sexta-feira, abril 01, 2011

DOM FARES MAAKAROUN - Em defesa do celibato opcional

Da última vez que o entrevistei, o senhor disse que estava a preparar-se para ordenar homens casados, no Brasil, pois essa é a tradição das igrejas orientais, e esperava que os irmãos católicos romanos aceitassem os orientais como eles são.
Como está a questão da ordenação de homens casados?
Dom Fares - Esse é um ponto importante. A Igreja Romana deveria aceitar as igrejas irmãs, filhas ou o que seja, com todos os direitos que estas possuem, segundo o Direito Canônico. Mesmo num país católico romano, se nele existe uma Igreja Católica oriental, que esta possa ordenar homens casados para fazer parte de seu clero, como é sua tradição. O Direito Canônico foi aprovado para toda a Igreja Católica Apostólica, ocidental e oriental. Uma Igreja Católica oriental deve ter o direito de viver sua vida de maneira plena, em qualquer parte do mundo. Esta é uma riqueza. A gente não pode exigir de uma Igreja mudar de mentalidade, de costumes, deve aceitar com respeito os outros. Estou à espera, mesmo no Brasil ver um dia - não sou precipitado - isso realizar-se. Eu até entendo que a igreja local nunca ouviu falar desse assunto e estranhe. Mas espero um dia ouvir: a sua Igreja é oriental? Então, as portas estão abertas para exercerem os seus direitos plenos, inclusive o de ordenar homens casados.

Então o senhor ainda não ordenou homens casados para o seu clero, aqui no Brasil?
Dom Fares - Não, até hoje não ordenei.

Mas precisa ter consentimento?
Dom Fares - Como sou membro da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), também gosto de respeitar a maneira de fazer da Igreja Católica local. Tenho de respeitar isso. Mas estou à espera de que um dia a igreja local possa me dizer: você é livre para fazer isso. Com muito respeito, vamos continuar a amar e apoiar este bispo nosso.

E a Igreja Melquita tem seminaristas no Brasil?
Dom Fares - Sim, temos. Mas não são seminaristas casados. Estão a preparar-se para se tornar padres celibatários.

O celibato é obrigatório, então?
Dom Fares - Obrigatório, mas foi uma opção. Hoje em dia eu não posso quebrar essa relação com a Igreja local. Tenho que respeitá-la. Mas, um dia, estou certo, a Igreja local também vai reconhecer de uma maneira mais profunda a riqueza da Igreja Oriental em ter homens casados ordenados. Vai começar esse período. Essa falta grande de padres, se o celibato não for uma obrigação, vai permitir ordenar mais padres. Temos leigos maravilhosos, inseridos na vida da Igreja, a fazer grandes obras. Eu até me sinto envergonhado como bispo ao ver a maneira profunda como se dedicam à religião. E digo: eu tenho de melhorar a minha vida espiritual - eu, bispo. Entre esses leigos já inseridos, nós podemos chamar algum - aquele médico, aquele professor - para se preparar para se tornar um dia um padre. E a mulher dele e os filhos devem dar um testemunho, diante de todo mundo, como uma família dedicada a ajudá-lo a dirigir a igreja como padre. Nós precisamos disso. E vamos fazê-lo aos poucos, não podemos forçar as coisas.

