sexta-feira, maio 15, 2009

Podem existir padres casados dentro da Igreja católica? Podem.

Para a Igreja Católica Maronita, do Líbano, o casamento de religiosos é permitido e não cria nenhum empecilho ao exercício do sacerdócio.

São Marun, monge fundador da Igreja Maronita, permitiu o casamento dos seus sacerdotes

Os padres e os bispos da Igreja Maronita, a mais numerosa entre os cristãos libaneses, dão testemunho de que a recuperação da antiga tradição dos primeiros séculos do cristianismo, quando era comum a ordenação de homens casados, é uma opção a ser adoptada para toda a Igreja Católica. Principalmente nesse momento em que os meios de comunicação de massa levantam o véu que sempre encobriu a vida sexual dos sacerdotes, divulgando inclusive escândalos de homossexualismo e pedofilia, especialmente entre religiosos dos Estados Unidos.

Na Igreja Maronita do Líbano há 1.200 sacerdotes. Metade pertence a ordens religiosas, vivem em comunidade e fazem, livremente, a opção pelo celibato. Mas cerca de 600 sacerdotes diocesanos são casados. Segundo o bispo El Hage, eles não criam problemas e são bons sacerdotes. Apenas dois desistiram do sacerdócio nos últimos anos. Esta constatação, porém, não os livra do estigma e das discriminações que sofrem do poder centralizado no Vaticano por terem se recusado a adoptar o voto de castidade.

A base do celibato entre os padres católicos é a primeira carta de São Paulo aos Coríntios, capítulo 7, onde afirma que o celibato é a melhor forma para dedicar-se totalmente à evangeli-zação, ao serviço aos irmãos e ao louvor a Deus. Em determinados momentos da história, esta carta foi usada pela Igreja de Roma para dar sustentação ao voto de castidade obrigatório para os sacerdotes. Entre os maronitas, porém, sustenta-se a tese de que para seguir os conselhos de São Paulo, todos os religiosos teriam que ser santos padres. Para a Igreja Maronita, os seus sacerdotes são apenas humanos.

A formação de um sacerdote maronita dura seis anos. Durante os cinco primeiros anos, os seminaristas podem namorar para depois tomar uma decisão: o caminho do celibato ou o matrimónio. Se escolherem o casamento deverão fazê-lo antes de iniciarem o último ano e terão uma licença de três anos para organizar a sua vida familiar. Só depois voltam ao seminário para terminar o sexto ano e receber o sacramento da ordem. Se por acaso o candidato ao sacerdócio ficar viúvo antes de receber o sacramento ele poderá casar outra vez. Mas se enviuvar depois de já ser sacerdote não poderá se casar mais.

Esperando uma filha
Conversei longamente com o diácono Raïd — filho da cozinheira Suhaila, do Orfanato de Kfarfu, das irmãs maronitas — na companhia de sua mãe e da sua esposa Rima. Era uma tarde fresca e contemplávamos o mar Mediterrâneo do alto das montanhas do norte do Líbano.

Há 30 anos, quando Raïd tinha apenas seis anos, sua mãe começou a trabalhar no orfanato. Ela trazia o menino que gostava de participar nas missas e orações com as irmãs. Hoje, a sua esposa, Rima, espera uma menina que deverá chamar-se Aquilina, uma santa que viveu no início do século IV. Logo após o nascimento, Raïd será ordenado sacerdote.

A sua vida como professor de árabe e de catecismo em escola primária é bastante apertada. Principalmente porque decidiu tirar o diploma universitário para melhorará o seu salário. Só então, quando não precisar pagar a universidade, poderá pensar em comprar uma casa própria. Rima era secretária em Beirute. Quando ele foi removido para Kfarfu, ela perdeu o emprego. Foi difícil encontar outro, mesmo ganhando só metade do salário. Esses são problemas que a família dos sacerdotes precisam sempre de enfrentar, embora os libaneses gostem de manter a tradição de deixar cada sacerdote no lugar onde sua família sempre viveu.

Outro problema dos jovens sacerdotes relaciona-se com as profissões, algumas tradicio-nalmente proibidas, como as actividades comerciais. Mas Raïd gosta de fazer foto-grafia e isto é permitido. Ele já tem feito alguns trabalhos para revistas católicas. Na sua opinião, o grande problema do clero libanês é o dinheiro. ‘‘Os que trabalham em paróquias ricas são ricos. Mas os que trabalham em paróquias pobres são muito pobres’’, conta o diácono. Isto explica porque é que os párocos recebem todo dinheiro pago por casamentos, baptizados e funerais.

