segunda-feira, junho 21, 2010

O Papa condena energicamente o carreirismo no clero

“Quem aspira ao sacerdócio para um crescimento do seu próprio prestigio pessoal e do próprio poder compreendeu mal na raiz o sentido deste mistério”.

“O sacerdócio nunca pode representar uma maneira de atingir a segurança na vida ou de conquistar para si uma posição social”. A ambição e o sucesso fazem com que o padre seja “sempre escravo de si mesmo e da opinião pública”. “Para ser considerado deverá adular; terá de dizer aquilo que a gente quer ouvir; terá de se adaptar às modas e às opiniões e assim privar-se-á da relação vital com a verdade, reduzindo-se a condenar amanhã aquilo que terá louvado hoje”.

“Um padre que veja nestes termos o próprio ministério, não ama verdadeiramente Deus e os outros, mas apenas a si mesmo e paradoxalmente acaba por se perder a si mesmo”.

Fonte: Agência Ecclesia

O Papa têm vindo a denunciar energicamente o carreirismo na Igreja, desde que foi eleito e parece que muito poucos o tem escutado e seguido a suas pisadas. Digam-me o que já fizemos para que essa "pecha" não continue a destruir as relações fraternas no seio do presbitério? Será que estas palavras do Papa são para levar a sério?!!! Está na hora de os Senhores Bispos procurarem, por palavras e obras, seguir as pegadas do Pastor e discernirem como é urgente acabar com "carreirismo" no seio da Igreja.
Quem sugere medidas?

6 comentários:

  1. Esta nova "cara" do blog é pura e simplesmente indigesta. Quem consegue ler?
    A não ser que o autor queira que ninguém leia...
    Letra negra em fundo vermelho é horrível!
    Apenas uma opinião de um frequentador deste blog.

    ResponderEliminar
  2. Este Papa é um ingrato. Não fora o carreirismo e o Opus Dei e onde estaria este homem?!

    ResponderEliminar
  3. O carreirismo mata as relações. Já tinha percebido que a praga tb já tinha chegao à Igreja. É o pior que vos pode acontecer mas está tudo nas vossas mãos

    ResponderEliminar
  4. A melhor forma de acabar com o carreirismo eclesiástico é dar o exemplo, ou seja, é alterar a forma de estrutura e de poder da cúria romana, a qual exporta um modelo único de teologia e de organização da Igreja para o resto do mundo, pouco se importando com as peculiaridades de cada nação e continente.
    Enfim, teorizar é lindo, mas a prática é que são elas, sumo pontífice...

    ResponderEliminar
  5. Eu acredito que a Igreja deva tomar normas de conduta mais dura com relação ao clero no que diz respeito à carreirização sacerdotal. Infelizmente, em muitas comunidades, nós, leigos e não leigos, temos presenciado arrogância por parte de alguns padres por se acharem melhor em razão de ter um "poder" e "prestígio". Isto desqualifica a vocação verdadeira proposta por Jesus. O Papa Bento XVI está correto, e ele não é ingrato, como afirmou alguém, mas sim justo, equilibrado e alguém na condição de pastor que quer ver a Igreja sempre marcada pela seriedade e responsabilidade assumida. Dedico meu apoio total às dicisões do Papa, pois é Pedro, onde subsiste a Igreja de Cristo, Católica.

    ResponderEliminar
  6. Em Portugal enquanto "reinarem" os bispos actuais não há medida que valha a pena.
    E como são estes bispos a propor os próximos, o futuro da Igreja, criada por S. Pedro, à imagem de Cristo, não se prevê nada de bom!
    Não se tentem salvar à margem desta Igreja e vão ver onde vão parar!

    ResponderEliminar