Há uma compreensão cada vez maior de que o restabelecimento da comunhão entre Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa ajudaria muito na solução de vários problemas dentro da Igreja Romana. A própria questão do celibato obrigatório, do casamento religioso e da própria organização eclesial tem encontrado uma boa resolução dentro da visão oriental.
Dom Fares - Esse é um ponto muito importante.
Em primeiro lugar, ao permitir aos homens casados se tornarem padres isso não vai diminuir o número dos padres celibatários. No Oriente, temos monges, missionários, padres seculares não-casados, os próprios bispos também não se casam, ao lado do clero casado que trabalham nas paróquias. Nem por isso diminui o número dos que se consagram ao celibato. Ao ver que tem a opção de escolha, quem opta pelo celibato o faz alegremente. Na verdade, vai aumentar o número de celibatários.
Por isso a Igreja local vai descobrir em pouco tempo a riqueza que é ter homens casados ordenados e vai permitir essa opção. Nas outras igrejas cristãs o clero é casado, só os ortodoxos ainda têm os monges e os bispos celibatários.
Se estamos interessados na comunhão com os ortodoxos, por que não preparar desde já homens casados, no interior da Igreja Católica Roma para assumir o sacerdócio? É essa abertura que se espera da Igreja Romana.
Aceitar ordenar homens casados é diferente da aceitação do casamento de padres já ordenados como celibatários. Esse é um problema ainda de difícil solução, mesmo nas igrejas orientais que não aceitam que depois de ordenado um padre possa se casar. O casamento tem de ser feito antes de receber o diaconado.
Porque é que há tão poucos padres casados (da Ucrânia, Russia...) em Portugal?

10 comentários:

  1. Acho um horror. A Igreja passando por tantos problemas e um (1) pq é só ele que pensa assim, se não está de acordo com a Igreja Romana deveria voltar ao oriente. Olha, esse bispo deveria estar preocupado em unir e não dividir, essa maluquice dele é estranha aos católicos ocidentais, que nem sabem que existe uma Igreja Melkita, quanto mais casados padres, nosso povo não está preparado para isso, seria um escanda-lo para maioria dos católicos ocidentais. Aqui mesmo clero é contra , esse tema já foi debatido em Itaici, e foi renegado pelos próprios padres. Ele vai ter que ordenar lá no oriente.

    ResponderEliminar
  2. E Dom Fares, nem o povo Melkita quer ele mais, já enviaram um dossie ao papa , para que seja trocado o bispo Melkita no Brasil, o papa já mandou até um visitador apotólico para investigar as ações desse bispo inquieto demais, ele pensa que pode sair mudando td de acordo com sua vontade.
    Faz me rir rsrsrsrsrsrsss

    ResponderEliminar
  3. Michael Seymour25 dezembro, 2010

    O conhecimento científico está fundamentado em hipóteses e teorias que facilmente podem ser mudados, transformados, refutados, a ciência afirma sobre si mesma que é um conhecimento em transformação, no entanto os axiomas "primários" que sustentam a ciência não são alterados, pois caso assim fossem, toda a ciência, guardada as devidas proporções, viria por terra.
    Na religião as coisas funcionam de maneira distinta, não somos movidos pela ciência e sim por fé. por dogmas, verdades absolutas inquestionáveis, aonde muitas delas instituidas pelo próprio Cristo.
    No entanto ao longo da história parece que o evangelho vai ficando velho e caduco e as palavras de Deus já não fazem tanta diferença, pois a força da interpretação muda os caminhos ensinados pelo Mestre, parece que Deus sai da moda, vai ficando pop e aos poucos tentamos curvar parâmetros doutrinários construídos por Jesus e sua igreja ao longo do caminho.
    Num era em que tudo vai ficando democrático, light e diet, vamos fazendo uma igreja segundo a vontade de cada um.
    então a hóstia se transforma apenas num símbolo,os padres casam, libera-se a camisinha para aos leigos para brincarem de prazer, o demônio não mais existe, tudo é uma questão de psiquiatria, psicologia e psicanálise, desmonta-se o que um dia se chamou de Igreja católica Apostólica Romana em prol de um relativismo cinetífico em que se pode tudo, lembrando que na filosofia tudo é nada, sendo assim, por silogismo lógico, terminamos num nada, é até bom que o Senhor terá misericórdia de nós e do nosso nada, Ele reconstruirá tudo novamente, então será o juízo final, estarei feliz por isso.
    Sou cristão e preso pela minha igreja como ela me ensinou a ser igreja, não quero ser intolerante com isso, quero apenas defender o que o Catolicismo tem de melhor, sua doutrina fundamentada nas palavras do próprio Mestre, vem deixa TUDO e segue-me, mas acho que esta passagem vai virar apenas poesia ou vamos precisar mudar a tradição, vem deixa TUDO, exceto tua esposa e segue-me, e agora? ficou melhor?
    Estou aqui para ajudar a minha igreja e a este irmão Bispo que necessita de muita atenção, carinho, amor e um convite especial a reviver os experiências dos sacramentos da Igreja, comece pela confissão, procure um sacerdote meu irmão e volte a casa do Pai, pois eu enquanto simples leigo batizado te dou o meu perdão pelas blasfêmias e heresias que foram ditas. Vem e segue meu filho, foi para isso que o Senhor Jesus te fez bispo, antes de lutar por isso, lute pelo povo de Deus que passa fome.

