminar