quarta-feira, outubro 01, 2008

Começou o Sínodo dos Bipos sobre a Palavra de Deus

A atitude eclesial que o Sínodo dos Bispos pretende suscitar passa pelo serviço da Palavra de Deus, em Igreja. Todos podem e devem prestar este serviço:
  • os estudiosos através da investigação cuidadosa e rigorosa, para ajudarem todo o povo de Deus a progredir no conhecimento da sua Palavra;
  • os pastores da Igreja, anunciando a Palavra com vigor, explicando-a aos fiéis e convidando-os a caminhar na fidelidade aos seus ensinamentos;
  • os catequistas, animando na descoberta das infindáveis riquezas da Palavra e testemunhando o seu poder para a transformação da vida pessoal e colectiva...
  • e todos, em comunidade ou individualmente, dando testemunho diante do mundo de amor à Palavra de Deus, de alegria na sua escuta e, sobretudo, de adesão à mesma – que é adesão a Jesus Cristo – deixando-se converter e conduzir por ela.

A adesão à Palavra de Deus não é uma iniciativa individual. A iniciativa é sempre de Deus – e o lugar da sua realização plena é a Igreja. Não há, por isso, conversão à Palavra que não seja também conversão à Igreja, à comunidade crente por meio da qual a Palavra chega até cada um de nós. E também por isso, não há verdadeira escuta da Palavra que não tenha uma dimensão de Igreja – mesmo quando a Palavra é lida e meditada na intimidade e na solidão.

A Palavra recebe-se, não se inventa;

é-nos dada, não é conquista nossa;

é poder transformador de Deus, revestindo a fraqueza da nossa carne.

A Palavra guia aquele que se deixa converter por ela para a verdade total,

a verdade de Deus em Jesus Cristo.

Esta verdade, porém, só é plenamente reconhecida na comunhão com toda a Igreja e só pode ser verdadeiramente vivida no seio de uma comunidade de fé – de outro modo, arrisca sempre a falsificação do amor próprio, o orgulho da auto-complacência, a mentira ideológica de quem se julga senhor da Palavra, em vez de se deixar julgar por ela.

Fonte: Elias Couto in Ecclesia

3 comentários:

  1. Olá,

    Presumo que a "Palavra de Deus" seja a "Bíblia Sagrada". Se assim é, estamos a lidar com papel e letra morta, onde está o contacto humano, os afectos, o amor, a amizade, por muito que amemos a Bíblia ela não nos dará isso, e por mais que se diga que é a Palavra de Deus, ela não nos dá beijos.

    A Palavra de Deus está no contacto com a Natureza, com o Humano, com o Espírito, e não num monte de folhas de papel escritas sabe-se lá por quem e por que intenções as escreveu.

    A letra está morta, os humanos estão vivos. Eu acredito nos vivos e não nos mortos.

    Viva a Vida, e um até já,
    Luís

    ResponderEliminar
  2. li agora este comentário e só queria precisar que a "Palavra de Deus", segundo me ensinaram e acredito, não é a Bíblia Sagrada, o Livro. Diz S. Paulo "a letra mata, mas o Espírito dá Vida". A Palavra de Deus, em termos simples, para mim é a Vida na relação com o Espírito, é o ENCONTRO do homem com Deus. A Bíblia Sagrada fala deste ENCONTRO, é assim que eu a leio.
    Para mim não é passado, mas é algo de vivo, presente e actual.
    João

    ResponderEliminar
  3. Espero que Sao Paulo os ilumine e saibam ler com verdade o que ele deixou.

    ResponderEliminar