    ResponderEliminar
  4. MUDANÇA DE RELIGIÃO.

    A mudança de lado, ou seja, a mudança da religião Católica para as ditas evangélicas se dá por falha do próprio catolicismo. O fator principal está em o padre não poder se casar. O padre não podendo se casar diminui a procura pelo sacerdócio, com isso menos jovens se interessam pelo trabalho de evangelização. O padre não podendo se casar se torna mais difícil encontrar pessoas com a eloqüência e poder de comunicação, comunicação esta tão necessária para transmitir os ensinamentos e atrair adeptos, eloqüência esta que se nota nos pastores evangélicos. Na maioria dos casos de mudanças de religião se da pelo fato dos pastores serem bem preparados em oratória, em muitos casos até com artimanhas de convencimento. Há pastores de igrejas evangélicas que levam a sério seu trabalho são verdadeiros discípulos de Cristo, mas há também aqueles que têm uma máquina registradora no lugar do coração só pensam em dinheiro. Todos nós sabemos que existem muitas igrejas que são verdadeiros estelionatos, enganam a fé pública de uma maneira deslavada. Sendo o Brasil um País com seus cidadãos, na maioria com baixa escolaridade, estas pessoas tem mais dificuldade em discernir o que é uma religião séria de uma que deixa a desejar. Não tenho nada com este problema, pois graças a Deus eu não tenho nenhuma religião. Faço este comentário porque tenho dó das pessoas serem enganadas em certas igrejas, sei que é saudável ir à missa ou a um culto evangélico não tenho nada contra, só digo, procurem um lugar onde a palavra de Deus esteja sendo seriamente apresentada sem interesses escusos.
    Conversando com uma amiga a qual era católica e agora esta na igreja quadrangular. Fazendo como sempre minhas pesquisas sobre religião, ouvi com atenção seu relato, segundo suas palavras ela está muito entusiasmada com sua nova religião porque o pastor e muito divertido conta piadinhas faz todos rirem, segundo suas palavras ela acha isso o Maximo. Veja como a coisa funciona ela esta feliz porque o pastor é diferente do padre, o padre geralmente é serio não esta lá para brincar. O pastor usando técnicas de convencimento usa estas artimanhas para arregimentar mais adeptos. Se a igreja Católica continuar teimando em padres não poderem casar o futuro será bem desagradável, pois dia a dia os evangélicos estão tomando conta do povo brasileiro.
    Paulo Luiz Mendonça. Autor do livro Crônicas indagações e teorias. Editora
    Scortecci.

    Nota, eu prefiro não ser nada a ser falso cristão.

    ResponderEliminar
  5. MUDANÇA DE LADO.

