quinta-feira, junho 23, 2011

Ordenação das mulheres só quando «Deus quiser»

«Teologicamente não há nenhum obstáculo fundamental», diz D. José Policarpo

O cardeal-patriarca considera que a ordenação sacerdotal das mulheres vai acontecer quando “Deus quiser” e que, até lá, é preferível não tocar no assunto, mesmo sabendo que os impedimentos desta opção são mais tradicionais do que teológicos.

“Teologicamente não há nenhum obstáculo fundamental”, afirma D. José Policarpo em entrevista publicada na mais recente edição do boletim da Ordem dos Advogados, datada de maio, acrescentando que a tradição da Igreja tem tido a última palavra: “Nunca foi de outra maneira”.

O prelado está convencido que “não há neste momento nenhum Papa” com poder para alterar essa prática e que é preferível não discutir o assunto: “No momento que estamos a viver, é um daqueles problemas que é melhor nem levantar… suscita uma série de reações”.

A mudança nesta tradição ocorrerá “se Deus quiser que aconteça e se estiver nos planos Dele acontecerá”, diz José Policarpo.

Fonte: Agência Ecclesia

8 comentários:

  1. «4. Embora a doutrina sobre a ordenação sacerdotal que deve reservar-se somente aos homens, se mantenha na Tradição constante e universal da Igreja e seja firmemente ensinada pelo Magistério nos documentos mais recentes, todavia actualmente em diversos lugares continua-se a retê-la como discutível, ou atribui-se um valor meramente disciplinar à decisão da Igreja de não admitir as mulheres à ordenação sacerdotal.

    Portanto, para que seja excluída qualquer dúvida em assunto da máxima importância, que pertence à própria constituição divina da Igreja, em virtude do meu ministério de confirmar os irmãos (cfr Lc 22,32), declaro que a Igreja não tem absolutamente a faculdade de conferir a ordenação sacerdotal às mulheres, e que esta sentença deve ser considerada como definitiva por todos os fiéis da Igreja.

    Invocando sobre vós, veneráveis Irmãos, e sobre todo o povo cristão, a constante ajuda divina, concedo a todos a Bênção Apostólica.

    Vaticano, 22 de Maio, Solenidade de Pentecostes, do ano de 1994, décimo-sexto de Pontificado.»

    CARTA APOSTÓLICA
    ORDINATIO SACERDOTALIS
    DO PAPA
    JOÃO PAULO II
    SOBRE A ORDENAÇÃO SACERDOTAL
    RESERVADA SOMENTE AOS HOMENS

    http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/apost_letters/documents/hf_jp-ii_apl_22051994_ordinatio-sacerdotalis_po.html

    ResponderEliminar
  2. Afirmar que só quando Deus quiser é querer dar tempo a uma coisa que o tempo passado já a definiu: se Deus quisesse a ordenação de mulheres o teria feito na ocasião em que Cristo fez a primeira ordenação dos Apóstolos, todos homens. E, certamente, Nossa Senhora teria sido a primeira delas. Outra coisa é a questão teológicA: PARA QUE A ORDENAÇÃO SEJA VÁLIDA É NECESSÁRIO QUE CONTENHA OS ELEMENTOS ESSENCIAIS À SUA VALIDADE:a matéria (páo e vinho) e o oficiante (um sacerdote do sexo masculino).

    ResponderEliminar
  3. Porquê todo este silêncio em torno do livro do Padre Motard? Não acham pertinentes as questões que ele levanta? Não mereceria uma ampla discussão? Ou haverá receio de desagradar à hierarquia?

    ResponderEliminar
  4. Para que as mulheres possam aceder ao magistério é preciso, primeiro, que toda a doutrina se dispa da misoginia em que assenta desde a sua formação. Ilustro:

    É no Novo Testamento que encontramos a manifestação mais explícita de misoginia, e se constata veemente a posição secundária da mulher.
    Ela partiu do Apóstolo Paulo.

    A primeira posição encontra-se nas citações feitas na Primeira Carta aos Coríntios, mais especificamente no Capítulo 11, versículos 3, 5, 8-9, 13 e Capítulo 14, versículo 34:

    - Quero, no entanto, que saibais o seguinte: a cabeça de todo homem é o Cristo; a cabeça da mulher é o homem; a cabeça de Cristo é Deus.

    Mas toda mulher que reza ou profetiza de cabeça descoberta desonra sua cabeça, pois é exatamente como se estivesse de cabeça raspada.

    Pois não é o homem que foi tirado da mulher, mas a mulher do homem.

    E o homem não foi criado para a mulher, mas a mulher, para o homem.

    Julgai por vós mesmos: porventura é conveniente que uma mulher ore a Deus sem tirar véu?

    as mulheres calem-se nas assembléias; elas não têm permissão para falar; elas devem permanecer "submissas", como o diz a lei.

    A ciência não reconhece inferioridade da mulher em relação ao homem - diferenças biológicas não implicam em juízo moral e social diferenciado. Por outro lado, as contradições encontradas nesses textos sagrados(?) continuam ainda hoje nas religiões que os adotam. Por exemplo, as mulheres são impedidas do exercício de certas funções nas igrejas. Biblia e ciência divergem claramente em relação às diferenças entre o valor do homem e da mulher.

    Mulher.

    ResponderEliminar
  5. Cara Mulher,

    já percebi! A escrever assim, Católica não é. O que é um problema, arrisco a dizer, de grande parte dos que se consideram Católicos (complexo para abordar aqui).

