sexta-feira, setembro 12, 2008

Os truques da imprensa para potenciar o ateísmo

Ao longo do ano 2007, as notícias que mencionavam os ateus ou o ateísmo eram positivas em 80%.
O Culture and Media Institute de EEUU (http://www.cultureandmediainstitut.org/) dedicou todo o ano 2007 a observar os noticiários principais da TV e a ler os semanários mais influentes. Os investigadores anotaram todas as notícias e reportagens sobre a religião e/o ateísmo, e como tratavam os meios de Comunicação social estes temas.
Os resultados do ano 2007 são claros: a imprensa é assombrosamente benévola para com os pessoas e postulados ateus, e muitíssimo mais critica para com os religiosos, até ao ponto que os números permitem falar de "duplo rasoiro" e inclusive discriminação.
O ateísmo é tratado com uma assombrosa delicadeza, com pinças, pela imprensa, algo que não sucede com as religiões, as empresas, os partidos políticos, os actores ou filmes, etc...

Meios analisados:
investigadores observaram durante todo o ano:

  • todos os números de 2007 das 3 revistas semanais de informação mais importantes: Newsweek, Time e US News and World Report- todos os noticiários matinais, de tarde, de noite e do fim de semana dos três grandes canais de TV: a CBS, a NBC e a ABC.- todas as edições de 4 programas de informação da National Public Radio (paga pelos cidadãos mediante os seus impostos, escutada em todos os EEUU; muito importante num país de imprensa privada e geograficamente fragmentada)
    Portanto, observou-se como apareciam os temas da religião e do ateísmo na imprensa escrita, na TV e na radio, sabendo que se trata de meios muito influentes que marcam a agenda da imprensa local, de Internet, etc... e não só nos EEUU.
  • Alguns resultados:
    - Nenhuma história que mencionava ateu ou ateísmo criticava ou era negativa com o fenómeno ateu ou os personagens ateus. Só 20% das historias eram neutras, e 80% claramente positivas.
    - Quando o tema principal tinha que ver com uma religião, eram convidados comentadores ateu para fazer o contraponto em 70% de casos. Quando o tema principal era o ateísmo, só eram convidados comentadores cristãos em 54% de casos.
    - Newsweek falou de ateísmo em metade dos exemplares semanais. Time fez o mesmo num de cada 3 exemplares (incluindo cartas, menções a números anteriores, etc...). Pelo contrário, o semanario US News and World Report só tratou o tema uma vez.
    - Ainda que todos os candidatos republicanos e democratas se auto-defissem como cristãos (incluindo Giuliani, Hillary Clinton e Obama), só os candidatos republicanos é que lhes perguntavam como "trataria os ateus" ou "teria ateus no seu gabinete". Esta pergunta nunca era feita aos cristãos do partido democrata.
    - A ABC tratou do ateísmo 24 vezes, em 5 dos seus 6 programas de noticias. Nunca com uma perspectiva negativa.

5 comentários:

  1. «- A ABC tratou do ateísmo 24 vezes, em 5 dos seus 6 programas de noticias. Nunca com uma perspectiva negativa.»


    Porquê tanto ódio ao ateismo? você não suporta o direito do outro à diferença...
    E passam o tempo a encher a boca acerca da tolerância, que tolerância?
    Evolua homem! e perca esse rancor.

    ResponderEliminar
  2. Mas que profundo disparate, este texto!

    ResponderEliminar
  3. Isto não é nenhum disparate é um estudo cientifico que pode consultar em: http://www.cultureandmediainstitut.org/
    Ainda bem, que hoje temos a Internet para divulgar livremente aquilo que a Imprensa ou as TVs não querem...
    Alguém pensa que os Jornais, as TVs não têm principios ideológicos que condicionam as noticias e a maneira como são transmitidas as noticias?!!!

    ResponderEliminar
  4. Continue berrando contra os ateus!!
    Inútil!!! se preocupe com sua podre igreja que tá pagando inúmeros processo por pedofilia!! Sem falar do passado nazi dela!

    Os cães ladram, a caravana passa!

    ResponderEliminar
  5. Qual o problema? É preferível dar valor a realidade, do que a mundos de fantasia, não?

    Mitologia cristã, nórdica, grega, romana, egípcia, suméria, senhor dos anéis, harry potter, são interessantes para se ler e/ou estudar, mas não faz sentido ficar defendendo personagens fictícios.

    ResponderEliminar