    Como pode isso estar acontecendo? Conheço pessoas que foram católicos desde sua infância, eram fervorosos devotos de Nossa Senhora Aparecida e de todos os santos católicos. Seguiram esta crença por mais de quarenta anos. Repentinamente mudaram de religião, aquelas imagens de santos que eles adoraram por mais de quatro décadas perdem seus valores, são quebradas e jogadas no lixo. Engraçado aquilo que era sagrado por muitos e muitos anos, repentinamente não tem mais valor nenhum.
    Lá no passado, á quarenta anos atrás, seus país e depois a igreja, lhes ensinaram que santos existiam e faziam até milagres, lhes disseram isso sem mostrarem nenhuma prova da veracidade dos
    fatos, apenas deviam acreditar sem questionar, agora quarenta anos depois, outra seita religiosa lhes fala que Nossa Senhora Aparecida não existe e que santo não tem valor nenhum, dizendo isso também sem apresentar nenhuma prova da veracidade dos fatos, estas pessoas imediatamente sem contestar acreditam, pasmem, estes santos que eles acreditaram por mais de quarenta anos, em muitas ocasiões segundo relatos feitos por eles, Nossa Senhora aparecida e também os diversos santos chegaram até a agraciá-los com alguns tipos de milagres.
    Repentinamente, estes santos e Nossa Senhora Aparecida não representam mais nada e vão diretos para o lixo. Será que todos estão enlouquecendo ou eu sou um cego, ou meu grau de inteligência é medíocre e não consigo ver as coisas claramente.

    Esta Crônicas foi extraída do livro, Crônicas indagações e teorias. Autor Paulo Luiz Mendonça. Editora Scortecci.

    ResponderEliminar
  6. Olá caríssimos comentadores...
    Bom, são tantos os assuntos relacionados à fé, acabam sendo tratados de uma maneira muito subversiva e evasiva, sem muito aprofundamento. Gostei muito dos comentários questionáveis do Paulo Mendonça, mas em relação ao primeiro assunto comentado a respeito do sacerdócio celibatário ou opcional existem ideias vazias e ignorantes, ou seja, falta um conhecimento profundo a respeito do assunto.
    Aos que comentaram condenando e criticando o Sr. bispo oriental estão totalmente fora da abordagem e da explicação que o mesmo fez em relação ao sacerdócio. É preciso ter um conhecimento bíblico-teológico, espiritual-científico em relação a essa situação, não basta colocarmos uma opinião pessoal e preconceituosa em relação ao que o outro falou, pois o bispo fala com conhecimento de causa e de vivência. Porque pelo o que sabemos o sacerdócio celibatário na Igreja entrou muitos séculos depois da Ressurreição de Jesus e das primeiras comunidades cristãs, claro que existiam aqueles entre os discípulos dos apóstolos, ou seja, aqueles que vieram depois da pregação apostólica nos lugares aonde o Evangelho chegou, alguns desses discípulos optavam pelo celibato, ou seja, sentiam o desejo de servirem a Jesus e ao seu Reino totalmente desprendidos dos aspectos sentimentais, matrimoniais e familiares, apesar de que os que aceitavam ser da comunidade de Jesus assumiam uma família espiritual. Bom a Igreja Ortodoxa segue uma linha baseada no início do cristianismo, uns eram chamados para o celibato e outros eram chamados para constituírem família, no entanto, na Igreja Católica Romana também era assim, até que mais ou menos nos séculos VI e VII o papa, os bispos e os padres da época acharam melhor a opção celibatária, porque a partir do fato de que os homens escolhidos seriam desapegados das coisas desse mundo o trabalho espiritual facilitaria. Claro não se pode negar o convite do Mestre, ou seja, "quem quer me seguir renuncia a tudo e a todos e vem atrás de mim", só que Jesus não pediu para deixar de amar os que são nossos queridos e queridas, simplesmente o amor daquele que deixa tudo pra seguir o Cristo se torna mais abrangente, ou seja, amar a tudo e a todos sem distinção...

