terça-feira, junho 28, 2005

ORDENADO PADRE AOS 80 ANOS!

Nascido na Síria, gozava de uma situação estável e prestigiosa no mundo, pois era prefeito de Damasco e homem de confiança do califa. Por amor a Jesus Cristo renunciou a tudo, distribuiu aos pobres sua fortuna e ingressou no convento de Sabas, perto de Jerusalém. Teria então cerca de 70 anos! Foi ordenado padre com mais de 80 anos! Combateu a heresia iconoclasta, que pregava a destruição das imagens religiosas, escrevendo três livros para refutá-la. Escreveu também um tratado famoso, sobre a fé e a ortodoxia dos Padres gregos. É considerado o último dos grandes Padres da Igreja do Oriente. Morreu quase centenário, depois de uma vida cheia de méritos e bons exemplos. Foi tarde mas ainda foi a tempo de ser um dos grandes Santos e Doutores da Igreja - S. João Damasceno (649 - 749).
Conheço alguns homens com uma longa experiência de vida, que dariam bons padres. Alguns já estão reformados, mas com boa saúde. Alguns estão a preparar-se para serem diáconos. A questão que normalmente não se coloca quando se fala do celibato dos padres, é que ninguém quer obrigar os padres a casar (eu acho que um padre não se deveria casar), devemos sim é poder ordenar homens casados. Diz-nos o que pensas?

18 comentários:

  1. Carlos Duarte28 junho, 2005

    Exactamente o meu ponto de vista!

    ResponderEliminar
  2. O celibato deveria ser por decisão própria. O ser servo de Deus é vivei o mais possivel na Sua dependência, sendo assim e acreditando que Deus tem um plano para cada um de nós, Ele dará sabedoria e descernimento para tal decisão ser tomada.

    ResponderEliminar
  3. Que maravilha, não sabia nada do Damasceno (dever ser "de Damasco", ão?).

    De resto... isso é proximo do que se passa nas Igrejas Orientais, não?
    ´
    Eu deixei de ter qualquer reserva sobre o casamento dos padres (tinha, por hábito de educação) quando li um livro fabuloso escrito por um evangelista americano, Wilkerson, "A Cruz e o Punhal": um clássico dos carismáticos. E uma beleza.

    A dúvida que tenho é a fronteira entre a obediência e o sentimento de urgência. É uma dúvida "medieval", mas é assim que eu sou: "até que ponto é lícito manifestar exteriormente - isto é, à margem dos canais próprios, que presumo serem os bispos - a discordÂncia com um ponto que, não sendo dogma, é expressamente defendido pelo Papa?

    ResponderEliminar
  4. Eu penso que a Igreja e deus t~em muitos caminhos. Se for a estrada de deus podemos ir no meio de transporte que acharmos melhor. A mim nada me repugnava que os padres fossem casados!

    ResponderEliminar
  5. Luz dourada29 junho, 2005

    Apoio o Confessionário!
    Que problema será que a Igreja vê em padres casados? Foi questão que eu nunca consegui compreender. Nas a necessidade mais do que as "vendas nos olhos" faz mudar muita coisa...
    Acho que o padre que publicou o post não é da minha opinião mas felizmente a democracia estende-se a todos os campos da nossa vida.E dentro do seio da própria Igreja, acho que são mais os que concordo com a minha posição do que os outros. Pelos menos é o meu sentimento. Alguém poder escolher a opção da sua vida, é muito importante. O celibato porque obrigação, muitas vezes, em vez que tornar homens bons, torna-os preversos, porque recalcados e frustrados...
    Isso de dedicação total à Igreja não é impeditivo de família, pois não? A solidão é o pior dos inimigos, é o germén do mal...

    ResponderEliminar
  6. Carlos Duarte29 junho, 2005

    O problema dos padres casados é um problema de disciplina e tradição na Igreja. Na Igreja romana ("ocidental") não existe efectivamente tradição de ordenação de sacerdotes casados e estas coisas custam a mudar (são umas centenas largas de anos em cima). Como disse, não vejo problemas na adopção de uma fórmula semelhante às Igrejas orientais, permitindo-se a ordenação de homens JÁ casados mas vedando-lhes a elevação a bispo.

    ResponderEliminar
  7. Estive a ler a "sacerdotalis celibatio", a carta de Paulo VI sobre o celibato dos padres. A argumentação assenta essencialmente no paralelo com a virgindade de Cristo, a defesa contra os argumentos em contrário reside apenas num "apelo à fé".

    E eu percebo que a fé aqui é importante. Mas... fiquei com a sensação de que o papa não foi suficientemente longe. Vou procurar o que disse o Papa João Paulo sobre este tema.

    De qualquer forma, não me parece, Luz, que a "democracia" seja para aqui chamada.

