sexta-feira, junho 24, 2005

NÃO BASTA HAVER PADRES

Estão os padres, hoje em dia, submetidos a toda a espécie de pres­são. Desde as críticas que lhes chegam de fora até aos equívocos que denunciam a partir de dentro, tudo lhes é cobrado e arremessado. Na verdade, raro é o dia em que a comunicação social não aponta o seu olhar de lince na direcção de um sacerdote.

Pega-se numa situação, já suficientemente distorcida por quem a sopra.
Ouvem-se duas ou três vozes mais exaltadas, habilmente des­critas como representando o
sentir do “povo”.

Dos visados pode ser que colham “as razões”.

Só que dificilmente se lhes reconhecerá “ra­zão”.

Resultado: haja o que houver, o padre é sempre “o culpado”.

Não digo que se vote ao desprezo este tipo de crítica. Todavia, está muito longe de ser a que mais nos deve preocupar. Aliás, há críticas que deveriam ser lidas como elogios e elogios que deveriam ser lidos como críticas. De qualquer modo, não é o aplauso que nos há-de mover. Não é o protesto que nos há-de condicionar. É somente o Evangelho que nos há-de nortear.

Se repararmos bem, a bitola das apreciações em torno dos padres incide mais sobre a função do que sobre a missão. O que fazem assume mais importância do que o que são.

O que é o padre?
Um gestor de recursos? Um executivo e um tarefeiro? Um prestador de serviços? Um mero líder, por sinal cada vez mais contestado? E o que é a Igreja? Uma ONG? Uma simples organização benemérita? Não está em causa a promoção da solidarie­dade, mas que lugar é dado ao anúncio de Cristo?

O pior é que este perfil tende a ser progressivamente assimilado. Porque uma coisa é haver Igreja e outra coisa é ser Igreja. Como uma coisa é haver sacerdotes e outra coisa é viver o sacerdócio.
De resto, este nem sequer é um problema de agora. Já S. Gregório Magno o detectou no século VI. «O mundo - lamentava - ainda está cheio de sacerdotes, mas são poucos os que encontramos a tra­balhar na messe do Senhor».
Certamente com o melhor dos propósitos, desdobramo-nos em mil e uma actividades não discernindo até que ponto elas possam, ou não, estar em sintonia, com o ministério que abraçamos. Acontece que, a páginas tantas, “somos arrastados para assuntos profanos, o que não corresponde às exigências da missão sacerdotal”.

É claro que a Igreja tem de intervir socialmente. No entanto, a quem cabe, em primeira instância, assegurar esta presença? Será ao padre? Ou não será ao leigo? Não se pertence à Igreja desde o Baptismo?

De facto, é sumamente perturbador ver como se confunde pre­sença eclesial com presença ministerial. Regra geral, as pessoas só dão conta da Igreja se virem um padre ou um bispo à sua frente: Sucede que a Igreja é formada não apenas pelos bispos e pelos padres, mas pela totalidade dos seus membros.

Nem todos são chamados a fazer o mesmo. Qual é o carisma do padre?
Oração e pregação (Act 6,4). Não será este um desígnio suficientemente forte para nos mobili­zar por completo e para nos ocupar por inteiro?

6 comentários:

  1. Sim, sim, sim. Gostei muito deste texto, Padre. Oração e pregação... não tinha visto isso. É uma alegria vir aqui.

    ResponderEliminar
  2. Eu não gostei nada. Graças a Deus que somos todos diferentes. Porque é que o padre deveria ter só oração e pregação? Servir não é oração? Na minha opinião, desculpem lá ó amigos, mas o padre deve estar com a sua comunidade, viver as alegrias e as tristezas com ela. O padre não deve ser uma entidade acima do comum dos homens, longe deles a orar e a pregar. Se for assim, afasta tudo e todos mais dia menos dia.Já terminou o tempo da pregação e oração todos fazemos. Já ninguém quer padres desses!

    ResponderEliminar
  3. Os que nao querem mais pregação podem sempre ir ... pregar para outra freguesia, Luis. Os que querem é que nao tem para onde ir.

    "Para onde iríamos, Senhor? Só tu tens palavras de vida eterna". Mas claro, essas palavras foram ditas antes de sermos 'adultos'.

    ResponderEliminar
  4. Eu só gostaria de lhe fazer uma pergunta Sr. Padre. Porque é que a Igreja não colocou todos os Evangelhos? Porque é que deixou "alguns de fora"?

    ResponderEliminar
  5. Very cool design! Useful information. Go on! »

    ResponderEliminar