    ResponderEliminar
  7. A Igreja Ortodoxa não inventou isso agora, já existe desde sempre, para os que não sabem existe toda uma história eclesiástica, ou seja, existe uma história que baseia e permeia toda caminhada da Igreja, assim consideramos: A Igreja Católica Romana é chamada de ocidental, pois consideramos que Pedro e Paulo morreram em Roma, sofreram o martírio, testemunharam a Cristo perante o Império Romano, então é por isso que a sede da Igreja Católica está em Roma; já a Igreja Ortodoxa ou chamada oriental seguiu a linha dos outros apóstolos que ficaram na Ásia pregando o evangelho, o que mais difundiu esse esquema da ortodoxia foi Santo André, a sede da igreja ficou sendo Constantinopla, já eles consideravam sendo da ortodoxia da Igreja, sendo assim, acreditavam estar precisamente na verdade do evangelho. Bom, mas tudo isso é questão de poder, de politicagem, porque cada um buscava o seu interesse, no entanto, essa não é a questão.
    O celibato sacerdotal é uma benção para o Reino, assim como a vida matrimonial também o é, nada impede de que existam essas duas realidades na Igreja, homens casados e solteiros que se dedicam ao Reino de Deus; os solteiros mais livres e desprendidos e os casados limitados à sua realidade familiar, profissional e social, mas estarão sendo sinais da graça de Deus na vida do seu povo, ou melhor, do povo de Deus...

    ResponderEliminar
  8. Quem sabe ajudaria a resolver outras questões, digo assim sabendo que não sanaria o problema, mas ajudaria a diminuir, como por exemplo, a questão da pedofilia, do homossexualismo, porque se o fulano não quer ser nem casado e nem celibatário não pode de maneira nenhuma ser homossexual, ou, viver uma vida dedicada aos seus prazeres e nem muito menos ser pedófilo, pois este último caso já é grave. (Lembrando que não estou entrando no mérito de julgamento, quem vai julgar é Deus, no caso do homossexualismo, se são dois adultos, sabem o que estão fazendo, que acertem contas com Deus, agora se já é problema de pedofilia, pode ser um desvio, uma doença, uma vingança por ter passado por essa situação, querem descontar nos outros e assim vai).
    Enfim, vamos usar mais argumentos para a reflexão e com ideias claras em relação aos comentários colocados, porque é muito fácil dizer o que eu quero, sem conhecimento de causa, de origem e de fato e ainda isso não gera compromisso nenhum, cria-se mais polêmica e não chegamos a lugar algum. Quero ainda numa outra ocasião responder ao que falou o Paulo Mendonça em relação à questão religião e suas mudanças, ou seja, ao sincretismo religioso e à insatisfação das pessoas em relação ao que acreditam de fato. Fé não é religião é uma experiência com Deus, não aquele Deus que vai resolver minhas dificuldades: financeira, profissional, de saúde, de família, etc e tal. A religião servirá de suporte para o meu aprofundamento religioso e espiritual em relação aos outros que convivem comigo nesta esfera global, chamada de Planeta Terra, porque posso ter uma religião e ser igual ou pior do que aqueles que não têm nenhuma...

    ResponderEliminar
  9. «Os homens precisam de saber que Deus os ama»
    Os Japoneses são um bom exemplo!

    ResponderEliminar
  10. Celibato?
    Meus Deus…
    Quanta ignorância…intolerância…preconceito…
    Jesus nunca institui o celibato…tal como alguém já referiu aqui …foi a estrutura da Igreja Católica a instituir séculos depois …porque o acharam necessário, no contexto eclesial daquele momento histórico.
    Em breve a Igreja Católica, voltará a rever este estatuto, por força das circunstancias e porque o Espírito Santo é mais forte, que o preconceito ou a teimosia humana. Hoje a maioria dos católicos que se assumem plenamente, não vêm problema no fim da obrigatoriedade do celibato sacerdotal. Grande parte dos sacerdotes, não fazem deste tema uma cruzada, pois admitem que os tempos estão a mudar e isto não é o essencial da Fé!
    Virá em breve o tempo, em que haverá sacerdotes católicos casados e celibatários por opção!
    O mesmo sucederá relativamente ao sacerdócio das mulheres!
    São os sinais dos tempos. O celibato ou o sacerdócio das mulheres, não são um Dogma de Fé.
    Não é por eles,que tenho Cristo na minha vida!!!
    Meus Deus,meu Deus…. abre os coração de pedra!

    HD

    ResponderEliminar