    ResponderEliminar
  8. concordo c o k foi dito no post...
    sem mais comentarios... despesso-me
    bjus****

    ResponderEliminar
  9. Luz dourada07 julho, 2005

    O Carlos Duarte e o Goldmundo, até aceitavam o fim do celibato dos padres mas não deveriam, segundo o Carlos ascender a Bispos. Porquê? A subida na cadeia hirárquica da Igreja determina "santidades" que o matrimónio obscurece?É que essa, ó Carlos, é de morte! Então o Bispo não é um padre? Que raio de coerência é essa? É com medo do homem chegar a Papa e depois isso ser também impeditivo?

    ResponderEliminar
  10. Carlos Duarte08 julho, 2005

    Luz,

    Nada disso. Tem tão e somente a ver com o nível de entrega necessário. Para um nível episcopal é preciso uma entrega absoluta, o que não é compatível com o matrimónio.

    ResponderEliminar
  11. Eu não disse nada sobre os bispos porque não tenho a certeza. Vou dizer uma coisa que não é nada racional: não gostaria de ver uma Primeira Dama no Vaticano. Para a Lady Di eu já dei...

    ResponderEliminar
  12. Luz dourada11 julho, 2005

    Para o Goldmundo,

    Tinhas medo das mudanças que uma mulher operaria?

    Acho que sim!

    ResponderEliminar
  13. Maria do Los22 julho, 2005

    Com toda esta vossa conversa...deduzo, que antes de mais nada o que o Vaticano tem "medo"...é que as mulheres possam vir a ter mais realce que os homens, dentro da igreja!!! Disciplina?! então um homem lá por ser casado...torna-se indisciplinado? em que é que a vida em familia...torna as pessoas menos responsaveis? antes pelo contrário..aí é que lhes dá responsabilidade e disciplina, pois têm que dar o exemplo ali...no duro da vida!!!com todos os problemas que a familia encara no decorrer do dia a dia!!!
    Para mim...o que o Vaticano tem medo, para não se abrir ao fim do celibato dos padres...é que deixem de ter o controlo total, sobre a vida do povo, pois com padres casados...as frustações deixariam de ser tantas e o poderio...também!!! a aureula que muitos sacerdotes tentam exibir...deixaria de reinar no meio dos espiritos primarios que preferem viver na santa ignorância, por vezes...a encarar, que homens...SOMOSTODOSUM...e portanto todos temos que ter as mesmas oportunidades de sermos SANTOS e PECADORES...para podermos fazer a caminhada para DEUS, com o mesmo peso e medida...

    ResponderEliminar
  14. Vamos lá ver: os protestantes (eu sei que esta palavra já não se usa) têm experiencias de casamento de pastores que deram bom resultado. Nós tivemos experiências de Papas que levaram a familória para o Vaticano, temos até um que escreveu uma carta a um nobre italiano dizendo "entrega-me a tua mulher senao excomungo-te". O que é que vamos concluir daí?

    ResponderEliminar
  15. Refor-me ao Papa Alexandre Borgia, especificamente, na historieta da carta.

    ResponderEliminar
  16. Oh, Goldmundo, essa de excomungar o homem, se não lhe entregasse a mulher...já passou de moda, meu amigo! Nesta altura do Mundo...isso até se torna ridiculo, vires com esses argumentos, para justificar o fim do celibato dos padres...
    Se fizerem uma pesquisa para saberem quantos a favor e quantos contra...vais ver quem ganha!!!
    A Igreja já tem muito dinheirinho, para continuar com esta lei, que mais não foi do que para enriquecer os cofres do Vaticano...Não podendo os padres casar...não tendo familia(ás claras!!!) todos os proventos iriam parar ás mãos do Vaticano...e assim se fez riqueza!!!
    Tudo se resume nisto...

    ResponderEliminar
  17. OLha, alguns comentários estão meio confusos. Por que o casamento para vocês é uma coisa cheia de pecado? Não existe pecado no matrimônio, é até um meio melhor de se santificar, embora mais difícil. A igreja é mãe e sábia, se ela diz que tem q ser assim não é atoa, tem motivos. Sou engajado nas coisas da igreja e namoro. Só eu sei o quanto é dificil equilibrar namoro, trabalho e igreja (namoro, não casamento!!! se fosse casamento seria muito pior). Olha que nem sou padre, não atendo confissão, não celebro missa todo dia e nem tenho que dar tanta atenção para a paróquia. Nós temos que parar e pensar melhor. Ninguém é obrigado a ser padre, quem vai ser padre está sim fazendo a escolha entre o celibato ou não, é uma decisão de liberdade. Vou deixar bem claro que não sou contra a ordenação de homens casados, mas vou deixar essa decisão nas mãos da igreja porque ela não é um estado laico, democrático como nosso país ou outro qualquer, é uma ierarquia e nada é feito de qualquer maneira. Confio na Igreja!!!

    ResponderEliminar