    Os protestantes é que se convenceram que podem interpretar as Sagradas Escrituras e sobrepôr-se ao Magistério.

    Você consegue ir mais longe, considera-se acima de Deus ao fazer o julgamento da Sua infalível e eterna Palavra.

    Aconselho-a a estudar a Doutrina da Igreja Católica (tente adquirir o Catecismo de S. Pio X- pode fazer download na net); depois de lê-lo, esclareça-se com um bom sacerdote - repito: um BOM e SANTO SACERDOTE - sobre essa confusão que demonstrou sobre ciência e religião, e ainda, sobre a temática da igualdade que é outro problemas que acresce no entendimento destas matérias.

    Afaste-se dos maus sacerdotes (teólogos) que permanentemente publicam heresias e envenam os fracos na Fé.

    Fundamental é procurar a humildade, para isso aconselho-a à confissão mensal (ou quinzenal), rezar o Terço todos os dias, 30 min de oração mental (todos os dias); às sextas procure fazer o tempo que puder junto do Santíssimo Sacramento.

    Se teve a graça de encontrar esse tal de Bom e Santo Sacerdote, peça-lhe para ser seu Director Espiritual.

    Agora pode rezar uma Avé Maria por mim. Pelo tempo que lhe dediquei a escrever este texto e pela minha recta intenção.

    PAX

    Homen

    ResponderEliminar
  6. Cara Mulher, ainda se quiser saber mais, lei-a o texto abaixo enviado ao Patriarcado de Lisboa

    Revmº Padre,
    Em face dos sucessivos escândalos e acto cismático (sobre o impedimento à celebração do Santo Sacrifício da Missa segundo o Missal de 1962, cfr. entre outros documentos o email da Diocese de Setúbal de 16 de Dezembro de 2010), provocados por S. Exª Revª o Cardeal Patriarca de Lisboa, donde refiro o último, que:
    1. pelas suas afirmações contra a Tradição da Igreja, no que diz respeito à ordenação de mulheres (cfr. Título no Ecclesia, 22 Junho 2011: “Cardeal-patriarca: Ordenação das mulheres só quando «Deus quiser»”), contrário a: Dz. 2301 - “ter-se por norma perpétua o que foi feito por Cristo, e pelos Apóstolos, já que a Igreja não tem nenhum poder sobre a essência dos Sacramentos, isto é, sobre o que o próprio Cristo estabeleceu”;
    2. codificado como crime contra a Fé (cfr. (I) CDC - Can. 1024. – “Sacram ordinationem valide recipit solus vir baptizatus”.; (II); e ainda pela CDF nos termos do Decretum generale – De delicto attentatae sacrae ordinationis mulieris AAS 100 (2008) 403);
    3. e visivelmente uma acto de subversão continuado (tentativa de corroer as mentes sobre a possibilidade de este acto ser possível) contra o Sacramento da Ordem (não é a primeira vez que S. Eminência profere este tipo de afirmação).

    Considerando:
    1. que o escândalo está a ter profunda e negativa repercussão internacional (cfr. - The mediocre leader of the most mediocre episcopate in Europe: (I) “No fundamental obstacle” to the ordination of women, no “Rorate-Caeli”; (II) Ordenação de mulheres só quando “Deus quiser”, no “Fratres in Unum”; (III) Una jerarquia dudosa, no “Ex Orbe”; (IV) Otro cardenal vergonzoso, no “La Cigüeña de la Torre”).
    2. ainda que S. S. Papa Pio X ensina que “todo aquele que tiver tendências modernistas, seja ele quem for, deve ser afastado quer dos cargos quer do magistério; e se já estiver de posse, cumpre ser removido”. E ainda: “faça-se o mesmo com os que às ocultas ou claras favorecem o modernismo, louvando os modernistas, ou atenuando-lhe a culpa, ou criticando a escolástica, os Santos Padres, o magistério eclesiástico, ou negando obediência a quem quer que se ache em exercício do poder eclesiástico” (Pascendi Domini Gregis).
    3. também que “não nos é lícito calar para não parecer faltarmos ao nosso santíssimo dever” (Pascendi Domini Gregis, 1907) e que “a necessidade é tanta, já não são somente os prelados que hão-de velar pela integridade da Fé, senão 'que cada um tem a obrigação de propalar a todos a sua Fé, já para instruir e animar os outros fiéis, já para reprimir a audácia dos que não o são'” (São Tomás, S. Teol., II-II, q. 10, a. 2, q. ad 2).


    Solicito que S. Eminência o Cardeal Patriarca de Lisboa seja informado que será apresentada à Sé Apostólica, razão bastante e fundamentada sobre a matéria supra, para que S. E. seja presente a tribunal eclesiástico no sentido de ser cumprida a Lei da Igreja e consequente reparação da ofensa a Nosso Senhor Jesus Cristo.

    -----

    PAX

    Homem

    ResponderEliminar
  7. No fundo até o Cardeal sabe, mas não o pode admitir claramente, que Deus providenciará essa mudança , assim os homens na Igreja deixem de ser machistas e aceitem que também as mulheres são Filhas de Deus,como tal também podem vir a ser presbiteras...é só o questão de tempo e vontade do Espirito Santo... já faltou muito mais.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo, vá dizer isso a Jesus, não a nós.

    ResponderEliminar