O bispo El Hage tentou mexer neste costume na sua diocese e formar uma bolsa comum para depois distribuir de forma mais eqüitativa entre todos os párocos. Mas encontrou muita resistência dos padres dos bairros e vilas ricas. ‘‘O dinheiro é um Deus’’, lamenta o futuro sacerdote.

Quando conversei com o padre Alwan, secretário-geral da Conferência Episcopal, sobre os padres casados, ele até achou graça: ‘‘Este problema é vosso, do Ocidente. Nós, no Oriente, vivemos bem com os nossos padres casados.’’ Ele admitiu também que a ordenação de mulheres ainda não se constitui uma exigência no Oriente: ‘‘Ainda não chegamos a esse nível de consciência.’’

No início, podia
A história do cristianismo comprova que nos primeiros séculos não havia qualquer tipo de proibição em relação à ordenação de padres casados.
No século V, 300 bispos, entre os que participaram do Concílio de Rímini, eram casados.
As proibições só começaram nos séculos IV e V em diferentes concílios e foram sendo aceites, pouco a pouco, pelas dioceses. As motivações eram administrativas e económicas.
Do tipo: para quem fica a herança do padre? Para os filhos ou para a Igreja? Ou inspiradas em rituais que desprezavam a mulher e considerava impuro o acto sexual. Como celebrar a Eucaristia depois de ter passado a noite com uma mulher?
No Concílio de Latrão, em 1123, passou a ser uma exigência para todo o mundo latino.
No Oriente cristão, os homens casados mantiveram o direito de ser ordenados.

Todo este processo decorria paralelamente a uma postura cínica de fazer vistas grossas à vida sexual do baixo e alto clero. Hoje, cresce na Igreja Católica um movimento promovido por leigos, sacerdotes e até mesmo por bispos que defendem o do fim do celibato obrigatório para o clero latino.
Veja a noticia aqui

6 comentários:

  1. Como o padre e representante de CRISTO,poriço não deve casar-se.O sarcerdote e celibatario,pois ele e escolido por DEUS e não pelos os homens devemos somente tomar sua bençao aprovando a escolha de DEUS

    ResponderEliminar
  2. Por que o "representante" de Cristo não pode casar? Em que o casamento torna um homem menos apto ao sacerdócio? Vejam o exemplo dos maronitas, dentre outros dos ritos orientais. É totalmente possível -- e eu diria, até necessário -- ser padre, marido e pai. Aliás, a experiência como marido e pai em muito ajuda o ministério sacerdotal, pois possibilita ao padre casado ter uma visão mais realista de certos contextos que não teria se fosse celibatário, como o Vaticano impõe aos sacerdotes do rito latino.

    ResponderEliminar
  3. Sou padre católico de rito romano e considero que um sacerdote pode ser bom quer seja casado ou não. O matrimônio, como o sacerdócio, é um sacramento e, por isso, não diminui em nada a dignidade do homem a ser ordenado. Viva a Igreja Maronita! Viva a Igreja Católica!

    ResponderEliminar
  4. Sou católico Romano,não vejo impersilio em um casado ser ordenado padre.Vejo que sendo o impedirá de se envolver em muitos escândalos.
    Estes podem ser homens santos,pois o ato sexual entre conjuges não é pecado,pois além de ser para o desejo,a felicidade e a alegria de um ser humano o sexo foi criado por Deus para dá continuidade a sua obra criadora.Não estaria a Igreja negando ao homem que deseja servir ao altar o direito de participar dessa criação.Leiam.Ex:28.Lv:21.ITM:3.E para ser mais ortodoxo ainda leiam:Hebreus 13:4 – “Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará.”Avaliem os casos de prostituição dentro da Igreja Católica e os casos de pedofilia,onde não só as crianças,mas toda a familia é vítima.

    ResponderEliminar
  5. "A base do celibato entre os padres católicos é a primeira carta de São Paulo aos Coríntios, capítulo 7, onde afirma que o celibato é a melhor forma para dedicar-se totalmente à evangeli-zação, ao serviço aos irmãos e ao louvor a Deus."
    São Paulo diz que o celibato é a melhor forma, mas em momento algum diz que é a única.

    ResponderEliminar
  6. Tenho três questões:
    O matrimônio de padres sempre existiu na igreja Maronita?
    Quantos bispos Maronitas são casados hoje?
    Qual o nome da esposa de São Maron?

    agradeço desde já toda atenção

    ResponderEliminar